O PORQUÊ DO
Download
1 / 34

O PORQUÊ DO EVANGELISMO DE COLHEITA - PowerPoint PPT Presentation


  • 136 Views
  • Uploaded on

O PORQUÊ DO EVANGELISMO DE COLHEITA. O Evangelismo de Colheita é uma etapa de um processo maior de discipulado. São séries evangelísticas curtas, que podem ir de três dias a duas semanas, ao final de uma grande arrancada evangelística de semeadura.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' O PORQUÊ DO EVANGELISMO DE COLHEITA' - dorie


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

O PORQUÊ DO

EVANGELISMO

DE COLHEITA




S. João 4:35-38

“Não dizeis vós que ainda há quatro meses até a ceifa? Eu, porém, vos digo: Erguei os vossos olhos e vede os campos, pois já branquejam para a ceifa. ...


S. João 4:35-38

“... O ceifeiro recebe desde já a recompensa e entesoura o seu fruto para a vida eterna; e, dessarte, se alegram, tanto o semeador quanto o ceifeiro. ...


S. João 4:35-38

“... Pois no caso é verdadeiro o ditado: ‘Um é o semeador, e outro é o ceifeiro. Eu vos enviei para ceifar o que não semeastes; outros trabalharam, e vós entrastes no seu trabalho”.


Jesus usou esta estratégia?

Lucas 10:1 apresenta Jesus enviando os 70 de dois em dois nos locais onde Ele iria posteriormente.


Qual era a Missão de João Batista?

De acordo com S. Mateus 3:3 era preparar o caminho do Senhor e, além disso, em Atos 19:1-7 vemos que os apóstolos colheram os frutos do trabalho de João Batista.


“Que os membros da igreja ergam a bandeira da verdade em sua vizinhança. Armem os ministros sua tenda, e preguem a verdade ao povo com poder, e depois mudem-se para outra vizinhança e aí preguem a verdade”.

Evangelismo, 397.


“A obra deve começar discretamente, sem ruído ou toque de trombeta. Deve começar com estudos bíblicos, educando assim o povo. Este plano é incomparavelmente mais eficaz do que começar com sermões”.

Evangelismo, 445.


“Onde quer que vos depare uma oportunidade...,sentai-voscom alguma família, e deixai que vos façamperguntas. Respondei-lhesentão pacientemente, humildemente. Continuai esta obra juntamente com vossos esforços empúblico.Pregai menos, e educai mais, medianteestudos bíblicos, e oraçõesfeitas nas famílias epequenos grupos”.O. E., 193.


“Ao trabalhar em lugares onde já se encontram alguns na fé, o ministro deve não buscar tanto, a princípio, converter os incrédulos, como exercitar os membros da igreja a prestarem cooperação proveitosa... Quando estiverem preparados para apoiar o ministro mediante orações e serviços, maior êxito há de acompanhar os esforços”.O. E., 196.


“Todo o homem que possa trabalhar, trabalhe. O melhor dirigente não é aquele que faz sozinho a maior parte do trabalho, mas o que obtém dos outros a maior produção”.

Evangelismo, 96 e 97.


“Não é o propósito de Deus que os ministros devam fazer a maior parte do trabalho de semear as sementes da verdade”.

T. Igreja, vol. 7, 21.


De acordo com o Grupo de Pesquisa Barna a abordagem que mais atrai os interessados“consiste em os membros da igreja criarem relacionamentos honestos e atenciosos com os não freqüentadores e algumas vezes convidá-los a assistir aos cultos”.

George Barna,

Evangelização Eficaz, pp., 90 e 91.


O Evangelismo de Colheita usa várias estratégias para alcançar as pessoas e nenhuma “estratégia evangelística isolada é capaz de alcançar cada não-cristão dentro da comunidade”.

George Barna, Evangelização Eficaz, p., 150.


Reforça as oito características de crescimento do desenvolvimento natural da igreja – Liderança Capacitadora, Espiritualidade Contagiante, Culto Inspirador, Ministérios Orientados pelos Dons, Pequenos Grupos Holísticos, Estruturas Funcionais, Evangelismo Orientado para as Necessidades e Relacionamentos Marcados pelo Amor.


“A igreja deve ser ativa, se quiser ser uma igreja viva. Não se deve contentar meramente em manter seu próprio terreno contra as forças adversárias do pecado e do erro, nem se contentar com avançar a passos lentos, mas conservar-se passo a passo com o guia, fazendo novos recrutas pelo caminho”. S.C., 84.


“Não há senão um remédio verdadeiro para a indolência espiritual, e esse é trabalhar – trabalhar pelas almas que necessitam de vosso auxílio”.

S.C., 107.


“A vida da igreja depende da sua fidelidade no cumprimento da comissão do Senhor”. D.T.N., 825.

“Em sua associação com o Senhor, os discípulos obtiveram um preparo prático para a obra missionária”. Ev., 109.


Está em harmonia com o modelo transformacional de discipulado.


“Pregar é uma pequena parte da obra a ser feita pela salvação de almas. O Espírito de Deus convence os pecadores da verdade, e depõe-nos nos braços da igreja. Os ministros podem fazer sua parte, mas nunca poderão efetuar a obra que deve ser feita pela igreja. Deus requer que a igreja cuide dos que são jovens na fé e na experiência...”. T.S., v. 1, 454.


“... Quão cuidadosamente devem os membros da família do Senhor guardar seus irmãos e irmãs! Tornai-vos amigos seus”. Evangelismo, 353.


Êxodo 35:4-29 Josué 1:10-15

Efésios 4:11-16 I Pedro 2:5, 9

Apocalipse 1:6; 5: 9 e 10 Romanos 10:13-15

Lucas 8:39, etc.


  • E-0 (Interno)

  • E-1 (Expansão) e (Extensão)

  • E-2 (Ponte)

  • E quem sabe até mesmo E-2 e E-3 (Ponte)


  • Trabalha Mobilização dos Membros.as dimensões do crescimento

  • Numérico

  • Conceptual

  • Orgânico

  • Diaconal/Encarnacional

  • Litúrgico


Cultivadores,

Semeadores,

Colhedores.


“Unicamente os métodos de Cristo trarão verdadeiro êxito no aproximar-se do povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma pessoa que lhes desejava o bem...


...Manifestava simpatia por eles, ministrava-lhes às necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordenava, então: ‘Segue-Me’”. C.B.V., 143.


ad