UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
Download
1 / 30

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA DISCIPLINA: DOENÇAS INFECCIOSAS AULA: LINFADENITE CASEOSA EUGENIA MÁRCIA DE DEUS OLIVEIRA. LINFADENITE CASEOSA. Definição Histórico Etiologia Sensibilidade

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha

Download Presentationdownload

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA

DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA

DISCIPLINA: DOENÇAS INFECCIOSAS

AULA: LINFADENITE CASEOSA

EUGENIA MÁRCIA DE DEUS OLIVEIRA


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

LINFADENITECASEOSA

  • Definição

  • Histórico

  • Etiologia

  • Sensibilidade

  • Epidemiologia

  • Patogenia

  • Sinais clínicos

  • Diagnóstico

  • Prognóstico

  • Tratamento

  • Profilaxia

  • Vacinas


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Definição

A linfadenite caseosa consiste numa doença infecto-contagiosa crônica, também conhecida como “mal do caroço” ou “falsa tuberculose”. Acomete caprinos e ovinos e caracteriza-se, geralmente, pela hipertrofia dos gânglios linfáticos localizados nas diversas regiões do corpo do animal.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Histórico

  • Século XIX: Poucos relatos

  • Confusão com enfermidade causada em roedores por uma Pasteurella, ambas receberam o nome de Pseudotuberculose.

  • Corynebacterium – linfadenite caseosa.

  • Em 1888, Nocard isolou uma bactéria de afecção nodular subcutânea de bovino – C. pseudotuberculosis.

  • Em 1891, Preisz e Guinard isolaram bactéria similar dos rins de ovelhas.

  • Em 1893, Nocard isolou de equinos, enfermidade cutânea similar ao mormo.

  • Em 1894, Preisz observou e descreveu melhor o agente, comparando-o com o bacilo diftérico – Bacillus pseudotuberculosis ovis.

  • 1894 – agente foi observado e isolado com mais frequência de linfadenite caseosa de ovelhas e cabras, de linfangite ulcerativa de equinos e de alguns processos cutâneos supurativos de ovinos.

  • Em 1918, Eberson o classificou como Corynebacterium pseudotuberculosis.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Etiologia

  • Corynebacterium pseudotuberculosis

  • Bactéria intracelular facultativo;

  • Formas cocóide à filamentosa;

  • Gram positiva;

  • Tamanho: 0,5 a 0,6 mm de diâmetro/ 1,0 a 3,0 mm de comp.

  • Fatores de virulência: PLD – fosfolipase D, potente exotoxina hemolítica.

  • Lipídeo de superfície, que constituem cerca de 6,52%da parede celular.

  • Granulações metacromáticas;

  • Anaeróbia facultativa;

  • Catalase positiva;


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Etiologia

  • Produz uréia, fermenta glicose e maltose;

  • Resposta negativa: Testes de esculina, piramidase, hidrólise de gelatina, fermentação do manitol e da xilose;

  • Testes de fosfolipase alcalina, fermentação de sacarose, e nitrato redutase: variam de acordo c/ as linhagens.

  • 48 a 72h em meio ágar sangue – colônias pequenas (0,5 mm de diâmetro), esbranquiçadas, ressecadas, com hemólise nítida;

  • Em meio MacConkey as colônias inicialmente possuem cor creme e após 48h tornam-se rosa metacromáticas.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Importância econômica e de Saúde Pública

  • Ovinos: redução de 6,6% no peso da lã,

     taxa de crescimento

    Condenação de carcaças

  • Caprinos: redução no valor do couro

  • Forma visceral disseminada: ineficiência reprodutiva, síndrome da ovelha magra, morte e descarte.

  • No homem: rara (linfadenite de curso longo e recidivante) – doença ocupacional de tosquiadores.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Sensibilidade

  • Exposição ao sol;

  • Desinfetantes comuns;

  • Tº superior a 70º;

  • Antibióticos: penicilina G, macrolíticos, tetraciclinas, cefalosporinas, lincomicina, cloranfenicol e a um coquetel de sulfamina – trimetropina e rifampicina.

    * Aminosídeos: varia de acordo com o biovar.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Epidemiologia

  • Fatores de risco:

    - Idade

    - Raça

    - Tosquia

    - Traumas em geral: pastagens e colares no pescoço

    - Introdução de animais infectados


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Epidemiologia

  • Cadeia de transmissão

    a) Fontes de infecção: animais com abscessos abertos.

    b) Via de eliminação: pus dos linfonodos

    c) Vias de transmissão:

    - Contato direto: secreções infectantes

    - Contato indireto: materiais utilizados na tosquia, tatuagem, castração, corte de cauda, corte umbilical e fômites.

    d) Porta de entrada: Pele íntegra, lesões de pele e via oronasal

    e) Susceptíveis: ovinos e caprinos raramente bovinos e equinos,

    experimentalmente: porquinhos-da-Índia e camundongos.

    Cervídeos, camelos e suínos.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Epidemiologia

  • Morbidade: variável, em rebanhos que se mantém endêmica entre 10 e mais de 50% dos animais adultos, e até em 10% dos que tem até um ano.

  • Letalidade: 100%, se os afetados fossem todos mantidos, pois os adultos vão depauperando progressivamente. Como muitos borregos e cabritos vão para o corte, não é possível estabelecer taxa de letalidade.

  • Mortalidade: prejudicada pela diferente morbidade conforme a região.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Ocorrência da Linfadenite caseosa

Enfermidade de ocorrência mundial.

Prevalência: países que possuem grandes criações de ovinos e caprinos

Relatos em: Austrália, Argentina, Nova Zelândia,África do Sul, Estados Unidos, Egito, Turquia, Sudão, França, Noruega, Holanda e Canadá.

No Paquistão: C. pseudotuberculosis causadora da linfadenite caseosa em camelos.

No BRASIL: ocorrência em diferentes épocas e em diversos estados.

COSTA et al. (1973): incidência de 30% nos rebanhos de caprinos no Estado da Bahia.

Em 2000: prejuízo causado pela incidência da linfadenite caseosa no Estado da Bahia – quatro milhões de reais por ano.

20% do rebanho caprino da Bahia é contaminado com a C. pseudotuberculosis


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Ocorrência da Linfadenite caseosa

  • No Ceará, SILVA et al. (1982), estudaram durante dois anos caprinos mantidos em cativeiro:

    - 50% comprometimento dos gânglios parotídeos, submandibulares, retrofaríngeos, cadeia cervical, pré-escapulares, pré-curais e testículos.

  • No Estado do Rio de Janeiro, LANGENEGGER et al. (1988):

    - Incidência de 29,4% em 13 rebanhos de caprinos leiteiros.

  • Na região Sudeste MAGALHÃES et al. (1985) relataram:

    - Incidência de 33,0%.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Patogenia

A bactéria penetra no hospedeiro através das vias:

1. Respiratória;

2. Percutânea;

3. Digestiva

Regime fechado, condições de instalaçaõ precárias (falta de ventilação, umidade e acúmulo de restos de matéria orgânica.

Manejo inadequado do animal (múltiplas infecções através de ferimentos de tosquia, corte de cauda e marcação). Regiões áridas do nordeste brasileiro, onde o regime de criação de caprinos é extensivo e a vegetação é traumática, podendo ocasionar lesões na pele e na mucosa oral dos animais.

Menos frequente: lesões de mucosa.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Patogenia

  • Mecanismo de infecção:

    C. pseudotuberculosis  invade fagócitos (macrófagos) fagocitose  fagossomo + lisosssomo multiplicação das bactérias dentro do fagolisossomo morte da célula hospedeira  liberação de inúmeras novas bactérias transporte pela via linfática linfonodos regionais (linfonodos internos)


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Sinais clínicos

LINFADENITE CASEOSA

FORMA EXTERNA

FORMA INTERNA

  • ÓRGÃOS

  • - Pulmão

  • Fígado

  • Baço

  • - Rins

  • Útero

  • Linfonodos internos

  • mediastínicos

  • bronquiais

  • lombares

  • LINFONODOS PERIFÉRICOS

  • - Mandibulares

  • Parotídeos

  • Cervicais superficiais

  • - Subilíacos

  • Poplíteos

  • Mamários


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Lesões

  • ABSCESSOS NOS LINFONODOS:

  • Pus de consistência caseosa ou caseopurulento, de cor esverdeada ou branco-acinzentada, que aparecem em lâminas concêntricas e está rodeado por uma cápsula fibrosa.

  • Medem de 4-5cm (15 cm)


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Diagnóstico

  • CLÍNICO

    - Palpação linfonodos superficiais (hipertrofia e supuração de abscessos).

    Diag. Diferencial

    Forma superficial:

    -Abscessos externos: Actinomyces pyogenes e S. aureus.

    -Edema submandibular: Fasciola hepática

    Forma visceral:

    -Adenomatose pulmonar,

    -Pasteurelose,

    -Neoplasia,

    -Paratuberculosis e outros


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Diagnóstico

  • DIAGNÓSTICO DIRETO:

  • Isolamento do C. pseutuberculosis – material purulento

  • DIAGNÓSTICO INDIRETO

  • Testes sorológicos:

  • soroneutralização para antitoxinas da C. pseudotuberculosis;

  • Imunodifusão em gel de agarose;

  • Hemaglutinação indireta;

  • Fixação de complemento;

  • ELISA.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Prognóstico

  • Mau – medicamentos não atingem concentração terapêutica útil no interior das lesões


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Tratamento

  • Drenagem e cauterização química dos abscessos (solução de iodo).

  • Extirpação cirúrgica do linfonodo (abscesso em completa evolução)


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Profilaxia

  • Inspeção periódica do rebanho;

  • Isolamento de animais doentes;

  • Incisão cirúrgica dos abscessos periféricos (foco ativo de infecção);

  • Tratamento e desinfecção do umbigo dos animais recém nascidos assim como de qualquer tipo de ferimento superficial com sol. de iodo a 10%;

  • Limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos;

  • Quarentena (animais adquiridos);

  • Exames periódicos no rebanho.

  • Tosquia de animais jovens antes dos adultos

  • Rotação de pastagem


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Vacinas

1º. Grupo de cientistas – Dr. Quevedo, na Argentina nos anos 60.

- Cultura de C. pseudotuberculosis formalizada em adjuvante de alumínio  redução de 60% da infecção.

Relatos de testes de vacina viva atenuada:

  • RIBEIRO et al. (1991): desenvolveram e testaram uma vacina viva, preparada com uma linhagem naturalmente atenuada dessa bactéria e obtiveram 83% de imunoproteção.

  • SIMONS et al. (1997): observaram extensa redução da doença ao vacinar camundongos e cabras com mutantes da C. pseudotuberculosis produzidos em seu laboratório


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Vacinas

  • Em 1998, ALVES & OLANDER avaliaram a eficácia de uma vacina , usando toxóide a 3¨%, produzido a partir da exotoxina PLD da C. pseudotuberculosis.

    Um grupo de caprinos da raça pardo alpino recebeu 2X essa vacina, via subcutânea e desafiado por via intradérmica com inóculo contendo 4,2 x 103/ml de C. pseudotuberculosis .

    Parâmetros observados: manifestações patológicas e títulos sorológicos detectados pelo teste de IHS (Inibição da Hemólise Sinérgica).

    Achados macroscópicos: vacina toxóide a 3% reduz a multiplicação e a propagação da C. pseudotuberculosis do local da infecção para outras partes do corpo do animal, reduzindo a extensão da doença.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Vacinas

  • A EBDA – Empresa baiana de desenvolvimento Agrícola lançou em 2000 uma vacina viva atenuada, a 1002 contra a linfadenite caseosa de caprinos e ovinos. Recentemente liberada pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento para produção e comercialização em todo o território nacional.

    - Vacina testada em campo e em laboratório – eficiência de 83%.

    - Imunização: após três meses de vida do animal;

    - Proteção: 01 ano/ repetir anualmente;

    - Conservação da vacina 1002: refrigeração entre 2º a 8º.


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Vacinas

  • Vacinas de DNA

    Clonar ácidos nucléicos em plasmídeos e posteriormente, introduzi-los dentro de células vivas que codificarão um antígeno específico.

    CHAPLIN et al. (1999) demonstraram que grupos de ovinos vacinados com vacinas de DNA (plasmídeos com o gene da fosfolipase D modificado geneticamente), induziam uma proteção significativa os animais, quando desafiados experimentalmente com uma linhagem selvagem da C. pseudotuberculosis .


Universidade federal da bahia escola de medicina veterin ria

Referências

BEER, J. Doenças infecciosas em animais domésticos. Parte 2 Bactérias – Fungos – Intoxicações. 1ª Edição. Editora Roca, 1999. 380p.

COETZER, J.A.W.; THOMSON, G.R.; TUSTIN, R.C. Infectious diseases of livestock. Oxford: Oxford University Press, 1994. v. 1, 732p.

CORRÊA, W.M.; CORRÊA, C.N.M. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos. 2 ed. Rio de Janeiro: Medsi, 1992. 843p.

RADOSTITS, O.M.; GAY, C.C.; BLOOD, D.C.; HINCHCLIFF, K.W. Clínica veterinária: um tratado de doenças dos bovinos, ovinos, suínos, caprinos e eqüinos. 9 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 1737p.

RIET-CORREA, F.; SCHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.D.C.; LEMOS, R.A.A. Doenças de ruminantes e eqüinos. São Paulo: Varela, 2001. v.1. 426p.


ad
  • Login