slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
VII Encontro de Coordenação – PNAFM Programa de Modernização Institucional do

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 46

VII Encontro de Coordenação – PNAFM Programa de Modernização Institucional do - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on

VII Encontro de Coordenação – PNAFM Programa de Modernização Institucional do Ministério da Fazenda - PMIMF. 07.05.2007. Breve histórico. Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação. Complexidade organizacional. Maturidade. Gerenciamento de projetos. Carteira de Projetos. Desafios.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' VII Encontro de Coordenação – PNAFM Programa de Modernização Institucional do ' - ena


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

VII Encontro de Coordenação – PNAFM

Programa de Modernização Institucional do

Ministério da Fazenda - PMIMF

07.05.2007

slide2

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide3

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide4

Ministério da Fazenda

GM

SE

SPOA

OES

Órgãos

Colegiados

Entidades

Vinculadas

CMN

PGFN

Autarquias

Empresas

Públicas

Sociedades de

Economia Mista

CONFAZ

SRF

CRSFN

CNSP

STN

BACEN

CMB

BB

COAF

CVM

SERPRO

IRB

SPE

CSRF

1o, 2o, 3o CC

SUSEP

CEF

BASA

SEAE

CBN

EMGEA

BNB

SAIN

COMACE

Comitê de Coord.

Gerencial das Inst.

Financ. Púb. Fed.

BEP

ESAF

BESC

BESCRI

slide5

Breve histórico

Institucionalização

Alinhamento

Priorização de iniciativas

13 frentes de trabalho

Iniciativas em OES

Iniciativas transversais

Sustentabilidade

Desenho do Programa

Início dos Projetos (nov)

Agenda Global

Agenda Setorial

2004

2005

2006

2007

slide6

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide7

Diretrizes

1

Alinhamento

Estratégico

6

Foco em

Resultados

2

MODERNIZAÇÃO

ESTRUTURANTE

Integração

Eficiência

Operacional

Apoio à estruturação dos OES

5

3

Metodologias

de Gestão

4

slide8

Objetivos

Institucionalizar o Planejamento Estratégico do MF

Tornar efetiva a coordenação e integração das Secretarias e

PGFN

Institucionalizar metodologia de gerenciamento de projetos no MF

Promover a gradativa melhoria do desempenho das Secretarias,

PGFN e entidades vinculadas (eficiência e resultados), por meio

da realização sistemática do diagnóstico da qualidade de sua gestão

Tornar o processo de modernização permanente e sustentável no MF

slide9

Estratégia de Implantação

Instâncias decisórias de natureza estratégica com poder de decisão sobre temas que afetem a gestão.

Institucionalização de estruturas de gestão que tornem o processo de modernização permanente e sustentável.

GOVERNANÇA

1

*

*. Portaria MF/STN nº 482/2005, Meta nº 3: Estudo Comparativo da estrutura organizacional das Secretarias-Executivas.

. 4 apresentavam áreas estratégicas: MIN, MINC, MAPA e MME, sendo que MME e MAPA eram Assessorias.

slide10

Metodologias que colaborem para o processo de tomada de decisão, sobre assuntos de gestão, de forma mais consistente e fundamentada em informações produzidas em um contexto sistêmico e estruturante.

Construção conjunta e coletiva.

METODOLOGIA

2

Análise de maturidade

Planejamento

Tecnologia

Recursos Humanos

Estrutura/processos

Risco Operacional

Projetos

slide11

O apoio técnico às iniciativas de modernização decorrentes das decisões emanadas da alta direção.

Apoio na mobilização de recursos

APOIO

3

Carteira de Projetos

Apoio à modernização dos Órgãos

Apoio ao desenvolvimento de soluções de interesse comum aos Órgãos

Mobilização de Recursos (*)

*. Portaria MF/STN nº 850, de 31.10.2006

slide12

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide14

O que não pode ser esquecido: o efeito iceberg

_ A influência das metodologias e técnicas voltadas à sistematização de atividades, mapeamento de processos, racionalização de atividades, levantamentos, mapeamentos de competências, entre outras apresenta significativa eficácia

_ Esse é o terreno intangível onde os medos, interesses,

prioridades pessoais, visão de mundo, história, valores,

atitudes, ansiedades, comportamentos, redes informais

existem. Nesse mundo invisível, a LIDERANÇA é o principal

fator de influência.

slide15

O PMIMF fundamenta

-

se em .....

_ Orienta

ç

ão Estrat

é

gica

SEAE

SEAE

_ Alinhamento estratégico dos Órgãos preservando as

suas autonomia

_ Alinhamento estrat

é

gico dos

Ó

rgãos preservando

a autonomia dos

Ó

rgãos

_ Visão Sistêmica

_ Solu

ç

ões estruturantes

_ Busca permanente da integra

ç

ão entre os

Ó

rgãos

MF

_ Constru

ç

ão de metodologias

consensadas

_ Apoio metodol

ó

gico (t

é

cnico) e financeiro

_ Ênfase na estrutura

ç

ão da Gestão Interna dos

GAB/MF

GAB/MF

Ó

rgãos

_ A

ç

ões de moderniza

ç

ão fundamentadas na

MATURIDADE

de Gestão dos

Ó

rgãos

MATURIDADE

slide16

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide17

A

A

A

A

B

Maturidade

A

B

B

B

B

planejamento

Processos

Estrutura

RH

TI

A depender dos desníveis existentes entre os

diversos estágios de maturidade entre os órgãos em suas

diferentes dimensões organizacionais, a busca pela

eficiência e resultados pode ser comprometida

A

A

Ó

rgão

B

Ó

rgão

B

slide18

Políticas Públicas: efetividade

Maturidade de gestão

P

P

P

P

E

E

E

E

P

P

P

P

TI

TI

TI

TI

RH

RH

RH

RH

To

T1

T2

Tn

To

T1

T2

Tn

slide19

Maturidade: modelo em construção

Parâmetros iniciais - Dimensões de gestão a serem avaliadas e instrumentos de referência a serem utilizados

(*) – Dimensões exemplificadas com base em 2 modelos de referência: (i) FNQ – Fundação Nacional da Qualidade e (ii) GESPÚBLICA – Ministério do Planejamento – Secretaria de Gestão

(**) – Instrumentos de referência a título de exemplo. Os instrumentos efetivos são usualmente discutidos e validados junto à instituição, no caso, o Ministério da Fazenda.

slide20

Maturidade: requerimentos

Requerimentos e itens de verificação – Traduzindo as dimensões e instrumentos em necessidades do modelo de gestão

Exemplo

Requerimento

Os instrumentos indicam aspectos que o modelo de gestão deve considerar

O processo de Planejamento Estratégico deve orientar as alocações de recursos humanos, tecnológicos e financeiros relativos à tecnologia da informação da organização.

Itens de Verificação

  • Evidências de inserção do tema TI na agenda estratégica
  • Evidências de utilização de mecanismos de priorização da alocação de recursos com base nas diretrizes estratégicas da organização
  • Etc...

Exemplo extraído das primeiras dimensões globais do modelo COBIT para Tecnologia de Informação

slide21

Maturidade: requerimentos essenciais

Requerimentos Essenciais – eliminando redundâncias de requerimentos e definindo o essencial para o modelo de gestão

Modelo de Ref. COBIT para TI

Modelo Final ou Essencial

Requerimento

Requerimento Essencial

O processo de Planejamento Estratégico deve orientar as alocações de recursos humanos, tecnológicos e financeiros relativos à tecnologia da informação da organização.

Todas as ações de gestão devem ser orientadas pelas diretrizes, objetivos e metas estratégicas da organização.

Os projetos prioritários, as alocações de recursos, os programas de capacitação, as estratégias de comunicação, dentre outros aspectos da gestão, devem estar permanentemente alinhados com tais diretrizes, proporcionando maior clareza entre objetivos estratégicos e ações concretas que os viabilizem.

É comum ocorrerem repetições entre requerimentos de instrumentos referenciais distintos...

Modelo de Ref. de Avaliação de Sítios

Requerimento

O sítio deve refletir a visão da organização; Esta categoria evidencia o trabalho de planejamento e alinhamento do sítio com a estratégia da instituição.

Caso esses requerimentos fossem aplicados sem qualquer consolidação, estaríamos procedendo a avaliações de uma mesma organização em duplicidade de critérios.

A consolidação em Requerimentos Essenciais permite não apenas otimizar os esforços de avaliação, mas ao mesmo tempo responder a partir de uma única questão a diferentes critérios de modelos distintos, porém correlacionados.

slide22

Maturidade: Plano de Ação

Planos de ação – Consolidando as ações no âmbito da modernização

Processo de acompanhamento

da evolução do modelo de maturidade

Resultados das avaliações de todas as estruturas

Análise da situação encontrada (consolidada)

Ações estruturantes, comuns a todas as estruturas avaliadas

Conexão com Planejamento Estratégico, onde serão definidas as prioridades dos projetos de modernização da gestão

Ações localizadas, específicas a cada estrutura avaliada

slide23

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide24

Gerenciamento de projetos

Porquê Monitorar e Gerenciar??

_ PLANEJAMENTO ≠ REALIDADE

_ Na prática ocorre desencontros de:

. Escopo

. Prazos

. Recursos Humanos

. Recursos Financeiros

. Comunicação

. Qualidade dos produtos

_ Também na prática ocorre encontros...

. DE RISCOS!

Fonte: APEL Gestão de Projetos

slide26

Área de conhecimento

Conceito

Um projeto é um empreendimento único, com início e fim definidos, que utiliza

recursos limitados e é conduzido por pessoas, visando atingir metas e objetivos pré-definidos estabelecidos dentro de parâmetros de prazo, custo e qualidade [PMI 2000].

Escopo

Cronograma

Custo

Qualidade

RH

Comunicações

Gerenciamento de projetos

A gestão de projetos envolve criar um equilíbrio entre as demandas de escopo, tempo, custo, qualidade e bom relacionamento com o cliente. O sucesso na gestão de um projeto está relacionado ao alcance dos seguintes objetivos: entrega dentro do prazo previsto, dentro do custo orçado, com nível de desempenho adequado, aceitação pelo cliente, atendimento de forma controlada às mudanças de escopo e respeito à cultura da organização [PMI 2000].

Riscos

Aquisições

Integração

slide27

Gerenciamento de Projetos,

Programas e Portifólio

Institucionalização do Modelo de

Gerenciamento de Projetos

Ferramentas p/o funcionamento

eficiente do modelo

Ciclo de vida do projeto

Como os métodos deverão

ser aplicados

Modelagem dos EP

Perfis, competências e capacitação

Para os envolvidos no modelo

slide28

Gerenciamento de Portifólio, Programas e Projetos

Organização

Foco: Definir Curso de

Ação e Estratégia

Portifólio

Foco: Coordenar

Múltiplos Projetos

Programa

Foco: Entregar soluções

Projeto

Fonte: PMI-DF

slide30

Projetos e estratégia organizacional

Portifólio

Alto

Projeto 4

. Critérios para seleção e prioriza

ção de projetos – Fazer a coisa

certa

. Métricas de sucesso do projeto

. Alocação de recursos

Programa 2

Projeto 2

Projeto 3

Investimento

Projetos

Programa 1

Projeto 1

. Implementação tática da

estratégia – Fazendo o trabalho

da maneira certa

Baixo

Valor de Negócio

Baixo

Alto

slide31

EPe

Portifólio

50 %

Programa

30 %

Projeto

20 %

EPs - Entidades

Portifólio

30 %

Programa

50 %

Projeto

20 %

EPs - Órgãos

Portifólio

30 %

Programa

20 %

Projeto

50 %

slide32

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide33

Metodologia de Planejamento Estratégico

6

1. Gestão de Pessoas

2. Gestão da Modernização

3. Atendimento aos Contribuintes

4. Gestão da Infra-estrutura

5. Gestão Administrativa

6. Gestão Interna

7. Gestão Externa

8. PPI/PGFN

1

Diretrizes de Comunicação/MF e

Combate à Pirataria

7

Criação da Diretoria de Gestão

8

1. Gestão de Pessoas

2. Processos

3. Serviços

2

Seminário de Gestão

9

PETI/MF

3

Estudo de Plano de Carreira – Novo PCR

(STN/MF, CGU/PR, SOF/MP, SPI/MP e SRH/MP)

10

Metodologia de avaliação e

construção de sítios

4

Projeto de Modernização da ESAF

11

Projeto Intranet do MF

5

Carteira de Projetos

Portarias MF/STN nº 719, de 31.10.2005 e

nº 360, de 28.04.2006

slide36

Estruturação

da Área

Pessoal

Estratégico

Tecnologia

Consultoria Interna

Autonomia/Negociação

Ambiência

Plano de Carreira: roteiro e maturidade

Posicionamento

do RH

ABRANGÊNCIA

GERAL

Roteiro

de Pleitos

Manual de Maturidade de RH

Metodologia de sustentabidade fiscal

Atração e Retenção

Capacitação

Gestão do Desempenho

Gestão do conhecimento e inovação

Sistema de informação de RH

Comitê

Gestor de

Carreiras

Estruturação

dos macro-

processos

ABRANGÊNCIA

ESPECÍFICA

Novo

PCR das

Carreiras

Viabilidade Jurídica do novo PCR

slide37

Aprendizados

Projetos Estruturantes

(x) Pontuais

. Problemas apresentados como pontuais na verdade são estruturantes. Torna-se necessário aprofundar as razões de modernização, enfatizando, sobretudo, o Planejamento Estratégico

Integração entre as

OES

. OES são isolados em sua realidades, com suas próprias prioridades. Torna-se necessário explicitar a integração entre as atividades finalísticas e os ganhos individuais e coletivos da integração da gestão.

Replicação de Práticas

. Freqüentemente os problemas dos OES são comuns, propiciando o desenvolvimento de metodologias transversais, apresentando ganhos no aporte de recursos e incentivando a integração entre os Órgãos.

Modelos de Maturidade

. A busca da excelência na gestão é permanente e deve ocorrer em estágios de evolução que permitam a crescente maturidade dos OES e das suas práticas.

slide38

Breve histórico

Diretrizes, Objetivos e Estratégia de implantação

Complexidade organizacional

Maturidade

Gerenciamento de projetos

Carteira de Projetos

Desafios

slide39

Desafios

DESENVOLVIMENTO

ODM

Estatuto das

Cidades

Des. Econ.

Resp.Fiscal

AGENDA 21

SUSTENTÁVEL

slide40

Os desafios são tantos e tão complexos que a Onu criou um conjunto de

indicadores onde os 191 Estados-Membros das Nações Unidas assumem

o compromisso de até 2015..

IDH

Índice de Desenvolvimento

Humano

slide41

Habitação

Transporte e Mobilidade

Saneamento ambiental

Infra-estrutura urbana

Instrumentos de política econômica,

tributária e financeira

Meio-ambiente

Municípios: Realizar

ou atualizar seus

Planos Diretores

Estatuto das

Cidades

Política de desenvolvimento

e ordenamento da expansão

urbana nos municípios

slide42

Agenda 21

Plano de ação para ser adotado global, nacional e localmente, por

organizações do sistema das Nações Unidas, governos e pela

sociedade civil, em todas as áreas em que a ação humana

impacta o meio ambiente. Constitui-se na mais abrangente

tentativa já realizada de orientar para um novo padrão de

desenvolvimento para o século XXI, cujo alicerce é a sinergia da

sustentabilidade ambiental, social e econômica, perpassando em

todas as suas ações propostas

Agenda 21

slide43

Potencialidades Regionais

Arranjos produtivos Locais

Atração de setores produtivos

Geração de emprego e renda

Des. Econômico

Sustentabilidade Fiscal

Qualidade do gasto público

Responsabilidade

Fiscal

LRF

slide44

Maturidade

Momento

Atual

Planejamento

RH

TI

Processos

Estrutura

slide45

. Demandas Sociais Crescentes

. Restrições crescentes

. Soluções são sistêmicas

. Priorização de iniciativas e otimização na alocação

dos recursos é fator crítico de sucesso

. A gestão adequada de Recursos Humanos é

condição necessária para se atingir resultados

. A tecnologia promove constantes repensar na

forma de atuar da organização e de seus

profissionais

Governança/

Governabilidade

Nova forma de Planejar

e tomar decisões

(democrática e participativa)

Maturidade

Metodologia

Construção/uso de métodos

Compatíveis com a crescente

Complexidade social, ambiental,

econômica e cultural

Apoio

Foco em iniciativas com mérito

estratégico e que apresentem

solidez técnica, assegurando a

sua efetiva implantação

Planejamento

RH

TI

Processos

Estrutura

slide46

FIM

Fernando Ferreira

Diretor de Gestão

Tel: (61) 3412-2476

e-mail: [email protected]

ad