Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 74

Administração de Pessoal com Legislação Trabalhista e Previdenciária PowerPoint PPT Presentation


  • 73 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Administração de Pessoal com Legislação Trabalhista e Previdenciária. Empregador – Art. 2º da CLT. Empresa individual ou coletiva que assume os riscos da atividade econômica admita, assalaria e dirige a prestação de serviços. Profissionais Liberais; As instituições de beneficência;

Download Presentation

Administração de Pessoal com Legislação Trabalhista e Previdenciária

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria

Administração de Pessoal com Legislação Trabalhista e Previdenciária


Empregador art 2 da clt

Empregador – Art. 2º da CLT

Empresa individual ou coletiva que assume os riscos da atividade econômica admita, assalaria e dirige a prestação de serviços.

  • Profissionais Liberais;

  • As instituições de beneficência;

  • As associações recreativas;

  • Outras instituições sem fins lucrativos


Empregado

Empregado

É toda pessoa física que presta serviço de natureza não eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário.

Principais características da relação de emprego:

  • Pessoalidade;

  • Serviço não eventual;

  • Subordinação;

  • Onerosidade.


Tipos de trabalhadores

Tipos de Trabalhadores

  • Empregado Doméstico (Lei nº 5859/72)

  • Autônomo (Dec. nº 3.048/99)

  • Avulso (Dec. nº 3.048/99)

  • Temporário (Lei nº 6.019/74)

  • Estagiário (Lei nº 6.494/77)


Principais novidades para o estagi rio

Principais novidades para o Estagiário

Em 13/08/2008 a Câmara dos Deputados aprova Projeto de Lei nº 2.419/07 que regulamenta a lei de estágio.

  • Os profissionais liberais (Contadores, Advogados, Arquitetos etc) com inscrição nos conselhos de classe poderão contratar estagiários;

  • O auxílio-transporte passa a ser compulsório;

  • O estagiário passa a ter direito a férias proporcionais;

  • O estágio na mesma empresa ou instituição não poderá durar mais que dois anos;

  • Carga horária passa ter limite máximo de 30 horas semanais;


Terceiriza o

Terceirização

  • É a contratação de serviços por meio de empresa, intermediária (interposta) entre o tomador de serviços e a mão-de-obra, mediante contrato de prestação de serviços. A relação de emprego se faz entre o trabalhador e a empresa prestadora de serviço, e não diretamente com o contratante (tomador) destes.


Vantagens e desvantagens para a empresa que terceiriza a contratante

Vantagens e desvantagens para a empresa que terceiriza (a contratante).

Prós

  • As empresas não precisam se especializar em atividades que não tem a ver com seu negócio principal;

  • Se bem elaborada, as empresas podem conseguir um diminuição dos custos com esses contratos, já que parte dos gastos de manutenção ficam com a terceirizada;

  • A empresa pode se concentrar em melhorias na sua atividade fim.


Vantagens e desvantagens para a empresa que terceiriza a contratante1

Vantagens e desvantagens para a empresa que terceiriza (a contratante).

Contra

  • Desconhecimento da administração e da filosofia da empresa pelo terceirizado, pode atrapalhar;

  • Muitas vezes há dificuldade para encontrar a empresa parceira ideal;

  • Sempre existe o risco de não cumprimento de contratos;


Vantagens e desvantagens para a empresa terceirizada a contratada

Vantagens e desvantagens para a empresa terceirizada (a contratada).

Prós

  • Maior mobilização para crescimento da própria empresa, já que não há contrato de exclusividade, a princípio;

  • Possibilidade de fazer uma gestão independente e diferente da forma como o cliente atua.

    Contras

  • Muitas vezes essas empresas têm uma dependência dos grandes clientes;

  • Empresa deve arcar com custo de manutenção e dos encargos trabalhistas.


Recrutamento e sele o

Recrutamento e Seleção

É o conjunto de procedimentos que visa atrais candidatos potencialmente qualificados e capazes de ocupar dentro da organização. É um sistema de informação através do qual a organização divulga e oferece ao mercado de recursos humanos, oportunidades de emprego que pretende preencher.


Documentos exigidos na admiss o

Documentos exigidos na admissão

  • CTPS – art. 13 da CLT;

  • Título de eleitor;

  • Certificado de reservista;

  • CPF;

  • Fotografia;

  • Comprovante de endereço;

  • Certidão de casamento;

  • Certidão de nascimento dos filhos menores de 14 anos;

  • Atestado de escolaridade e ou cartão de vacinação para fins de salário família;

  • Termo de Responsabilidade para fins de salário família;

  • Declaração de dependente de Imposto de Renda;

  • Declaração de Beneficiário de Vale Transporte;

  • Cadastramento do PIS.


Exame m dico art 168 da clt

Exame Médico – Art. 168 da CLT

Obrigatoriedade:

  • Na admissão

  • Na demissão

  • Periodicamente

    Anual para menores de 18 e maiores de 50 anos

    A cada dois anos para trabalhadores entre 18 e 45 anos.

  • No Retorno


Ficha ou livro de registro de empregado art 41 da clt

Ficha ou Livro de Registro de Empregado – Art. 41 da CLT

Em todas as atividades será obrigatório para o empregador o registro dos respectivos trabalhadores, podendo ser adotado livros, fichas ou sistema eletrônico.

Art. 47 da CLT – A empresa que mantiver empregado não registrado nos termos do art. 41, incorrerão na multa de valor igual a 378 ufir.

Obs.: Caso haja movimentação deverá enviar o CAGED todo dia 07 do mês subseqüente.


Jornada de trabalho art 58 da clt

Jornada de Trabalho – Art. 58 da CLT

É a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado.

Intervalo para alimentação – Art. 71 da CLT

  • Jornada de 4 a 6 horas - 15 min.

  • Jornada de mais de 6 horas – mínimo de uma hora

    Intervalo Intrajornada – Art. 66 da CLT

  • Entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo de 11 horas consecutivas de descanso.


Dsr art 67 da clt e lei 605 49

DSR – Art. 67 da CLT e Lei 605/49

  • Será assegurado a todo o empregado um descanso semanal de 24 horas consecutivas, o qual, salvo motivo de conveniência pública ou necessidade imperiosa do serviço, deverá coincidir com o domingo, no todo ou em parte.


Contrato individual de trabalho art 442 da clt

Contrato Individual de Trabalho – Art. 442 da CLT

É acordo tácito ou expresso, correspondente a relação de emprego.

Quanto à natureza os contratos são:

  • Prazo determinado – Art. 443 da CLT

  • Prazo Indeterminado – Art. 452 da CLT


Caracter sticas do contrato por prazo determinado

Características do Contrato por prazo determinado

Só será válido em se tratando de:

  • Serviço cuja natureza ou transitoriedade justifique predeterminação;

  • De atividades empresariais de caráter transitório;

  • De contrato de experiência – Art. 445 da CLT.


Regras que devem ser obedecidas para celebra o de um contrato por prazo determinado

Regras que devem ser obedecidas para celebração de um contrato por prazo determinado

  • Não poderá ser estipulado por período superior a dois anos ou superior a noventa dias, em se tratando de contrato de experiência;

  • Quando estipulado por prazo inferior, permite-se uma única prorrogação, até atingir o limite máximo;

  • Havendo mais de uma prorrogação, o contrato passará a vigorar sem determinação de prazo;

  • Para celebração de novo contrato com o mesmo empregado, é necessário um intervalo mínimo de seis meses.


Exemplos de contrato por prazo determinado

Exemplos de contrato por prazo determinado

  • Contrato de Safra;

  • Contrato por Obra Certa (serviços especificados);

  • Contrato de Experiência – Art. 445 da CLT;

  • Contrato conforme a Lei 9.601/98

  • Contrato Temporário – Lei 6.019/74

  • Contrato de Estágio – Lei 6.494/77

  • Contrato de Aprendizagem – Lei 8.069/90


Exemplo de prorroga o do contrato de experi ncia

Exemplo de prorrogação do contrato de experiência

Exemplo 1

Contrato de experiência45 dias

Prorrogação45 dias

Total90 dias

Exemplo 2

Contrato de experiência30 dias

Prorrogação30 dias

Total60 dias


Extin o autom tica

Extinção Automática

Atingindo o prazo fixado, o contrato de experiência se extingue, ou seja, termina automaticamente pelo decurso do prazo.

Exemplo

Término do contrato na 6ª feira. O empregado não deverá trabalhar além do horário normal para compensar a jornada de sábado.


Contrato por prazo indeterminado art 452 da clt

Contrato por Prazo Indeterminado – Art. 452 da CLT

É todo o contrato que suceder dentro de seis meses a outro contrato por prazo determinado, salvo de se a expiração deste dependeu da execução de serviços especializados ou da execução de certos acontecimentos.


Suspens o e interrup o de contrato art 471 da clt

Suspensão e Interrupção de Contrato – Art. 471 da CLT

Suspensão do contrato de trabalho

Ocorre quando o empregado encontra-se a afastado e não gera ônus para a empresa.

Exemplos:

  • Afastamento por doença (a partir do 16º dia);

  • Pedido pelo empregado de Licença sem remuneração;

  • Suspensão disciplinar do empregado, até 30 dias


Suspens o e interrup o de contrato art 471 da clt1

Suspensão e Interrupção de Contrato – Art. 471 da CLT

Interrupção do contrato de trabalho

Ocorre pela não prestação pessoal de serviços, mas acarretando ônus para o empregador mediante salário ou cumprimento de obrigação.

Exemplos:

  • Afastamento por doença (a partir do 16º dia);

  • Período de gozo de férias;

  • Afastamento pelo nascimento do filho;

  • Licença Maternidade;

  • As faltas justificadas do art. 473 da CLT.


Sal rio e remunera o art 457 da clt

Salário e Remuneração – Art. 457 da CLT

Salário - é a contraprestação devida e paga diretamente pelo empregador a todo o empregado.

Exemplo – Piso Salarial R$ 550,00

Remuneração – Integram o salário não só a importância estipulada, como também as comissões, gorjetas, gratificações e ou abonos pagos pelo empregador.

Exemplo- Piso Salarial + Adic.de boa permanência


Sal rio in natura

Salário In Natura

Qualquer utilidade fornecida pelo empregador, exceto as necessárias para a realização dos serviços, representam salário-utilidade ou salário in natura.

Exemplos

  • Vestuário

  • Transporte – Lei 7418/85

  • Alimentação – Lei 6231/76


Proventos e descontos

Proventos e Descontos

Proventos


Horas extra art 59 da clt

Horas Extra – Art. 59 da CLT

Cálculo das Horas Extras

Salário baseR$ 1.180,00

R$ 1.180,00 : 220 = R$ 5,36

R$ 5,36 x 50% = R$ 2,68 (acréscimo a hora)

R$ 5,36 + 2,68 = R$ 8,04 (Hora Extra)


Adicional noturno art 73 da clt

Adicional Noturno – Art. 73 da CLT

Horário para considerar adicional noturno

O trabalho realizado entre as 22 horas às 5 horas da manhã do dia subseqüente.

Percentual

O percentual da hora é de 20%

Hora Reduzida

52 min 30 s

Dízima para se achar a quantidade real de horas de adicional

60/52,5 = 1,1428571

1,1428571 * (qde. De horas trabalhadas)


C lculo do adic noturno

Cálculo do Adic. Noturno

Hora diurna = R$ 6,14

R$ 6,14 x 20% = R$ 1,23

R$ 1,23 (valor do adic.noturno referente a 1 hora)

Exemplo: utilizando a dízima

Trabalha das 22 às 05:00 = 7 horas trabalhadas

7 horas x 1,1428571 = 8

8 x 1,23 = R$ 9,84


Hora extra noturna

Hora Extra Noturna

Deve ser aplicado sobre a hora normal o adicional noturno e sobre este o adicional da hora extra noturna.

Cálculo da Hora Extra Noturna

1º Acha-se o valor do adic. noturno

Hora diurna:R$ 6,14

R$ 6,14 x 20%R$ 1,23

R$ 1,23 (valor do adic not referente a uma hora)

2º Acha-se a hora noturna propriamente dita

R$ 6,14 + R$ 1,23 = R$ 7,37

R$ 7,37 * 50% = R$ 3,68

R$ 7,37 + R$ 3,68 = R$ 11,05


Descanso semanal remunerado

Descanso Semanal Remunerado

Cálculo do DSR

Horas ExtrasR$ 20,00

Ad NoturnoR$ 15,00

ComissõesR$ 50,00

TotalR$ 85,00

Total da remuneraçãoR$ 85,00

Dias úteis no mês 25 dias

Dom e Feriados 6 dias

R$ 85,00 : 25 = 3,40

R$ 3,40 x 6 = 20,40

DSR = 20,40


Periculosidade art 193 da clt

Periculosidade – Art. 193 da CLT

Atividades ou operações perigosas que impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

Percentual- 30%

Base- Salário contratual

R$ 550,00 x 30%= 165,00


Insalubridade art 192 da clt

Insalubridade – Art. 192 da CLT

O exercício de trabalho em condições insalubres, acima da tolerância estabelecida pelo M.T.E.

Grau%Base

110Salário Mínimo

220Salário Mínimo

340Salário Mínimo


Sal rio fam lia art 81 do dec 3048 99

Salário Família – Art. 81 do Dec 3048/99

É devido ao segurado da previdência social que tenha filhos menores de 14 anos ou inválidos de qualquer idade e possua remuneração mensal até R$ 472,43 receberá a cota no valor de R$ R$ 24,23 por filho, ou remuneração entre R$ 472,44 a R$ 710,08 a cota do benefício será de R$ 17,07.

Nas admissões e demissões o pagamento deverá ser proporcional.


Sal rio fam lia

Salário Família

Documentação Exigida para ter direito ao benefício

  • Certidão de nascimento dos filhos menor de 14 anos;

  • Cartão de vacinação atualizado (filhos até 5 anos de idade, apresenta na admissão e no mês de maio);

  • Declaração de freqüência escolar ( filhos maiores de 5 anos até 14 anos);

  • Termo de Responsabilidade;


Sal rio fam lia1

Salário Família

Cálculo

Salário Base: R$ 415,00

Horas Extras: R$ 200,00

Qde. De Filhos menores de 14 anos: 2

Resultado do benefício: R$ 34,14


Proventos e descontos1

Proventos e Descontos

Descontos – Art. 462 da CLT

Ao empregador é vedado efetuar desconto nos salários dos empregados, a não ser quando resultar de adiantamento, de dispositivo de lei ou de contrato coletivo.


Contribui o previdenci ria

Contribuição Previdenciária

A empresa deverá descontar de seus empregados a contribuição previdenciária que incidirá sobre a remuneração efetivamente paga ou creditada no mês, recolhendo sempre no 10º dia útil do mês subseqüente à ocorrência do fato.


Contribui o previdenci ria1

Contribuição Previdenciária

Tabela

Salário de contribuiçãoAlíquota

Até 911,708%

De 911,71 a 1.519,509%

De 1.519,51 a 3.038,9911%


Contribui o previdenci ria2

Contribuição Previdenciária

Algumas parcelas que não integram o salário contribuição

A cota de salário família;

O abono de férias;

Bolsa Estágio;

PIS;

Férias Vencidas na rescisão;

Aviso Prévio Indenizado.


Vale transporte lei 7 418 85

Vale Transporte – Lei 7.418/85

Trata-se de um benefício fornecido antecipadamente pela empresa, para o deslocamento do trabalhador da residência – trabalho e vice versa.

O valor do vale transporte será rateado da seguinte forma:

Trabalhador 6 % do salário base

Empregador o que exceder ao 6% do salário base.


Vale transporte

Vale Transporte

Cálculo

Empregado x

Salário base R$ 500,00

Qde de vale: 80 a R$ 1,00 = R$ 80,00

Desc VT: R$ 500,00 x 6% = R$ 30,00 (prevalece o menor)

Empregado Y

Salário base R$ 1500,00

Qde de vale: 80 a R$ 1,00 = R$ 80,00 (Prevalece o menor)

Desc VT: R$ 1500,00 x 6% = R$ 90,00


Imposto de renda

Imposto de Renda

As remunerações pagas aos empregados estão sujeitas ao desconto do imposto de renda mediante aplicação de alíquotas progressivas, observado o limite de isenção fixado na tabela.

Tabela Progressiva:

AlíquotaA deduzir

  • Até 1.434,59isento

  • De 1.434,60 a 2.150,007,5%107,59

  • De 2.150,01 a 2.866.7015,0% 268,84

  • De 2.866,71 a 3.582,0022,0%483,84

  • Acima de 3.582,0127,5%662,94

    Cada dependente = R$ 150,69 Cada


Imposto de renda1

Imposto de Renda

Cálculo do imposto

Renda Líquida Tributável = Renda Bruta-INSS-Dependentes-Pensão Alimentícia

Empregado com 3 dependentes recebe R$ 3.000,00.

Base de cálculo

Renda Bruta:3.000,00

3 dependentes: 413,97 (137,99 x 3)

INSS: 330,00

Base para cálculo IR 2256,03

2256,03 x 15% = 338,40

338,40 – 205,92 = 132,48


13 sal rio

13º salário

Esclarecimentos


13 sal rio conceito

13º Salário - Conceito

A gratificação natalina, devida a todos os empregados urbanos, rurais e domésticos, é paga em duas parcelas. A primeira, entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano e a segunda, até o dia 20 de dezembro. Seu valor corresponde a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, considerando-se mês integral a fração igual ou superior a 15 dias de trabalho no mês civil.


Primeira parcela

Primeira Parcela

Empregado admitido até 17/01 recebem a metade do salário contratual.

Exemplo

Mensalista

Salário mensal de R$ 800,00, recebe R$ 400,00.

Diarista

Percebe R$ 30,00 por dia, recebe a metade de 30 dias.

R$ 30,00 x 30 = 900,00

R$ 900,00 : 2 = R$ 450,00

Horista

Percebe R$ 4,00 por hora faz jus a metade de 220 horas

R$ 4,00 x 220 = R$ 880,00

R$ 880,00 : 2 = R$ 440,00


13 sal rio sal rio vari vel

13º Salário – Salário Variável

Qualquer que seja o salário variável, paga-se a metade da média mensal até o mês de outubro.

Exemplo: salário variável sem fixo

JanR$1.200,00Média mensal: 18.180:10 = 1.818,00

FevR$ 900,00Pgto da 1ª Parcela do 13º salário

MarR$1.320,00R$ 1.818,00 : 2 = R$ 909,00.

AbrR$1.800,00

MaiR$1.680,00

JunR$1.980,00

JulR$1.920,00

AgoR$2.100,00

SetR$2.280,00

OutR$3.000,00

TotalR$ 18.180,00


Sal rio vari vel mais fixo

Salário variável mais fixo

Procura-se a média mensal do salário variável e soma-se com o salário fixo.

Média mensalR$ 1.818,00

+ salário fixoR$ 600,00

TotalR$ 2.418,00

Pgto da 1ª parcela do 13º salário

R$ 2.418,00 : 2 = R$ 1.209,00


Empregados admitidos ap s 17 01

Empregados admitidos após 17/01

Paga-se o referente ao período à admissão do empregado, atribuindo-se 1/12 do salário mensal percebido ou apurado, por mês de serviço, ou fração igual ou superior a 15 dias, contando da admissão até o mês anterior ao pagamento; paga-se a metade total encontrado.


Exemplo

Exemplo

Mensalista

Um empregado admitido em 27/07/2007, com salário de R$ 1.200,00 por mês, deve receber quanto da 1ª parcela de 13º salário?

Cálculo

R$ 1.200,00 : 12 = R$ 100,00 (valor de 1/12)

R$ 100,00 * 5 = R$ 500,00 (5 meses de ago a dez)

R$ 500,00 : 2 = R$ 250,00

Obs.: julho não entra porque só trabalhou 5 dias = (27,28,29,30 e 31)


Segunda parcela

Segunda Parcela

Deve ser paga até 20 de dezembro do corrente ano, descontando-se o INSS.

Para o cálculo da 2ª parcela usam-se os mesmos critérios adotados para a 1ª. Considera-se como salário fixo o de dezembro.

Quando houver salário variável faz-se a média mensal de janeiro a novembro, ou do mês em que foi admitido até novembro, obtendo-se dessa forma 1/11.


Acerto da diferen a

Acerto da diferença

Para aqueles que recebem salário variável, a empresa tem prazo até o dia 10 de janeiro do ano seguinte para acertar a diferença de 1/12, correspondente a dezembro.

Exemplo

Um empregado que tenha salário variável. A soma de seu salário variável de jan a nov foi de R$ 13.200,00, a média mensal foi de R$ 1.200,00 (R$ 13.200,00 : 11 = R$ 1.200,00). Valor pago até 20 de dezembro: R$ 1.200,00. No mês de dezembro sua comisão foi de R$ 480,00. logo:

R$ 13.200,00 (jan a nov)

R$ 480,00 (dez)

R$ 13.680,00

R$ 13.680,00 : 12 = R$ 1.140,00

Valor pago até dez= R$ 1.200,00

(-) Valor real a receber = R$ 1.140,00

Diferença= R$ 60,00


F rias

Férias

Após 12 meses de trabalho o empregado terá direito a um período de descanso que corresponderá a 30, 24, 18 ou 12 dias, conforme o número de faltas não justificadas, durante o período aquisitivo de férias.


Aviso de f rias

Aviso de férias

A concessão das férias será comunicada ao empregado com antecedência de no mínimo 30 (trinta) dias.

Até 5 faltas30 dias

De 6 a 14 faltas24 dias

De 15 a 23 faltas18 dias

De 24 a 32 faltas12 dias


Faltas justificadas

Faltas Justificadas

  • Até dois dias consecutivos, em caso de falecimento do conjugue, ascendente, descendete;

  • Até três dias consecutivos, em virtude de casamento;

  • Por cinco dias consecutivos, em caso de nascimento de filho, etc...


Perda do direito

Perda do Direito

  • Deixar o emprego e não for readmitido dentro dos 60 dias subsequentes à saída;

  • Permanecer em gozo de licença com percepção de salários, por mais de 30 (trinta) dias;

  • Tiver percebido da Previdência prestações de acidente de trabalho ou de auxílio doença por mais de 6 (seis) meses, embora descontínuos.


Per odo aquisitivos e concessivo

Período aquisitivos e concessivo

Período aquisitivo

Exemplo:

Admissão: 03/03/2007

Período aquisitivo: 03/03/2007 a 02/03/2008

Período concessivo: 03/03/2008 a 02/02/2009


Verbas

Verbas

Remuneração paga em recibo

Será paga até 2 (dois) dias antes do início do período de gozo.

1/3 constitucional

Assegura a Constituição Federal pelo menos um terço a mais do que o salário normal.

Abono Pecuniário

Será facultado ao empregado converter 1/3 do período de férias que tiver direito em abono pecuniário no valor da remuneração que lhe seria devido nos dias correspondentes.


Exemplo1

Exemplo

Empregado admitido em 20/11/2006, solicita gozo de férias em janeiro de 2008 de 30 dias, sua remuneração mensal é de R$ 1.000,00.

Resposta:

Período aquisitivo: 20/11/2006 a 19/11/2007

NormalVenda de 10 dias

FériasR$ 1.000,00FériasR$ 1000/30*20 = 666,66

1/3 de fériasR$ 333,331/3 FériasR$ 1000/3 = 333,33

Ab PecR$ 1000/3 = 333,33

1/3 ab pecR$ 333/3 = 111,11

TotalR$ 1.333,33TotalR$ 1.333,33


F rias coletivas

Férias Coletivas

Conceito

São aquelas concedidas a todos os empregados de uma empresa ou de determinados estabelecimentos ou setores da empresa.

Períodos

Poderão ser gozadas em dois períodos, sendo que nenhum poderá ser inferior a 10 (dez) dias, sendo vedado ao maior de 50 anos e menor de 18 anos.

Comunicação a DRT

A empresa deverá comunicar a DRT no prazo mínimo de 15 dias, as datas de início e fim das férias e os estabelecimentos e setores atingidos e enviar cópia ao sindicato da classe.


F rias coletivas1

Férias Coletivas

Empregados admitidos há menos de 12 meses

Empregados admitidos há menos de 12 meses gozarão férias proporcionais e terão seu período aquisitivo alterado para o primeiro dia do início das férias coletivas.

Exemplo

Se o período de férias é de 19/12/2004 a 30/12/2004, seu novo período aquisitivo começa a partir de 19/12/2004.


F rias coletivas2

Férias Coletivas

Férias Proporcionais

Se as férias proporcionais forem superiores às férias coletivas, o empregado fica com um saldo favorável, cuja concessão do período de gozo fica a critério do empregador, observando-se sempre o período aquisitivo.

Se as férias proporcionais forem inferiores às férias coletivas, o empregado não faz jus a todo o período de férias coletivas, mas elas devem ser pagas como licença remunerada para que não haja redução salarial do empregado.


F rias coletivas3

Férias Coletivas

Exemplo

Empregado cujo salário é de R$ 300,00, foi admitido em 02/12 sai em férias coletivas no dia 21 a 31 de dezembro.

Licença remunerada300/30*10 = 100,00.


Rescis o contratual

Rescisão contratual

Aviso Prévio

É a comunicação que uma parte faz a outra (empregador ao empregado ou vice versa), formalizando o desejo da rescisão contratual.

O que se deve saber sobre o aviso prévio

O aviso prévio, inclusive quando indenizado, integra o tempo de serviço para todos os efeitos legais.

O prazo de trinta dias, correspondente ao aviso prévio, conta-se a partir do dia útil seguinte ao da comunicação, que deverá ser formalizado por escrito.


Rescis o contratual1

Rescisão Contratual

Casos Especiais em que não poderá ser dado o aviso prévio

  • Férias do empregado;

  • Estabilidade Gestante;

  • Acidente de Trabalho

    Acidente de Trabalho

    O afastamento do empregado por mais de 15 dias, até 12 meses após alta médica.

    Redução da Jornada

    Partindo o aviso da empresa, o empregado terá direito à redução de 2 horas diárias de sua jornada, que, a seu critério, poderá substituir por 7 dias corridos sem prejuízo salarial.

Facilitador - Heleno Rocha


Rescis o contratual2

Rescisão Contratual

Indenização – Art 9º da lei nº 6.708/79

O empregado que for despedido 30 dias que antecede a data-base, fará jus a um salário mensal, a título de indenização.

Recusa do empregado

Emitindo o aviso prévio e, recusando o empregado a dar ciência, terão o empregador dois recursos:

  • Solicitar duas pessoas que assinem como testemunha;

  • Enviar pelos correios com aviso de recepção.

Facilitador - Heleno Rocha


Rescis o contratual3

Rescisão Contratual

Formas de extinção do Contrato de Trabalho

  • Pedido de demissão

  • Dispensa sem justa causa

  • Dispensa sem justa causa

  • Morte do empregado

  • Extinção da empresa

  • Rescisão por força maior

  • Rescisão do contrato a termo


Rescis o contratual4

Rescisão Contratual

Exemplo Dispensa sem justa causa

Empregado é admitido em 02/01/2008, com remuneração de R$ 3.000,00, sem de pendente para IR, com férias vencidas e proporcionais é demitido em 02/05/2008 com aviso prévio indenizado. Calcule.


Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria

ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2012.

Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I ,Coimbra,1990 

AQUINO, Rubim Santos Leão de . et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.

ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, 1996.ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2002.

BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, 2007.

BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

CERQUEIRA, João da Gama. “Tratado da Propriedade Industrial”, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro, 1952.

CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.

COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol

DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, v. 3.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2005.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.

REFERÊNCIAS


Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria

FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. – São Paulo :Saraiva, 2012.

FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro : Forense, 2005.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007

GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1 - 5 ed. São Paulo: Saraiva. 2004.

GRINOVER, Ada Pellegrini et al.Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, 2004.

JESUS, Damásio E. de. Direito Penal – V. 2 – Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

LAKATOS,  Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997

LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999

MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, 2004.

MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, Carlos Benedito.  O que é Sociologia.  Rio de Janeiro: Zahar, 1988

MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, 2001.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.

MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. – São Paulo: Editora Atlas, 2006.

REFERÊNCIAS


Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria

MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.

PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.

Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989 

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense. 2004.

POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2010..

PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2.

REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, 2006.

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2.

RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 – 3 ed. São Paulo: Atlas. 2003.

REFERÊNCIAS

ATENÇÃO

Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra completamente atualizado.


Administra o de pessoal com legisla o trabalhista e previdenci ria

_________________Obrigado pela atenção!!

Acimarney C. S. Freitas – Advogado – OAB-BA Nº 30.553

Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Vitória da Conquista

Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Brumado.

Bacharel em Teologia

Especialista em Direito Educacional - FTC

Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA

Mestrando em Filosofia - UFSC

Email: [email protected]

Facebook: Ney Maximus

FIM


  • Login