Estrutura o e proposta de melhoria log stica reversa de alimentos
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 33

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos PowerPoint PPT Presentation


  • 46 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Curso de Engenharia Aeronáutica e Mecânica Área Engenharia de Produção. Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos. Aluna: Priscila Renata Silva Barros Orientadora: Mischel Carmen Neyra Belderrain. Estrutura. Motivação

Download Presentation

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Estrutura o e proposta de melhoria log stica reversa de alimentos

Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Curso de Engenharia Aeronáutica e Mecânica

Área Engenharia de Produção

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aluna: Priscila Renata Silva Barros

Orientadora: Mischel Carmen Neyra Belderrain


Estrutura

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Estrutura

  • Motivação

  • Apresentação do problema

  • Oportunidade e hipótese de pesquisa

  • Objetivos

  • Fundamentação teórica

  • Proposta metodológica

  • Metodologia de pesquisa

  • Aplicação inicial

  • Matérias cursadas

  • Produção base

  • Cronograma

  • Referências bibliográficas


Motiva o

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Motivação

Esta tese originou-se do desejo de utilizar o conceito de multimetodologia para auxílio à tomada de decisõesem um problema real e de grande relevância para a sociedade.

Assim, o problema complexo de logística reversa de bens perecíveis, assunto deveras abdicado, tornou-se alvo do trabalho, onde vislumbrou-se a possibilidade de contribuir à melhoria de programas existentes de arrecadação e distribuição urbana de alimentos, que por sua ação minimizam o desperdício de alimentos e reduzem a insegurança alimentar e nutricional da população, visam a erradicação da fome, interesse de natureza primordial a nossa sociedade.


Apresenta o do problema

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

  • O Brasil apresenta altíssimos níveis de perda e desperdício de alimentos, tanto ao longo das cadeias produtivas e de distribuição, como em nível do preparo e armazenamento. Pesquisa da Embrapa e outros estudos evidenciam que a média de desperdício de alimentos no Brasil está entre 30% e 40%.

  • Segundo estimativas da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, 2009), o Brasil produz o suficiente para nutrir toda a sua população: a disponibilidade de alimentos per capita no país é de 3090 kcal por dia, enquanto o mínimo recomendado pela FAO e pela OMS (Organização Mundial de Saúde) é de 2.000 kcal por dia. Apesar disso, o relatório da FAO, referente ao período 2004-2006, apresenta 11,9 milhões de desnutridos, com um déficit de 220 Kcal/dia per capita.

Apresentação do problema

  • Ou seja,

  • há desperdício de alimentos e por outro lado ainda existe insegurança alimentar em todo o território nacional em sua forma mais severa – a fome.


Apresenta o do problema1

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Apresentação do problema

Tamanho da amostra: 399387 pessoas e 153837 unidades familiares

Fonte: IBGE 2009


Oportunidade e hip tese de pesquisa

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Oportunidade e hipótese de pesquisa

  • Oportunidade de pesquisa

  • A logística reversa de bens perecíveis pouquíssimo abordada na literatura, pouco estudada.

  • Hipótese de pesquisa

  • Há possibilidade de melhorias à logística reversa de bens perecíveis praticada atualmente, em especial a de alimentos?


Objetivos

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Objetivos

  • Objetivo principal

  • Promover a estruturação do contexto existente de colheita urbana de alimentos, sob a perspectiva da logística reversa de bens perecíveis, a fim de atingir um planejamento sistêmico de ações de melhorias desejáveis.

  • Objetivos secundários

  • Despertar o interesse de estudos a respeito de logística reversa, seus benefícios e limitações;

  • Gerar visibilidade e sensibilização a projetos de cunho humanitário;

  • Explorar a utilização de multimetodologia a problemas complexos;

  • Aplicar metodologia proposta por Ion Georgiou , uma configuração do método SSM, em um problema real;

  • Aplicar metodologia SODA através de sua ferramenta Mapas Cognitivos na seleção de transformações prioritárias (situação atual para situação desejada).


Fundamenta o te rica

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Fundamentação teórica

Logística, de acordo com a Associação Brasileira de Logística é definida como:

“O processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenagem eficientes e de baixo custo de matérias primas, estoque em processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente”.


Fundamenta o te rica1

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Fundamentação teórica

Logística Reversa, para Rogers e Tibben-Lembke (1999) é:

“O processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e de baixo custo de matérias primas, estoque em processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de consumo até o ponto de origem, com o propósito de recuperação de valor ou descarte apropriado”.


Fundamenta o te rica2

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Fundamentação teórica

Logística Reversa de Alimentos

Bancos de alimentos e colheita urbana são exemplos onde a logística reversa é utilizada de forma a recapturar valor.

  • Os Bancos de Alimentos e Colheitas Urbanas tem o objetivo de minimizar a fome, através do aproveitamento de alimentos desperdiçados ao longo da cadeia produtiva, mas que ainda permanecem adequados ao consumo humano.

  • Seu funcionamento baseia-se no recebimento de doações de alimentos provenientes de diferentes locais. Estes alimentos são, muitas vezes, considerados sem valor comercial, mas suas características nutricionais estão preservadas, não oferecendo risco ao consumo humano, desde que devidamente manipulados.

  • A Colheita Urbana encarrega-se de coletar, todos os dias e de forma segura, alimentos frescos, produtos hortifrutigranjeiros, alimentos industrializados entre outros, e de encaminhá-los para entidades sociais.


Proposta metodol gica

Proposta metodológica

Métodos de Estruturação de Problemas (PSM) consistem em um conjunto de métodos participativos que tem como objetivo auxiliar grupos a afrontar situações complexas.

  • Pensamento de sistemas soft

  • (PO soft)

  • Situação não estruturada, situação problema;

  • O mundo real é complexo e confuso, mas se pode organizar sua exploração em um sistema de aprendizagem. Esta exploração ou investigação é sistêmica;

  • Se apresenta uma etapa antes de se definir o problema;

  • Não se tem objetivos claramente definidos;

  • Se tem claramente a presença do componente humano;

  • Os interessados intervêm com diversos pontos de vistas sobre o problema

  • Tem como objetivo encontrar o “o que?” antes de procurar o “como?”

  • Pensamento de sistemas hard

  • (PO hard)

  • Situação estruturada com problema estruturado;

  • Os sistemas existem em um mundo exterior ao observador;

  • Problemas técnicos bem definidos;

  • Os interessados coincidem na definição do problema;

  • Os observadores tem uma visão ou filtro comum;

  • Tem como objetivo encontrar o “como?” resolver um problema.


Uso de multimetodologia

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Uso de Multimetodologia

A associação de duas metodologias distintas que se complementarão.

“A essência da multimetodologia é utilizar mais de uma metodologia, ou parte dela, possivelmente a partir de diferentes paradigmas, dentro de uma única intervenção. Há diversas maneiras em que tais combinações podem ocorrer, cada uma com diferentes problemas e possibilidades.”(MINGERS, 1997)

  • Serão utilizadas:

  • Uma configuração da metodologia SSM (Soft System Methodology)

  • A metodologia SODA (Strategic Options Development Analysis)

Fonte: Pollack, 2007


Ssm checkland soft system methodology

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM Checkland (Soft System Methodology)

  • Checkland (1981) indica sete estágios para a aplicação da SSM enfatizando suas características de apoio à aprendizagem e à formulação de hipóteses.


Ssm configura o de ion georgiou

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM configuração de Ion Georgiou

Traduzido de IonGeorgiou, 2006 por Rocio Gutierrez


Ssm configura o de ion georgiou1

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM configuração de Ion Georgiou

Fonte: IonGeorgiou, 2010


Soda strategic options development analysis

2 Ampliar repasse as instituições... manter instituições em lista de espera

3 Ampliar arrecadação ... Carência de recursos

SODA (Strategic Options Development Analysis)

SODA possibilitará, em um primeiro momento, construir mapas individuais das percepções de cada um dos envolvidos e, em seguida, esses mapas podem ser agregados em um único que é então tomado como agenda para a discussão do grupo (Eden & Radford, 1990).

7 Ter maior equipe para divisão de trabalho ... Concentrar trabalho à nutricionista

5 Ter mais um veículo para ampliar rede ... manter burocracia que inviabiliza

4 Incentivar legal mente as doações ... impedimento legal

1 Facilitação e otimização da roteirização ... Roteirização mensal executada pela própria nutricionista

6 Mobilizar e conscientizar... Falta de envolvimento da comunidade


Aplica o iniciada

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação iniciada

A metodologia SSM foi aplicada em um estudo real, em uma unidade isolada de uma organização mista, que desenvolve um dos maiores programas de colheita e distribuição urbana de alimentos não processados no país.

  • Mesa Brasil

  • O Programa Mesa Brasil, instituído pelo SESC, é um precursor do Fome Zero.

  • O SESC iniciou seu programa a partir do conhecimento de iniciativas de combate à fome, já praticadas em outros países.


Ssm configura o de ion georgiou2

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM configuração de Ion Georgiou


Aplica o da configura o de ssm

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 1 Produção de conhecimento

  • Figura rica

Simbologia: MaranhãoFilho, E. A.


Estrutura o e proposta de melhoria log stica reversa de alimentos

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 1 Produção de conhecimento

  • Análise1: Atores

Pessoas:

Coordenadora /nutricionista Mesa Brasil SJC

(+ auxiliar e estagiária)

Motoristas

Ajudantes de motorista

Assistenciados (idosos, crianças, dependentes químicos, gestantes, adultos)

Dono da transportadora

Instituições:

  • Mesa Brasil

  • Doadores (supermercados, feiras livres, restaurantes das indústrias, padarias, mercadinhos, lanchonetes, torterias, cooperativas rurais)

  • Cooperativas rurais

  • Instituições receptoras (instituições sociais)

  • Sesc São Paulo (Diretoria Regional + Superintendência técnica social + Gerente de saúde + Coordenadora regional)

  • Sesc São José dos Campos (Gerente da unidade + Coordenador da programação em paralelo com

    Coordenador administrativo)

  • Poder público municipal (não há)

  • Poder público federal


Aplica o da configura o de ssm1

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 1 Produção de conhecimento

  • Análise 2: Dinâmicas socioculturais

Estrutura pública definida (SESC)

Modelo de colheita urbana

Estrutura hierárquica de poder

Organização centralizada

Atividades dependentes dos cronogramas das instituições doadoras e receptoras

Responsabilidade legal sobre a qualidade dos alimentos

Imagem positiva pela realização de atividade social

Promoção de educação alimentar

Priorização de beneficiados segundo necessidade majoritária


Aplica o da configura o de ssm2

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 1 Produção de conhecimento

  • Análise 3: Dinâmicas de poder


Ssm configura o de ion georgiou3

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM configuração de Ion Georgiou


Aplica o da configura o de ssm3

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 2 Aplicação do conhecimento

  • Transformações


Aplica o da configura o de ssm4

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 2 Aplicação do conhecimento

  • Contextualização da transformação T1:


Aplica o da configura o de ssm5

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 2 Aplicação do conhecimento

  • Definição raiz para a T1

    Modelo:

    Um sistema conduzido pelos A que define e mantém T para atender C de acordo com as expectativas do O, para assegurar o W, em um ambiente E.

Definição raiz:

Um sistema conduzido por uma consultoria contratada que define e mantém uma facilitação da roteirização para atender à nutricionista, motorista, empresas doadoras e instituições receptoras de acordo com as expectativas do SESC, para assegurar a rapidez na execução das tarefas, melhor aproveitamento da capacidade do caminhão e horários, em um ambiente de recursos monetários controlados para execução


Ssm configura o de ion georgiou4

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

SSM configuração de Ion Georgiou


Aplica o da configura o de ssm6

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 3 Planejamento sistêmico

  • Planejamento de sistemas individuais

  • Passos:

  • - Para cada transformação devem ser listadas as atividades necessárias para realizá-la

  • - Deve-se ligar as atividades conceitualmente

  • - Em seguida estipula-se critérios de controle

  • Isso é chamado de um modelo conceitual ou sistema de atividade humana.

Ações listadas para a T1:

Roteirização mensal executada pela própria nutricionista => Facilitação da roteirização

1- Revisar cadastro de doadores e receptores

2- Estipular critérios de priorização e janelas de horários

3- Fazer cotação de software de roteirização

4- Contratar especialista para confecção de software de roteirização específico ao programa

5- Fazer treinamento para utilização do software

6- Adotar novo software


Estrutura o e proposta de melhoria log stica reversa de alimentos

1-Revisar cadastro de

doadores e receptores

2-Estipular critérios

de priorização e janelas de horários

3-Fazer cotação de software

de roteirização

4-Contratar especialista para

confecção de software de

roteirização específico ao programa

5-Fazer treinamento para

utilização do software

6-Adotar novo software

Monitoração/ Controle

C: nutricionista, motorista, empresas doadoras e instituições receptoras

A: consultoria contratada

T: Roteirização mensal executada pela própria nutricionista => Facilitação da roteirização

W: rapidez na execução das tarefas, melhor aproveitamento da capacidade do caminhão e horários

O: SESC

E: recursos monetários controlados para execução

Eficácia: Qualidade de serviço é aumentada, evita-se desperdício , capacidade é melhor empregada ou seja, mais instituições sociais podem ser atendidas.

Eficiência: recursos humanos, de tempo e capacidade do caminhão são alocados otimamente

Efetividade: Fazer a roteirização traz uma rapidez nas coletas e entregas e melhor aproveitamento dos recursos

Ética: A roteirização é algo moral a ser feito

Elegância: Organização melhor

Definição raiz: Um sistema conduzido por uma consultoria contratada que define e mantém uma facilitação da roteirização para atender à nutricionista, motorista, empresas doadoras e instituições receptoras de acordo com as expectativas do SESC, para assegurar a rapidez na execução das tarefas, melhor aproveitamento da capacidade do caminhão e horários, em um ambiente de recursos monetários controlados para execução


Aplica o da configura o de ssm7

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Aplicação da configuração de SSM

Fase 3 Planejamento sistêmico

  • Planejamento de sistemas integrados (Supersistema)


Continua o do trabalho

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Continuação do trabalho

  • Entrevistas com outros programas de colheita urbana:

  • ONG Banco de Alimentos Associação Prato Cheio

  • BCA Banco Ceagesp de alimentos

  • Aplicação do SODA para seleção das transformações prioritárias.


Refer ncias

ITA-Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Estruturação e proposta de melhoria à logística reversa de alimentos

Referências

  • CHECKLAND P. Systems thinking, systems practice.Wiley: Chichester, 1981.

  • CHAVES, Gisele de Lorena D.; MARTINS, Ricardo Silveira. Diagnóstico da logística reversa na cadeia de suprimentos de alimentos processados no oeste paranaense. In: VIII Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais (SIMPOI). São Paulo, FGV, 2005.

  • EDEN,C. & RADFORD, J. Tackling Strategic Problems. Sage, 1990.

  • EMBRAPA. Manual do Produtor — Como Evitar Desperdício. Brasil, 2004.

  • FAO. Food Security Statistics, by country. Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2009.

  • Georgiou, Ion. Managerial Effectiveness from a System Theorical Point of View. Systemic Practice and Action Research, 2006.

  • GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

  • IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de Janeiro, 2010.

  • LAKATOS, Eva M.; MARCONI, Marina de A. Técnicas de pesquisa. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

  • MARANHÃO FILHO, E. A. Toward an Architecture for a decision support system for soft system methodology. Tese de doutoradoemandamento.

  • MINGERS, J. Multimethodology: for Mixing Towards a Framework Methodologies, 1997.

  • POLLACK, J. Multimethodology in series and parallel: strategic planning using hard and soft OR. Journal of the Operational Research Society 60, 156 –167, 2009.

  • ROGERS D. S. & TIBBEM-LEMBKE, R.S. Going Backwards: reverse logistics trends and practices, Reverse Logistics Executive Council, Pittsburgh, PA, 1998.


Obrigada

Obrigada

[email protected]


  • Login