depress o e exerc cio f sico
Download
Skip this Video
Download Presentation
Depressão e Exercício Físico

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

Depressão e Exercício Físico - PowerPoint PPT Presentation


  • 126 Views
  • Uploaded on

Depressão e Exercício Físico. Bruno Borges Hernandes R2 Medicina Esportiva. Depressão. Conceito :

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Depressão e Exercício Físico' - cricket


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
depress o e exerc cio f sico

Depressão e Exercício Físico

Bruno Borges Hernandes

R2 MedicinaEsportiva

depress o
Depressão
  • Conceito:

- Definidacomo um transtorno de humor grave e frequente “quepodeiniciarvagarosamente, assemelhando-se a umatristezamaisintensa, acompanhada de vários outros sintomas, comodesinteresse, alterações do apetite e do sono, e dificuldade de concentração”.

( Nardi,1998 )

depress o1
Depressão
  • Episódios depressivos, por um período mínimo de 2 semanas, associado a, pelo menos, 4 sintomas como:
  • Alterações do apetite ou peso,
  • Sono e atividade psicomotora,
  • Diminuição de energia,
  • Sentimentos de desvalia ou culpa,
  • Dificuldade para pensar, concentrar-se ou tomar decisões,
  • Pensamentos recorrentes de morte ou ideação suicida.
depress o2
Depressão
  • Afeta 9,5% da pop. adulta por ano e é estimado que aprox 17% da pop. sofrerá de um episódio em algum momento da vida.
  • Ppais causas de afastamento do trabalho (US$ 40 bi c/ tto e produtividade).
  • 2° maior causa de invalidez e morte prematura em paises desenvolvidos para o ano de 2020 segundo “ The global BurdenofDiseaseStudy”
depress o3
Depressão
  • Opções terapêuticas:

- Fármacos:

1. Inibidores Seletivos da Recaptação da serotonina

2. Tricíclicos

3. Inibidores da MAO

- Psicoterapias: Interpessoal, cognitiva comportamental, psicodinâmica.

- Eletroconvulsoterapia ( ECT )

depress o4
Depressão
  • Apesar de existirem inúmeras combinações e possibilidades farmacológicas e terapêuticas, os fármacos apresentam em média, uma taxa insatisfatória de respostas, na qual aprox. 50% dos pac não respondem adequadamente à primeira tentativa ( aprox 30% por não reduzirem os sintomas e 20 % por abandonarem o tto )

Sartorius e col, 2007

  • ECT , apesar de altas taxas de resposta ( 70-90%), é um método invasivo, que apresenta alguns riscos e para-efeitos importantes.

Sartorius e col, 2007

depress o5
Depressão
  • Uma boa resposta é definida como uma redução de 50% dos sintomas observados através de escalas de avaliação de depressão, enquanto a remissão é definida como uma melhora total.
depress o e ef
Depressão e EF
  • Desde a déc 70, diversos estudos tem mostrado a eficácia e a segurança do exercício no tto do transtorno depressivo.

- Greist e cols ,1979: exercício aeróbico melhoram os sintomas tão quanto psicoterapias.

- Dunn e cols ,2005: efeitos das diferentes intesidades.

- Bx intensidade = placebo

- moderada a alta intensidades = psicofármacos, tanto em redução de sintomas como em taxa de resposta e remissão

depress o e ef1
Depressão e EF
  • Tipo de exercício:

- Todas meta-análises concluem que tanto o exercício aeróbico quanto anaeróbico parecem exercer o mesmo efeito positivo sobre a depressão.

  • EF e Fármacos:

- têm o mesmo tamanho de efeitos

- associações parecem não ter efeito adicional.

depress o e ef2
Depressão e EF
  • Blumenthal ,2007:

- observou que o uso de medicações ( Sertralina ) apresentou resultados mais rápidos porém teve maior frequência de efeitos colaterais.

- o seguimento de 10 meses após a intervenção mostrou que os efeitos do exercício parecem ser mantidos, tendo menores taxas de recaída, comparados aos pac que utilizavam apenas fármacos.

depress o e ef3
Depressão e EF

Características como duração, intensidade, frequência ou tipo de exercício não altera o resultado.

O único fator modificador é o tempo do programa de treinamento. Programas ≥ 9 meses obtiveram maiores reduções de sintomas.

Idade, sexo ou severidade da depressão tb não apresentaram diferença.

mecanismos
Mecanismos
  • Os mecanismos antidepressivos do EF podem ser divididos em 2 grupos:
  • Biológicos: Hipótese termogênica, hipótese da endorfina, hipótese das monoaminas e atrofia do hipocampo.
  • Psicossociais: hipótese da distração e hipótese da auto-eficácia.
hip tese termog nica
Hipótese Termogênica
  • Sugere que o ↑ da temperatura central com o EF é responsável pela redução dos sintomas.
  • DeVries, 2008: observou que o ↑ da temp em regiões específicas do cérebro, como o tronco cerebral, pode levar à sensação de relaxamento e redução da tensão muscular.
  • Hipótese mais relacionada a ansiedade do que depressão
hip tese da endorfina
Hipótese da Endorfina
  • Sugere que o ↑ da liberação de β-endorfina após o EF reduz os sintomas da depressão.
  • A β-endorfina é relacionada ao humor e sensação de bem-estar.
  • A crítica está no qto a elevação de β-endorfina plasmática reflete na atividade cerebral e mais estudos são necessários para avaliar se essa liberação é a responsável pelo efeito antidepressivo.
hip tese das monoaminas
Hipótese das Monoaminas
  • Brooks e cols 1999,2001, 2003:

- sugere que o EF traria alterações adaptativas no funcionamento do sist. Serotoninérgico (5-HT), ↑ a biodisponibilidade de neurotransmissores cerebrais (serotonina, dopamina, norepinefrina) causando um down-regulation dos receptores pós-sinápticos da recaptação da serotonina.

hip tese da atrofia do hipocampo
Hipótese da atrofia do Hipocampo
  • Estudos de neuro-imagem vem mostrando que a depressão está associada a uma atrofia do hipocampo ( Sheline, 1996) e redução dos níveis séricos de BDNF - Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro – neurotrofina responsável pelo cresciemnto e maturação neuronal.
  • Estudos sugerem que uma sessão aguda de exercício aeróbico ↑ os níveis de BDNF. Outro estudo demonstrou que 5 semanas de exercício de força tb ↑ os níveis em jovens sedentários
distra o
Distração
  • Craft, 2005:

- O EF serve como distração momentânea das preocupações e pensamentos negativos.

  • Legrand, 2007:

- verificou não haver diferença em pac deprimidos que se exercitaram sozinhos ou em grupo.

auto efic cia
Auto-eficácia
  • Auto-eficácia significa em acreditar que possue as habilidades necessárias para concluir uma tarefa e que esta tarefa possa ser concluída da maneira programada.
  • O EF ↑ a sensação de eficiência generalizada e sensação de realização.
considera es pr ticas
Considerações práticas
  • Com o ↑ das evidências que suportam a eficácia da intervenção comportamental em reduzir os sintomas da depressão.
  • O EF deve ser encourajado como terapia adjunta, contudo algumas considerações devem ser observadas:
considera es pr ticas1
Considerações práticas
  • Pac. c/ depressão é tipicamente sedentário e c/ falta de motivação para iniciar programa de exercício.

- ACSM sugere 30´ ou +, no mínimo 5 dias c/ intensidade moderada.

- Porém meta-análises mostraram que a prescrição de 20´ por 3x/sem c/ intensidade moderada é suficientep/ reduzir sintomas ( RECOMENDAÇÂO INICIAL )

considera es pr ticas2
Considerações práticas
  • Sempre iniciar devagar e escolher uma atividade que lhe agrade.
  • Encourajar o paciente a trabalhar primeiro a frequência (3x/s) em um pace confortável até se sentir confiante p/ ↑ gradativamente

- intensidades de 60-80% Fcmáx produz melhores resultados e mantém o envolvimento do paciente c/ à atividade mais do que exercícios mais intensos.

considera es pr ticas3
Considerações práticas

4. O médico sempre deve perguntar ao paciente seu envolvimento e enfatizar cada aspecto positivo que o paciente relatar de suas experiências.

ad