FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP
Download
1 / 183

FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP - PowerPoint PPT Presentation


  • 86 Views
  • Uploaded on

FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP Paciente recebendo lítio cronicamente para tratamento de distúrbio bipolar. Há 3 dias com febre, tosse seca, coriza e irritabilidade. Confusa, sonolenta, voz pastosa

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP' - dara-mcfadden


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP

Paciente recebendo lítio cronicamente para tratamento de distúrbio bipolar. Há 3 dias com febre, tosse seca, coriza e irritabilidade.

Confusa, sonolenta, voz pastosa

Plasma: Uréia 50 (normal 20-45), creatinina 1,3 (normal 0,7 a 1,3), RFG estimado: 67 mL/min/1,73 m2 (normal 100), Na 149, K 4,5, Osmolaridade = 312 mOsm/L

Urina: Osmolaridade = 330 mOsm/L. Fluxo urinário = 3 L/dia


MSS, 59a, masc, bco, natural de Contagem, MG, e procedente de SP

Paciente com doença renal crônica pré-dialítica, em regime de restrição de água, ingeriu 1 melancia inteira em menos de 1/2 hora.

Confuso, sonolento, voz pastosa

Plasma: Uréia 180, creatinina 4,3, RFG estimado: 17 mL/min/1,73 m2 (normal 100), Na 126, K 5,5


PRINCIPAIS FUNÇÕES DOS RINS NO ORGANISMO de SP

  • Eliminação de excretas

  • Regulação do volume extracelular

  • Regulação da pressão osmótica

  • Regulação do equilíbrio ácido-base

  • Regulação da excreção de potássio

  • Regulação da excreção de cálcio e fósforo

  • Regulação da pressão arterial


PRINCIPAIS FUNÇÕES DOS RINS NO ORGANISMO de SP

  • Eliminação de excretas

  • Regulação do volume extracelular

  • Regulação da pressão osmótica

  • Regulação do equilíbrio ácido-base

  • Regulação da excreção de potássio

  • Regulação da excreção de cálcio e fósforo

  • Regulação da pressão arterial



~42 L de SP

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

INTERFACE: MEMBRANA CELULAR


PERFIL IÔNICO E ELÉTRICO DE UMA CÉLULA COMUM de SP

+

+

+

Na

Na

Na

+

+

+

K

K

K

ATP

ATP

-

-

+

+

Filtração

10.000 mg/dia


Proteínas de SP

Outros

HCO3-

HCO3-

-

-

Cl

Cl

K+

Na

+

+

K

Na

EXTRA

INTRA

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO INTRA E DO EXTRACELULAR

mOsm/L

300

200

100

0


O SÓDIO É O PRINCIPAL CÁTION DO ESPAÇO EXTRACELULAR de SP

mOsm/L

300

Proteínas

Outros

HCO3-

200

HCO3-

-

-

Cl

Cl

K+

Na

100

+

+

K

Na

0

EXTRA

INTRA


O SÓDIO É O PRINCIPAL CÁTION DO ESPAÇO EXTRACELULAR de SP

+

+

+

Na

Na

Na

+

+

+

K

K

K

ATP

ATP

-

-

+

+

Filtração

10.000 mg/dia



n de SP

Posm (extracelular)

Posm=  [ Ce ]

1

Posm 2  [Na+]e + [Glicose]e + [Uréia]e+ [Outros]e

= 285-290 mOsm/L



n O SÓDIO ( ), NÃO.

Posm (extracelular)

Posm=  [ Ce ]

1

Posm 2  [Na+]e + [Glicose]e + [Uréia]e+ [Outros]e

= 285-290 mOsm/L


P O SÓDIO ( ), NÃO.osm ESTIMADA

= 280 mOsm/L

Posm  2  [Na+]e

+

~5-10 mOsm/L

= 285-290 mOsm/L


O SÓDIO É O PRINCIPAL CÁTION DO COMPARTIMENTO EXTRACELULAR.

SUA CONCENTRAÇÃO PODE SER USADA PARA ESTIMAR A OSMOLALIDADE EXTRACELULAR.


 Pressão osmótica, mmHg EXTRACELULAR.

Osmolaridadeextra - Osmolaridadeintra , mOsm/L


Variações relativamente pequenas da concentração de sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] = 10 mmol/L

[Na+] = 140 mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] =160mmol/L

[Na+] = 10 mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] =160mmol/L

[Na+] = 10 mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] = 10 mmol/L

[Na+] = 140 mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] = 10 mmol/L

[Na+] =120mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

[Na+] = 10 mmol/L

[Na+] =120mmol/L

[K+] = 150 mmol/L

[K+] = 4 mmol/L


~42 L sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

H2O TOTAL

~28 L

VOL. INTRACELULAR

~14 L

VOL. EXTRACELULAR

ECosm= Posm

 2  140 mmol/L =

280 mOsm/L

ICosm 280 mOsm/L


BALANÇO sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

NORMAL DE

ÁGUA

2.2 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

1.5

0.1

0.7


BALANÇO sódio (e portanto da osmolaridade) extracelular podem levar a deformações catastróficas do sistema nervoso central

NORMAL DE

ÁGUA

2.2 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

1.5

0.1

0.7





PROXIMAL relação:

PORÇÃO FINA

DESCENDENTE

PORÇÃO FINA

ASCENDENTE

PORÇÃO ESPESSA

TÚBULO DISTAL

CONEXÃO +

COLETOR

RFG = 170 L/dia

67 %

23 %

ÁGUA

9 %

<1 %


PROXIMAL relação:

PORÇÃO FINA

DESCENDENTE

PORÇÃO FINA

ASCENDENTE

PORÇÃO ESPESSA

TÚBULO DISTAL

CONEXÃO +

COLETOR

RFG = 170 L/dia

67 %

23 %

TÚBULO PROXIMAL

9 %

<1 %


ABSORÇÃO INTENSA DE SÓDIO relação:

P

P

osm

osm

HIPOOSMOLARIDADE LUMINAL

I

L

PROXIMAL SEGMENTOS S1/S2/S3


+ relação:

Na

A ÁGUA SEGUE O SÓDIO

P

P

osm

osm

+

+

+

+

+

K

Ca

Mg

AQUAPORINA 1

HIPOOSMOLARIDADE LUMINAL

I

L

PROXIMAL SEGMENTOS S1/S2/S3


TÚBULO PROXIMAL: ABSORÇÃO relação:ISOTÔNICA DE H2O E Na+

67 % do RFG


PROXIMAL relação:

PORÇÃO FINA

DESCENDENTE

PORÇÃO FINA

ASCENDENTE

PORÇÃO ESPESSA

TÚBULO DISTAL

CONEXÃO +

COLETOR

RFG = 170 L/dia

67 %

23 %

PORÇÃO FINA DA

ALÇA DE HENLE

9 %

<1 %


600 mOsm relação:

NÉFRONS SUPERFICIAIS (MAIORIA)

1300 mOsm

NÉFRONS JUSTAMEDULARES (MINORIA)


600 mOsm relação:

NÉFRONS SUPERFICIAIS (MAIORIA)

1300 mOsm

NÉFRONS JUSTAMEDULARES (MINORIA)



PROXIMAL relação:

PORÇÃO FINA

DESCENDENTE

PORÇÃO FINA

ASCENDENTE

PORÇÃO ESPESSA

TÚBULO DISTAL

CONEXÃO +

COLETOR

RFG = 170 L/dia

67 %

23 %

PORÇÃO ESPESSA

DA ALÇA DE HENLE

9 %

<1 %


+ relação:

+

+

Na

Na

Na

-

+

+

+

+

K

K

K

-

-

Cl

Cl

ATPase

PORÇÃO ESPESSA DA ALÇA DE HENLE


+ relação:

+

+

Na

Na

Na

-

+

+

+

+

K

K

K

-

-

Cl

Cl

H O

2

ATPase

PORÇÃO ESPESSA DA ALÇA DE HENLE


PORÇÃO ESPESSA DA ALÇA DE HENLE relação:

Intenso transporte ativo

Impermeável à água


MECANISMO DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA relação:

  • Sistema de contracorrente medular

  • HAD



Solutos a serem eliminados pela urina: relação:

Sódio: 150 mOsm/dia

K: 50 mOsm/dia

Outros cátions: 50 mOsm/dia

Ânions: 275 mOsm/dia

Uréia: 350 mOsm/dia

Total: 850 mOsm/dia

Excreção sem concentrar a urina

(a ~300 mOsm/L)

Excreção concentrando a urina

(a ~1300 mOsm/L)

850 mOsm/dia

850 mOsm/dia

= 0,57 L/dia

Vur =

= 2,8 L/dia

Vur =

1300 mOsm/L

300 mOsm/L


FAS, 29a, fem, bca, natural e procedente de SP relação:

Paciente recebendo lítio cronicamente para tratamento de distúrbio bipolar. Há 3 dias com febre, tosse seca, coriza e irritabilidade.

Confusa, sonolenta, voz pastosa

Plasma: Uréia 50 (normal 20-45), creatinina 1,3 (normal 0,7 a 1,3), RFG estimado: 67 mL/min/1,73 m2 (normal 100), Na 149, K 4,5, Osmolaridade = 312 mOsm/L

Urina: Osmolaridade = 330 mOsm/L. Fluxo urinário = 3 L/dia


MECANISMO DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA relação:

  • Sistema de contracorrente medular

  • HAD



$100 relação:

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100


$100 relação:

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$100

$

$

$$

$$

$$$

$$$

$$$$

$$$$

$$$$

$$$$

$$$$$

$$$$$

$$$$$$

$$$$$$

$$$$$$$

$$$$$$$

$$$$$$$$

$$$$$$$$

$$$$$$$$$

$$$$$$$$$

$$$$$$$$$$

$$$$$$$$$$



20 relação:oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC


20 relação:oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

20 oC

30 oC

20 oC

30 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

20oC

30 oC

20 oC

30 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

24 oC

30 oC

20 oC

30 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

24 oC

30 oC

29 oC

30 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

24 oC

30 oC

29 oC

30 oC

20 oC


30 relação:oC

20 oC

24 oC

30 oC

29 oC

30 oC

29 oC


22 relação:oC

20 oC

24 oC

29 oC

29 oC

40 oC

29 oC


25 relação:oC

20 oC

60 oC

65 oC

140 oC

145 oC

140 oC



Na relação:+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+


Na relação:+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+


A porção espessa da alça de Henle é a principal responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma


MECANISMO DE CONCENTRAÇÃO URINÁRIA responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

  • Sistema de contracorrente medular

  • HAD


O PAPEL DO HORMÔNIO ANTIDIURÉTICO responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


AQUAPOR 3 responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

AQUAPORINA 2


  • Para concentrar a urina, os rins necessitam: responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

  • do hormônio antidiurético

  • do arranjo em contracorrente das alças de Henle

  • do transporte ativo na porção espessa da alça de Henle

  • de todas as anteriores


  • Para concentrar a urina, os rins necessitam: responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

  • do hormônio antidiurético

  • do arranjo em contracorrente das alças de Henle

  • do transporte ativo na porção espessa da alça de Henle

  • de todas as anteriores


O PAPEL DA URÉIA responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma


~60% responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


~60% responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


H O responsável pela geração de energia para o funcionamento do sistema de contracorrente medular e para a formação de uma urina hipertônica em relação ao plasma

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


A recirculação de uréia entre o final do túbulo coletor e a porção ascendente fina da alça de Henle é essencial à formação de uma medula hipertônica e à excreção de uma urina concentrada ao máximo

+


DILUIÇÃO URINÁRIA e a porção ascendente fina da alça de Henle é essencial à formação de uma medula hipertônica e à excreção de uma urina concentrada ao máximo

Por que é importante?


MSS, 59a, masc, bco, natural de Contagem, MG, e procedente de SP

Paciente com doença renal crônica pré-dialítica, em regime de restrição de água, ingeriu 1 melancia inteira em menos de 1/2 hora.

Confuso, sonolento, voz pastosa

Plasma: Uréia 180, creatinina 4,3, RFG estimado: 17 mL/min/1,73 m2 (normal 100), Na 126, K 5,5

Urina: Fluxo = 2,5 L/dia. Osmolaridade = 310 mOsm/L



Na de SP+

Na+

Na+

Na+

Na+



H O DILUIDOR DO NÉFRON

Na+

2

Na+

HAD

H O

2

Na+

Na+

H O

2

Na+

H O

2

H O

2


AQUAPOR 3 DILUIDOR DO NÉFRON

AQUAPORINA 2


NA AUSÊNCIA DO HAD, OCORRE POUCA REABSORÇÃO DE ÁGUA NOS TÚBULOS DISTAL E COLETOR, MAS A REABSORÇÃO DE SOLUTO CONTINUA, RESULTANDO NA EXCREÇÃO DE UMA URINA DILUÍDA


A DILUIÇÃO URINÁRIA OCORRE POR REJEIÇÃO NO TÚBULO DE CONEXÃO/COLETOR

PROXIMAL

PORÇÃO FINA

DESCENDENTE

PORÇÃO FINA

ASCENDENTE

PORÇÃO ESPESSA

TÚBULO DISTAL

CONEXÃO +

COLETOR

RFG = 170 L/dia


H O CONEXÃO/COLETOR

2

NA AUSÊNCIA PROLONGADA DO HAD, O GRADIENTE CÓRTICO-MEDULAR GERADO PELO SISTEMA DE CONTRA-CORRENTE SE DISSIPA, EM GRANDE PARTE DEVIDO À PERDA DA RECIRCULAÇÃO DE URÉIA

HAD

H O

2

H O

2

H O

2

H O

2


BALANÇO CONEXÃO/COLETOR

NORMAL DE

ÁGUA

2.2 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

1.5

0.1

0.7


8.7 CONEXÃO/COLETOR

10 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

0.1

0.7


H O CONEXÃO/COLETOR

Na+

2

Na+

HAD

H O

2

Na+

Na+

H O

2

Na+

H O

2

H O

2


0.6 CONEXÃO/COLETOR

1.3 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

0.1

0.7


H O CONEXÃO/COLETOR

H O

H O

H O

H O

Na+

2

2

2

2

2

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

Na+

HAD


AQUAPOR 3 CONEXÃO/COLETOR

AQUAPORINA 2


V CONEXÃO/COLETORmin

20

18

16

14

12

Volume Urinário

10

8

6

4

2

0

0

3

6

9

12

15

18

HAD


1500 CONEXÃO/COLETOR

1200

900

Osmolalidade urinária, mOsm/L

600

300

0



Variação da P CONEXÃO/COLETORosm


18 CONEXÃO/COLETOR

16

14

12

10

[HAD]

8

6

4

2

0

200

250

300

350

400

450

Posm




0 L/dia CONEXÃO/COLETOR

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = -1.3 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7


20 CONEXÃO/COLETOR

18

16

14

12

Volume Urinário

10

8

6

4

2

Vmin

0

0

3

6

9

12

15

18

HAD


O PAPEL FUNDAMENTAL DA ... CONEXÃO/COLETOR


...SEDE ! CONEXÃO/COLETOR


SEDE (unidades arbitrárias) CONEXÃO/COLETOR

200

250

300

350

400

Posm


18 CONEXÃO/COLETOR

16

14

12

10

[HAD]

SEDE (unidades arbitrárias)

8

6

4

2

200

250

300

350

400

0

Posm

200

250

300

350

400

450

Posm


DESENCADEIAM A SENSAÇÃO DE SEDE: CONEXÃO/COLETOR

  • Ingestão insuficiente de água

  • Perdas de água

  • Hipovolemia

  • Ingestão de sal sem água


CONSEQÜÊNCIA: CONEXÃO/COLETOR

Em condições habituais, a ingestão de sal acompanha-se sempre de ingestão de água


  • Em um indivíduo com função renal normal: CONEXÃO/COLETOR

  • A ingestão continuada de uma grande quantidade de sal (duas vezes o normal) leva a uma hipernatremia

  • A ingestão continuada de uma grande quantidade de água (duas vezes o normal) leva a uma hiponatremia

  • A ingestão continuada de quantidades muito baixas de água (1/10 do normal) leva a uma hipernatremia

  • A ingestão continuada de quantidades muito baixas de sódio (1/10 do normal) leva a uma hiponatremia


  • Em um indivíduo com função renal normal: CONEXÃO/COLETOR

  • A ingestão continuada de uma grande quantidade de sal (duas vezes o normal) leva a uma hipernatremia

  • A ingestão continuada de uma grande quantidade de água (duas vezes o normal) leva a uma hiponatremia

  • A ingestão continuada de quantidades muito baixas de água (1/10 do normal) leva a uma hipernatremia

  • A ingestão continuada de quantidades muito baixas de sódio (1/10 do normal) leva a uma hiponatremia



AS POLIÚRIAS CONEXÃO/COLETOR


AS POLIÚRIAS CONEXÃO/COLETOR

  • Por excesso de ingestão de H2O


AS POLIÚRIAS CONEXÃO/COLETOR

  • Por excesso de ingestão de H2O

  • Por perda renal de H2O


AS POLIÚRIAS CONEXÃO/COLETOR

  • Por excesso de ingestão de H2O

  • Por perda renal de H2O


8.7 CONEXÃO/COLETOR

10 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

0.1

0.7


AS POLIÚRIAS CONEXÃO/COLETOR

  • Por excesso de ingestão de H2O

  • Por perda renal de H2O


DIABETES INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR

Hipotalâmico

Nefrogênico


DIABETES INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR

Hipotalâmico

Nefrogênico



20 CONEXÃO/COLETOR

18

16

14

12

Volume Urinário

10

8

6

4

2

0

0

3

6

9

12

15

18

HAD


H O CONEXÃO/COLETOR

2

HAD

H O

2

H O

2

H O

2

H O

2



H O CONEXÃO/COLETOR

2

HAD

H O

2

H O

2

H O

2

H O

2

ddAVP


H O CONEXÃO/COLETOR

2

ddAVP

HAD

H O

2

H O

2

H O

2

H O

2


DIABETES INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR

Hipotalâmico

Nefrogênico



18 CONEXÃO/COLETOR

16

14

12

10

[HAD]

8

6

4

2

0

200

250

300

350

400

450

Posm


20 CONEXÃO/COLETOR

18

16

14

12

Volume Urinário

10

8

6

4

2

0

0

3

6

9

12

15

18

HAD


AQUAPORINA 3 CONEXÃO/COLETOR

AQUAPORINA 2

HAD


DIABETE INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR(Nefrogênico ou hipotalâmico)

SEDE

2.2 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = -6.5 L/dia

8

0.2

0.1

0.7


DIABETE INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR(Nefrogênico ou hipotalâmico)

SEDE

8,7 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

8

0.2

0.1

0.7


DIABETE INSÍPIDO CONEXÃO/COLETOR(Nefrogênico ou hipotalâmico)

8,7 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

FAZ SENTIDO ADMINISTRAR HAD A PACIENTES COM DI NEFROGÊNICO?

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

8

0.2

0.1

0.7


  • Para tratar o DI nefrogênico deve-se: CONEXÃO/COLETOR

  • Administrar DdAVP (análogo do HAD)

  • Restringir a ingestão de água para diminuir a poliúria

  • Restringir sódio para diminuir a poliúria

  • Nenhuma das anteriores


  • Para tratar o DI nefrogênico deve-se: CONEXÃO/COLETOR

  • Administrar DdAVP (análogo do HAD)

  • Restringir a ingestão de água para diminuir a poliúria

  • Restringir sódio para diminuir a poliúria

  • Nenhuma das anteriores


TRATAMENTO DO DIABETES INSÍPIDO NEFROGÊNICO: CONEXÃO/COLETOR

DIURÉTICOS TIAZÍDICOS (!!!)

Mecanismo de ação: contração do VEC

???


TIAZÍDICO CONEXÃO/COLETOR

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR


TIAZÍDICO CONEXÃO/COLETOR

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR


TIAZÍDICO CONEXÃO/COLETOR

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR


? CONEXÃO/COLETOR

TIAZÍDICO

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR


AQUAPOR 3 CONEXÃO/COLETOR

TIAZÍDICO

AQUAPORINA 2

HAD


AQUAPOR 3 CONEXÃO/COLETOR

TIAZÍDICO

AQUAPORINA 2

HAD



CAUSAS DE SECREÇÃO INAPROPRIADA DE HAD CONEXÃO/COLETOR

Trauma craniano

Tumores intracranianos

Hipovolemia arterial efetiva: ICC, cirrose, choque

Tumores brônquicos (produção ectópica)

Drogas anestésicas

Cirurgias extensas


18 CONEXÃO/COLETOR

16

14

12

10

[HAD]

8

6

4

2

0

200

250

300

350

400

450

Posm


1500 CONEXÃO/COLETOR

1200

900

Osmolalidade urinária, mOsm/L

600

300

0


SECREÇÃO CONEXÃO/COLETOR

INAPROPRIADA

DE HAD

2.2 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = +0.9 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7


SECREÇÃO CONEXÃO/COLETOR

INAPROPRIADA

DE HAD

2.2 L/dia

[Na+] =

120 mmol/L

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = +0.9 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7


SECREÇÃO CONEXÃO/COLETOR

INAPROPRIADA

DE HAD

2.2 L/dia

[Na+] =

120 mmol/L

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = +0.9 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7


SINTOMAS NEUROLÓGICOS CONEXÃO/COLETOR

SECREÇÃO

INAPROPRIADA

DE HAD

2.2 L/dia

[Na+] =

120 mmol/L

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = +0.9 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7


TRATAMENTO DA SIHAD CONEXÃO/COLETOR

Tratamento da causa básica

Restrição hídrica

Diurético + NaCl

Drogas que inibem a ação renal do HAD

Dimetilclortetraciclina

Antagonista V2 (aquarético)


DISTÚRBIOS DA SEDE CONEXÃO/COLETOR

Polidipsia primária

Hipodipsia/Adipsia


DISTÚRBIOS DA SEDE CONEXÃO/COLETOR

Polidipsia primária

Hipodipsia/Adipsia


8.7 CONEXÃO/COLETOR

10 L/dia

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = 0 L/dia

0.2

0.1

0.7


DISTÚRBIOS DA SEDE CONEXÃO/COLETOR

Polidipsia primária

Hipodipsia/Adipsia


0 L/dia CONEXÃO/COLETOR

[Na+] =

140 mmol/L

0.3 (endógena)

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR

 H2O = -1.3 L/dia

0.2

0.6

0.1

0.7




Fatal hyponatremia in a young woman after ecstasy ingestion ingestão de líquidos?Nat Clin Pract Nephrol. 2006 May;2(5):283-8

Uma estudante de 20 anos, previamente sadia, deu entrada no Pronto Socorro em coma e insuficiência respiratória. Sódio plasmático inicial de 117 mEq/L. Tomografia computadorizada revelou edema cerebral. Foi tratada com 6,8 litros de soro fisiológico e 0,245 litros de solução salina 3%. Óbito 12 horas após a admissão.


DESIDRATAÇÃO ingestão de líquidos?

HIPERTÔNICA:

ECSTASY

[Na+] =

140 mmol/L

VOL. INTRACELULAR

VOLUME EXTRACELULAR


Ecstasy
ECSTASY ingestão de líquidos?

SECREÇÃO INAPROPRIADA DE

HORMÔNIO ANTIDIURÉTICO


Ecstasy1
ECSTASY ingestão de líquidos?

POLIDIPSIA


Ecstasy2
ECSTASY ingestão de líquidos?

Desidratação

+

Polidipsia

Secreção inapropriada de HAD

Hiponatremia aguda e morte cerebral


ad