Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 63

CASO CLÍNICO: Cardiopatia congênita acianótica PowerPoint PPT Presentation


  • 105 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF Unidade de Pediatria HRAS. CASO CLÍNICO: Cardiopatia congênita acianótica. ALUNOS: Miriam Monteiro Alvares Rodolfo Costa Sousa COORDENAÇÃO: Dra. Sueli Falcão www.paulomargotto.com.br 19 de Fevereiro/2009. IDENTIFICAÇÃO. J.M.P

Download Presentation

CASO CLÍNICO: Cardiopatia congênita acianótica

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica

Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF

Unidade de Pediatria HRAS

CASO CLÍNICO: Cardiopatia congênita acianótica

ALUNOS: Miriam Monteiro Alvares

Rodolfo Costa Sousa

COORDENAÇÃO: Dra. Sueli Falcão

www.paulomargotto.com.br

19 de Fevereiro/2009


Identifica o

IDENTIFICAÇÃO

  • J.M.P

  • 7 meses DN: 23/06/2008

  • Masculino

  • Natural do Gama - DF

  • Procedente de Luziânia – GO

  • HRAS – ALA “A” – Enfermaria 504


Queixa principal

QUEIXA PRINCIPAL

“Cansaço e choro há 1 semana”


H d a

H.D.A

  • Criança com Síndrome de Down, nasceu no Hospital Regional do Gama onde ao exame físico foi identificado, com 4 horas de vida, cianose de extremidades que teve resolução espontânea e sopro sistólico principalmente em foco tricúspede.


H d a1

H.D.A

  • Ficou internado no HRG por 22 dias até realização de Ecocardiograma que identificou:

    - Presença de forame oval patente, ampla CIV perimembranosa (0,8cm). Aumento de VD, cavidades esquerdas com dimensões normais.

    – PCA (1,3 mm).

    – Sinais de hipertensão pulmonar importante.


H d a2

H.D.A

  • Mãe informa dispnéia, choro e irritabilidade há 8 dias, sem período preferencial, associado a febre não aferida nesse mesmo período.

  • Relata que a piora dos sintomas foi gradual nesse período e que a criança ficou apática há cerca de 1 dia, além de estar tendo dificuldades para mamar principalmente à noite.

  • Revisão de sistemas: Não evacua há 7 dias


Antecedentes pessoais

ANTECEDENTES PESSOAIS

  • Mãe: - 4 consultas de pré-natal

    - G4 P4 A0

    - ITU

  • Criança:

    - Nasceu de parto normal, a termo (39 sem),

    - Apgar = 7 / 8

    - Peso: 2,595 g - Est.: 48 cm

    - PC: 34 cm

    - Imunizações completas


Antecedentes pessoais1

ANTECEDENTES PESSOAIS

  • Patológico:

    - Neonatal: Desconforto respiratório leve; Hipoatividade e cianose de extremidades; Incompatibilidade ABO – fototerapia.

    - Dx: CIV; PCA; FOP; Hipertensão Pulmonar

    - Síndrome de Down

    - Internação aos 5 meses: Pneumonia + Sibilância


H bitos de vida

HÁBITOS DE VIDA

  • Casa de alvenaria, 5 cômodos, presença de fossa asséptica, gatos e pássaros.

  • Alimentação:

    - SME até 6º mês de vida

    - Hoje: SM + sopa salgada

  • Pai fumante (20 cigarros/dia)


Antecedentes familiares

ANTECEDENTES FAMILIARES

  • Mãe, 40 anos – saudável

  • Pai, 47 anos – saudável

  • Irmãos: - 19 anos – meningite na infância

    - 18 anos – saudável

    - 6 anos – saudável

  • Nega consanguinidade na família


Exame f sico

EXAME FÍSICO

  • Ectoscopia: BEG, hipocorado (+/4+), hidratado, acianótico, anictérico, afebril. PESO: 5,835g

  • ACV: Presença de frêmito borda esternal esquerda. RCR em 2T, hiperfonese de 2ª bulha, sopro sistólico (4+/6+) em borda esternal esquerda baixa com irradiação para todo precódio e dorso. FC: 110 bpm

  • AR: MVF, sem ruídos adventícios. FR: 42 ipm

  • AB: Flácido, RHA +, fígado a 1,5 cm do RCD sem alterações à palpação.


Exame f sico1

EXAME FÍSICO

  • Genitália:Masculina, testículos tópicos

  • Extremidades: Sem edema, boa perfusão.

  • Oroscopia: Sem alterações.

  • Otoscopia: Sem alterações

  • SN: Atraso de desenvolvimento neuropsicomotor: Ainda não senta com apoio.


Exames laboratoriais

EXAMES LABORATORIAIS

  • Hb: 10,1 g / dl

  • Ht: 31,5 %

  • Leucócitos: 7.700 / mm³

    - seg: 31 % - bast: 0 %

    - eos: 3 %

    - linf: 62 % - mono: 4 %


Exames laboratoriais1

EXAMES LABORATORIAIS

  • Glicemia: 84 mg / dl

  • Uréia: 18 mg / dl

  • Creatinina: 0,3 mg / dl

  • EAS:* - Leuc: 30 p/c

    - C.E.D: 2 p/c

    - Flora bacteriana: + + +

    - Muco: +

    *Demais parâmetros sem resultados

  • Urocultura: Contaminação


Exames de imagem

EXAMES DE IMAGEM

  • Ecografia do aparelho urinário: (09/02/09)

    “Sem alterações. Rins com ecogenicidade e tamanhos normais”

  • Ecocardiograma: (30/01/09)

    “CIV muscular de via de entrada com extensão para via de saída. PCA de 2,6 cm. Hipertensão pulmonar. Discreta regurgitação tricúspede.”


Exames de imagem1

EXAMES DE IMAGEM

  • Raio-x Tórax: “Pulmões expandidos e transparentes. Aumento da área cardíaca, às custas de câmaras direitas.”

  • Outros exames:

  • ECG: “ÂQRS = 90. PR = 0,14 seg. Ritmo sinusal. Presença de onda T em V1 que pode significar SVD. Não há critérios de voltagem para sobrecargas ventriculares.”


Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica

Radiografia: 1mês de vida

Radiografia atual


Diagn stico

DIAGNÓSTICO

  • Dx prévios:

    - CIV muscular extensa

    - PCA moderado

    - FOP

    - Hipertensão Pulmonar Persistente importante

    - Regurgitação tricúspide discreta.

  • Dx atual:

    - ITU


Conduta

CONDUTA

  • Gentamicina 30 mg EV 1X/dia

    *Fez um dia de cefazolina inicialmente. (início: 06/02; fim 07/02)

  • Espironolactona 1,5 mg / kg / dia

  • Captopril 2 mg / Kg / dia

  • Furosemida 3,4 mg / Kg / dia

  • Sintomáticos


Cardiopatias cong nitas acian ticas

CARDIOPATIAS CONGÊNITAS ACIANÓTICAS


Conceitos

CONCEITOS

  • Volemia pulmonar = Quantidade total de sangue presente no pulmão.

  • Fluxo pulmonar = Quantidade de sangue que atravessa o leito capilar pulmonar por unidade de tempo.

  • Resistência pulmonar = Persiste alta nos primeiro dias após o nascimento.


Conceitos1

CONCEITOS

90% dos casos acontecem isolados, não associados à síndromes ou malformações;

Na Síndrome de Down 50% das crianças apresentam alguma cardiopatia congênita.


Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica

Em estudo realizado em Curitiba-PR no ano de 2003, 4538 crianças com cardiopatias foram analisadas epidemiologicamente. A tabela analisa a distribuição das freqüências e das prevalências das cardiopatias congênitas. Destacando as cardiopatias congênitas acianóticas:

Arq Bras Cardiol 2003; 80: 269-73.


Avalia o

AVALIAÇÃO

  • Como avaliar uma criança com defeito cardíaco congênito?

    - É cianótica ou acianótica?

    - Existe congestão pulmonar?

    - ECG: Existe hipertrofia de câmara?

    - Existe algum sopro ou bulha característica?

    - Confirmação: Ecocardiograma e / ou Cateterismo cardíaco.


Cardiopatias acian ticas

Cardiopatias acianóticas


Etiologia

ETIOLOGIA

  • Comunicação interventricular (25-30%)

  • Persistência do canal arterial (6-8%)

  • Estenose pulmonar (5-7%)

  • Comunicação interatrial (6-8%)

  • Coarctação da aorta (5-7%)

  • Estenose aórtica (4-7%)

  • Defeito no septo átrio-ventricular (4-5%).


Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica

Coração sem alterações


Comunica o interatrial

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL


Comunica o interatrial1

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL

  • Indispensável à vida no período fetal.

  • Septo atrial:

    - Primum: fibroso e delgado (AE)

    - Secundum: Musculoso (AD)

    ● Após o nascimento Reduz resistência pulmonar.


Caso cl nico cardiopatia cong nita acian tica

Incidência mulher:homem = 2:1


Comunica o interatrial2

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL

  • TIPOS:

    - Ostium primum

    - Ostium secundum (fossa oval)

    ● Fisiopatologia:

    Shunt esquerdo-direito. O aumento do fluxo das cavidades direitas promoverá aumento do AD e VD e dilatação da artéria pulmonar.


Comunica o interatrial3

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL

  • Manifestações clínicas:

    - Sem sintomas;

    - Dispnéia, palpitações, fadiga;

    - Infecções respiratórias e perda ponderal;

    - Raramente IC;

    - Desdobramento fixo de B2

    - Sopro sistólico (BEEA)


Comunica o interatrial4

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL

  • Diagnóstico:

    - Raio-x: Aumento da área cardíaca;

    Aumento da trama vascular; tronco pulmonar abaulado e convexo à esquerda.

    - Ecocardiograma: Aumento de VD; Movimento paradoxal do septo; Tamanho e posição do CIA

    - ECG: Padrão de bloqueio de ramo direito


Comunica o interatrial5

COMUNICAÇÃO INTERATRIAL

  • Conduta:

    A cirurgia eletiva deve ser realizada na idade pré-escolar em sintomáticos, e para aqueles sem sintomas que apresentam relação de fluxo pulmonar e sistêmico (Qp / Qs) de 2: 1.


Comunica o interventricular

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR


Comunica o interventricular1

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Fechamento espontâneo em 50-60% dos casos.

  • Classificação:

    - Perimembranosa: De via de entrada ou de via de saída. (Mais comum – 80%)

    - Muscular : de via de entrada ou de via de saída.

    -Duplamente relacionada


Comunica o interventricular2

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Fisiopatologia:

    Desvio do sangue das cavidades esquerdas para as direitas.

    No início, como a resistência pulmonar ainda está aumentada o shunt ainda não é tão importante. Com o tempo a túnica muscular das arteríolas pulmonares involuem e a pressão no leito pulmonar diminui.


Comunica o interventricular3

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • CIV pequena: Relação fluxo pulmonar e fluxo sistêmico é inferior à 1,75:1 (CIV 1/3 do diâmetro da aorta)

  • CIV moderada: O fluxo pulmonar é o dobro do sistêmico (CIV metade ou ¾ do diâmetro da aorta)

  • CIV grande:Fluxo igual ou superior ao sistêmico (Diâmetro igual ou superior ao da aorta).


Comunica o interventricular4

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Manifestações clínicas:

    - Geralmente assintomática;

    - Nas grandes ocorre hipertensão pulmonar, dispnéia, taquicardia, sudorese, infecções respiratórias e IC.


Comunica o interventricular5

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

- Ictus deslocado lateral e inferiormente;

- Frêmito paraesternal;

- SS em BEEI holossistólico;

- 2ª bulha hiperfonética na CIV grande;


Comunica o interventricular6

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Diagnóstico:

    - Raio-x na CIV grande: Cardiomegalia, artéria pulmonar aumentada e intensificação da trama vascular pulmonar;

    - Ecocardiograma: Avalia a anatomia do defeito e os componentes hemodinâmicos com o Doppler


Comunica o interventricular7

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Diagnóstico:

    - ECG: Sobrecarga biventricular ou de VE com crescimento atrial.

    - Indicações de cateterismo: Determinar magnitude do Shunt; Suspeita de associação com outros defeitos; Estudo da pressão Pulmonar


Comunica o interventricular8

COMUNICAÇÃO INTERVENTRICULAR

  • Conduta:

    - Profilaxia de Endocardite bacteriana;

    - Uso de diuréticos, digitálicos e restrição hídrica

    - Cirurgia: Quando não se tem controle clínico adequado; Criança > 2 anos com Qp:Qs maior que 2:1.

    - Cerclagem paliativa da artéria Pulmonar.


Persist ncia do canal arterial

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL


Persist ncia do canal arterial1

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL

  • Fechamento funcional: 12 horas de vida

  • Fechamento anatômico: dentro de 14 a 21 dias.

  • PCA: Mais comum em mulheres e está associada à síndrome da rubéola congênita.


Persist ncia do canal arterial2

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL

  • Fisiopatologia:

    Quando são ductos grandes, até

    70 % do débito cardíaco de VE pode atingir a circulação pulmonar e desenvolver doença vascular pulmonar.


Persist ncia do canal arterial3

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL

  • Manifestações clínicas:

    - Pulso com amplitude aumentada

    - Precórdio hiperdinâmico

    - Sopro sistólico, descrito como contínuo.


Persist ncia do canal arterial4

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL

  • Diagnóstico:

    - Raio – x: Aumento das câmaras esquerdas, da trama vascular pulmonar e da aorta ascendente.

    - ECG: Sobrecarga biventricular ou com predomínio de VE

    - Ecocardiograma: Determina tamanho anatômico da lesão.


Persist ncia do canal arterial5

PERSISTÊNCIA DO CANAL ARTERIAL

  • Conduta:

    - Fechamento do canal arterial: cirurgia ou intervenção hemodinâmica.

    - Indicada no primeiro ano de vida.


Defeito no septo atrio ventricular

DEFEITO NO SEPTO ATRIO-VENTRICULAR


Defeito no septo atrio ventricular1

DEFEITO NO SEPTO ATRIO-VENTRICULAR

  • Defeito nesse septo podem causar CIA, CIV e fendas nas valvas mitral ou tricúspede.

  • Duas formas: Completa ou parcial.

  • Parcial: CIA tipo ostium primum. É similar ao CIA tipo ostium secundum.

    Mas ECG diferente. Este apresenta anormalidades relacionadas à formação do feixe de HIS.


Defeito no septo atrio ventricular2

DEFEITO NO SEPTO ATRIO-VENTRICULAR

  • Completa: CIA, CIV e incompetências da valva A-V. O shunt é determinado pelo nível da resistência vascular pulmonar.

    - Mais comum em Síndrome de Down.

  • Fisiopatologia:

    Sobrecarga de volume em câmaras esquerdas pelo CIV e parcialmente pela regurgitação valvar. A sobrecarga de câmaras direitas ocorre devido a CIA e desenvolvimento de hipertensão pulmonar precoce.


Defeito no septo atrio ventricular3

DEFEITO NO SEPTO ATRIO-VENTRICULAR

  • Manifestações clínicas:

    Precórdio hiperdinâmico e sopros sistólico de CIV e regurgitação da valva A-V, hiperfonese de B2.

  • Diagnóstico:

    - Ecocardiograma

    - Cateterismo


Defeito no septo atrio ventricular4

DEFEITO NO SEPTO ATRIO-VENTRICULAR

  • Tratamento: Cirúrgico preferencialmente no primeiro ano de vida.

    - A bandagem da artéria pulmonar pode ser medida paliativa.


Refer cias bibliogr ficas

REFERÊCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Miyague N. I,Cardoso S. M.,Meyer F., Ultramari F. T.,Araújo F. H., Rozkowisk I., Toschi A. P. Estudo Epidemiológico de Cardiopatias Congênitas na Infância e Adolescência. Análise em 4.538 Casos.Arq Bras Cardiol, volume 80 (nº 3), 269-73, 2003

  • ZIELINSKY, Paulo. Malformações cardíacas fetais. Diagnóstico e conduta. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 1997, v. 69, n. 3 [cited 2009-02-14], pp. 209-218.

  • Moss and Adams. Heart Disease in Infants, Children, and Adolescents. Including the Fetus and Young Adult. Volume 1. Fifth Edition. Williams & Wilkins - 1995.

  • Carlos A. C. Pedra, Sérgio L. N. Braga, Simone F. Pedra, César A. Esteves, Maria Virgínia T. Santana, Valmir F. Estado atual da oclusão percutâneado canal arterial, da comunicação interatrial tipo “Ostium secundum” e da comunicação interventricular. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo - Vol 15 - No 5 - Setembro/Outubro de 2005.


Obrigado

OBRIGADO!!!!


  • Login