A literatura produzida em juiz de fora
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 20

A literatura produzida em Juiz de Fora PowerPoint PPT Presentation


  • 67 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

A literatura produzida em Juiz de Fora. Poesia em Juiz de Fora, década de 80. Neste trabalho, falaremos sobre a poesia na cidade de Juiz de Fora com foco nos anos 80, que, por muitos, é considerada uma época de bastante vivência cultural da cidade em relação a textos poéticos.

Download Presentation

A literatura produzida em Juiz de Fora

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


A literatura produzida em juiz de fora

A literatura produzida em Juiz de Fora


Poesia em juiz de fora d cada de 80

Poesia em Juiz de Fora, década de 80

Neste trabalho, falaremos sobre a poesia na cidade de Juiz de Fora com foco nos anos 80, que, por muitos, é considerada uma época de bastante vivência cultural da cidade em relação a textos poéticos.

Aqui, focaremos no folheto Abre alas e na revista D’lira, que continham poemas de vários autores, tanto da cidade e vizinhança como de lugares diversos do Brasil da época.


A literatura produzida em juiz de fora

Entrevista com

Júlio Polidoro


Entrevista com j lio c sar polidoro

Entrevista com Júlio César Polidoro

  • Como começou o folheto Abre alas e depois a revista D’Lira?

    O abre alas começou no inicio dos anos 80 quando fazíamos o varal de poesias no calçadão da rua Halfled. Era impresso no antigo DCE (diretório central dos estudantes).

  • O que significou o folheto e a revista na época em juiz de fora?

    Foi um período de ebulição cultural de transição do período ditatorial rumo a abertura política. As duas publicações foram ferramentas que congregaram um grupo de agentes culturais primeiramente com poetas e escritores através do folheto abre alas e depois ampliando esse espaço com a colaboração de artistas plásticos, fotógrafos e outros.


A literatura produzida em juiz de fora

Esta junção de esforços permitiu a alguns membros deste grupo construírem e consolidarem carreiras individuais de modo assertivo, com projeção nacional e internacional, como é o caso de Luiz Ruffato, Iacyr Anderson Freitas, Fernando Fabio Fiorezi, Edimilson de Almeida Pereira, José Santos e outros.

O que foi a experiência destas publicações para a sua vida?

Foi valida em todos os sentidos. Apenas para citar alguns aspectos relevantes, posso mencionar o aprendizado da critica e da autocrítica. Nós nos reunimos periodicamente para avaliar os trabalhos uns dos outros, às vezes de forma até dura, e das inúmeras colaborações que recebíamos pelos correios. Este foi um exercício de disciplina e um aprendizado sem preço.


A literatura produzida em juiz de fora

Há a possibilidade do folheto, ou da revista voltarem a ser publicados?

Gosto de pensar que sempre há possibilidade de releitura, de refazimento, mas hoje, certamente, sob outros moldes.

O que você acha dos poemas de Edimilson e Iacyr? Quais pontos positivos e negativos?

Minha única área de competência (e mesmo assim, no nível modesto) é criar, escrever poesia. Explicando este ponto, não sendo eu um critico literário, o que me atrevo a dizer sobre o trabalho destes amigos é que são dois grandes poetas. Edimilson alem do largo fôlego e amplitude contextual de sua criação poética, é também antropólogo, um pesquisador profundo das suas próprias raízes negras. Já Iacyr, que também embarcou com proveito e qualidade no texto em prosa e no ensaio, é poeta da concisão, herdeiro indiscutível do legado de João Cabral de Melo Neto, aliando à concisão e ao apuro formal e o lirismo e resulta em grande beleza, e toca nossa sensibilidade.


Edmilson de almeida

Edmilson de Almeida


Edmilson de almeida1

Edmilson de Almeida

  • Nasceu em Juiz de Fora em 1963. É licenciado em Letras e especializado em literatura portuguesa. Professor de literatura na Universidade Federal de Juiz de Fora, é mestre em literatura e em ciência da religião e doutor em comunicação e cultura. Estreou em 1985 e  publicou quase duas dezenas de livros. Sua obra poética foi reunida em quatro volumes em 2003, incluindo: Zé Osório Blues (2002); Lugares Ares (2003); Casa da Palavra (2003); e As Coisas Arcas (2003).  Já foi traduzido para vários idiomas. 


Edmilson de almeida2

Edmilson de Almeida

  • Edmilson de Almeida foi muito atuante na década de 80 e tem feito trabalhos de poesia ate hoje. Participou do folheto Abre alas e é muito premiado tanto nacionalmente como internacionalmente. Edmilson tem como característica principal em seus poemas o uso de referências históricas, principalmente a vinda dos negros escravos para o Brasil.


Casas e nomes guas de contentas edmilson de almeida

Turmalinas/entre pêssegos/oceanos reclusos

na gente.

Em casas brancas/as escalas/de nomes/a serem escritos.

Nunca se ama/o novo/se a firma está gravada/não em aço temporário

mas na indizível/palavra?

Os nascentes /estão amados /o destino impresso/nas rodas.

Mas sob a herança/gira o vento/renitente.

O perdido/tornou-se encanto/os iletrados/se inventam letra

os doentes/sua dança.

Os que não rezam/se descobrem/tantos.

Turmalinas entre/vírgulas

ensinam as naves/do canto.

Casas e Nomes (Águas de contentas) Edmilson de Almeida


Edmilson de almeida3

Edmilson de Almeida

  • No poema Casas e Nomes, o eu lírico fala sobre o tempo, que é fugaz e passageiro, sobre a dificuldade de se aceitar o novo e o presente. Fala também sobre as pessoas e coisas que vem e vão no tempo, que não podem voltar e também sobre a vida que passa com o tempo.


Iacyr anderson freitas

Iacyr Anderson Freitas


Iacyr anderson freitas1

Iacyr Anderson Freitas

  • Iacyr Anderson Freitas é um poeta brasileiro, muito premiado nacionalmente e internacionalmente. Fez parte da geração de poetas do folheto Abre alas e da revista D’lira, sendo que em muitos dos exemplares desses havia poemas dele. Seus poemas tem como marca registrada o caráter político.


Iacyr anderson freitas2

Iacyr Anderson Freitas

  • Um dos principais poetas de sua geração, Iacyr Anderson Freitas , desde a sua estreia com Verso e palavra, de 1982, vem construindo com notável coerência uma obra poética que se traduz por uma tentativa de compreensão em profundidade do mundo, característica comum a quase toda grande poesia.


Teodiceia iacyr anderson freitas

TeodiceiaIacyr Anderson Freitas

Possam saber

o que constitui essa indulgência

esse asco

O que permanece em deus

o que nele é transparência

e se insurge

contra outro deus em si

Que ruge


Iacyr anderson freitas3

Iacyr Anderson Freitas

  • No poema “Teodiceia”, o poeta Iacyr Anderson Freitas explora o lado “negro” do ser humano, que cria o chamado “mal”, no poema caracterizado pelo “deus que ruge.” Também podemos notar que no poema o eu lírico sugere que o perdão (indulgência) e o “nojo” (asco) se encontram no mesmo Deus que ruge, ou seja, nós mesmos.


J lio polidoro

Júlio Polidoro


Ix j lio polidoro do livro treze poemas essenciais

O sonho, no principio,

é descordar de si próprio

depois, altera a si

e se torna, assim, o que não vemos.

Findo, repõe o inicio,

para, terminando, recomeçar.

Sendo parte do sonho,

faço parte da vida.

Fluxo paralelo para duas realidades,

transcendendo o tudo e o nada

e, como energia, me anteponho.

A essência dúbia não me perde,

permanece; e eu, estando em mim,

sinto não me conhecer

e me conhecendo, não me contenho.

IX- Júlio Polidoro (do livro Treze poemas Essenciais)


J lio polidoro1

Júlio Polidoro

  • No poema intitulado “IX” do livro Treze poemas Essenciais, o eu lírico fala de sua vida e de seus sonhos, duas realidades diferentes que, segundo ele, lhes pertence. Diz também o eu lírico que estes sonhos lhe permite se conhecer melhor por via desta realidade paralela.


A literatura produzida em juiz de fora

  • GRUPO:

    Ananda Camargo

    Daniela Alves

    Guilherme Polidoro

    Pablo Costa

    Paula Palazzi


  • Login