Cenário Macroeconômico
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 30

Cenário Macroeconômico 2009-2030 13/01/09 FIPE Fabio Kanczuk [email protected] PowerPoint PPT Presentation


  • 46 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Cenário Macroeconômico 2009-2030 13/01/09 FIPE Fabio Kanczuk [email protected] O objetivo desta etapa é gerar projeções futuras para variáveis macroeconômicas para o Brasil.

Download Presentation

Cenário Macroeconômico 2009-2030 13/01/09 FIPE Fabio Kanczuk [email protected]

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Cen rio macroecon mico 2009 2030 13 01 09 fipe fabio kanczuk kanczuk usp br

Cenário Macroeconômico

2009-2030

13/01/09

FIPE

Fabio Kanczuk

[email protected]


O objetivo desta etapa gerar proje es futuras para vari veis macroecon micas para o brasil

O objetivo desta etapa é gerar projeções futuras para variáveis macroeconômicas para o Brasil

  • Geração de projeções de variáveis econômicas, baseadas em hipóteses alternativas para o cenário mundial, para a evolução do nível educacional brasileiro, para as políticas monetária e fiscal domésticas, e informações sobre a tendência da convergência às melhores práticas produtivas.

  • Como resultado principal, obtém-se a projeção para as séries econômicas do PIB pela ótica da demanda (Investimento, Consumo das Famílias, Governo, Exportações e Importações) para serem utilizadas em modelos setoriais/regionais


Agenda

Agenda

  • Metodologia

    Digressão sobre Produtividade e Juro Neutro

    Hipóteses e Resultados


Modelos macroecon micos de proje o

Modelos macroeconômicos de projeção

  • Ampla variedade de modelos que possuem a capacidade de gerar projeções de variáveis macroeconômicas. Estes modelos se distinguem com relação a quantidade de estrutura, ou uso de Teoria Econômica

  • Em um extremo, modelos de série de tempo – projeção para o futuro é simplesmente a continuação (estatística) do passado. Variações podem ser adicionadas, com base em informações qualitativas.

  • Em outro extremo, modelos econômicos:

    • Relações estruturais dos fluxos de renda da economia

    • Consistência interna entre as variáveis

    • Modernamente, agentes econômicos inteligentes, que reagem a novas situações, tais como quebras estruturais econômicas (e.g. crises financeiras mundiais)


Caracter sticas do modelo egd

Características do modelo EGD

  • Modelos de equilíbrio geral dinâmico (EGD) consideram a economia como um sistema de mercados interdependentes, nos quais os valores numéricos de equilíbrio de todas as variáveis devem ser determinados simultaneamente.

  • Revisão positiva em diversos fóruns: setor público, setor privado, organismos internacionais.

  • Líder absoluto no mundo acadêmico. Vide, por exemplo, Kanczuk, F. (2003) “Real Interest Rates and Brazilian Business Cycles” Review of Economic Dynamics.

  • Agentes econômicos são explicitamente modelados:

    • Famílias maximizam utilidade, tendo como atributo o consumo, moeda real e lazer;

    • Firmas maximizam lucro;

    • Governo escolhe políticas fiscal e monetária

    • Setor externo influencia risco


Fluxograma

Fluxograma


Cen rio macroecon mico 2009 2030 13 01 09 fipe fabio kanczuk kanczuk usp br

Governo

Famílias

Moeda Real

Salário Real

Família

Firma

Horas de Trabalho

Juros Nominais

Famílias e

Setor

Firmas

Preço

Resto do

Financeiro

Mundo

Capital (Títulos)

Firmas e

Famílias

Governo

Juros Reais

Produto (PIB)

Dados 3 choques exógenos, determinam-se as alocações e preços em quatro mercados, a cada instante do tempo


Efeitos de choques na produtividade na emiss o monet ria e no pr mio de risco

Efeitos de choques na produtividade, na emissão monetária e no prêmio de risco

Produtividade

Emissão Monetária

Risco


Acur cia das proje es realizadas

Acurácia das projeções realizadas

  • Performance “fora da amostra” para as exportações e investimentos, gerados pelo modelo EGD e de fato ocorridas no Brasil:

  • Exportações Líquidas (% PIB)

  • Investimento (% PIB)


Itera o para a constru o de cen rio

Iteração para a construção de cenário


Agenda1

Agenda

Metodologia

  • Digressão sobre Produtividade e Juro Neutro

    Hipóteses e Resultados


Digress o o conceito de produtividade

Digressão: O conceito de produtividade

  • Produtividade = “Resíduo” da função de produção

  • ln(Y) = ln(A) +  ln(K) + (1 - ) ln(L)

  • Produção = produtividade + capital (máquinas e equipamentos)+ trabalho (mão de obra)

  • Depende de:

    • Nível educacional

    • Obstáculos (tributários) ao investimento

    • Marco institucional (burocracia, corrupção)

    • Adoção das Melhores Práticas / Tecnologia


Cen rio macroecon mico 2009 2030 13 01 09 fipe fabio kanczuk kanczuk usp br

De acordo com a “Teoria da Convergência Condicional”, na ausência de “problemas”, economia converge para fronteira

PIB per capita

Por que o Brasil não está convergindo?

(Quais os problemas?)

Produtividade


Melhoria da medida de produtividade em duas dimens es busca de problemas

Melhoria da medida de produtividade em duas dimensões (busca de problemas)

Capital Humano (Escolaridade)

Distorção à Acumulação de Capital


Retirado problema do capital humano e carga tribut ria o brasil est convergindo para a fronteira

Retirado problema do capital humano e carga tributária, o Brasil está convergindo para a fronteira

Produtividade “pura”: (PIB – Capital – Trabalho – Escolaridade – Carga Tributária)

  • Modelo pronto para uso!

  • Normalização e projeção


Digress o o conceito de juro neutro

Digressão: O conceito de juro neutro

  • Juro real neutro:

    • Juro real = juro internacional + risco + política monetária

    • Juro neutro: aquele que não causa aceleração inflacionária

    • Juro neutro = juros internacionais + risco

  • No passado, EMBI era medida natural de risco. Recentemente, substituição da dívida externa pela dívida interna. Nova medida de risco obtida através da estimação de painel dinâmico formado por 16 países em desenvolvimento.

  • Resultado: risco depende de:

    • Dívida

    • Superávit primário

    • Crescimento do PIB

    • Medidas de aversão ao risco (junk bonds)

    • Histórico do país (defaults)

       Especificação de política monetária: convergência ao juro neutro


Juro neutro utilizado para obter juro real

Juro neutro utilizado para obter juro real


Agenda2

Agenda

Metodologia

Digressão sobre Produtividade e Juro Neutro

  • Hipóteses e Resultados


Hip teses para o cen rio internacional i

Hipóteses para o cenário internacional - i

  • Curto Prazo:

    • Sistema financeiro dos EUA enfrentando seu maior teste desde a depressão de 1930

    • Mas há uma diferença clara na política econômica

    • Bernanke sobre Japão: “too little, too late”, “Rooseveltian Resolve”

    • Forte estímulo monetário, na forma de afrouxamento quantitativo

      • Juros curtos (Fed Fund Rate) em 0% por “período longo”

      • Juros longos em mínimo histórico

      • Compra de Corporate Bonds e Mortgage Backed Securities

  • Novo pacote fiscal: US$800bi focado em infra-estrutura? Expiring vouchers?

  • Longo Prazo:

    • PIB potencial (Congressional Budget Office) é de 2,8%

    • Será que prejudicado por expansão fiscal? (crowding-out)

    • Base Monetária (US$ bi)

    • BAA Spread (%)


    Hip teses para o cen rio internacional ii

    Hipóteses para o cenário internacional - ii

    • PIB dos EUA (%)

    • Cenários para exercício de sensibilidade


    Hip teses para a pol tica monet ria

    Hipóteses para a política monetária

    • Adota-se um cenário para os choques monetários que contempla uma reversão a valores (relativamente) baixos de inflação.

    • Conjectura de que a tolerância da sociedade brasileira ao uso de instrumentos heterodoxos de política monetária caiu drasticamente depois da estabilização obtida com o Plano Real.

    • Inflação (%, ano)


    Hip teses para a pol tica fiscal i

    Hipóteses para a política fiscal - i

    • Alocação dos gastos públicos no passado recente (% PIB)


    Hip teses para a pol tica fiscal ii

    Hipóteses para a política fiscal - ii

    • Superávit Primário (% PIB)

    • Carga Tributária (% PIB)


    Resultados

    Resultados

    • Alimenta-se o EGD com:

    • hipóteses de política monetária,

    • hipóteses de política fiscal

    • resultados de risco do módulo de juro neutro

    • evolução da educação e convergência da produtividade pura, conforme modelo estatístico

    • perfil da produtividade segundo teoria da convergência condicional

    • Obtém-se:

    • crescimento do PIB,

    • componentes da demanda (investimento, balança comercial)

    • Verifica-se consistência:

    • dívida interna

    • transações correntes (passivo externo)


    Pib o indicador mais importante da economia

    PIB, o indicador mais importante da economia

    Crescimento do PIB (% ano)


    Taxa de investimento pib

    Taxa de investimento (% PIB)


    A balan a comercial e as transa es correntes

    A Balança Comercial e as Transações Correntes

    Balança Comercial (US$ bi)

    Transações Correntes (% PIB)


    C mbio e pre o de commodities

    Câmbio e Preço de Commodities

    Preço dos Exportáveis (em US$)

    Câmbio Real


    Leitura qualitativa

    Leitura Qualitativa


    Cen rio b sico

    Cenário Básico


  • Login