Homens, cuidado, saúde e direitos
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 22

Enfermagem na Saúde do Homem Prof. Bruno Barbosa PowerPoint PPT Presentation


  • 72 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Homens, cuidado, saúde e direitos sexuais e reprodutivos: a importância do homem durante a gravidez e parto. Enfermagem na Saúde do Homem Prof. Bruno Barbosa. A FUNÇÃO SOCIAL DO PAI. A função social do pai é socializar o filho, separá-lo da mãe.

Download Presentation

Enfermagem na Saúde do Homem Prof. Bruno Barbosa

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Enfermagem na sa de do homem prof bruno barbosa

Homens, cuidado, saúde e direitossexuais e reprodutivos: a importância do homem durante a gravidez e parto

Enfermagem na Saúde do Homem

Prof. Bruno Barbosa


A fun o social do pai

A FUNÇÃO SOCIAL DO PAI

  • A função social do pai é socializar o filho, separá-lo da mãe.

  • Como guia companheiro e intérprete do novo mundo da criança, o pai não só ajuda a estabelecer a sua percepção deste mundo, como também o êxito do seu funcionamento nele.


Pontos de partida

Pontos de partida

  • Entre o cuidado e o auto-cuidado

  • Homens e socialização para o cuidado

  • Paternidade = Muro de silêncio – ausência de dados e apoio em instituições

  • O exercício da paternidade é uma experiência enriquecedora para os homens

  • Paternidade na adolescência – informação e apoio

  • Campo dos direitos reprodutivos


Direitos sexuais e direitos reprodutivos

Direitos sexuais e direitos reprodutivos

  • Constituição Brasileira:

  • No capítulo VII, artigo 226:

  • § 5º - fala sobre direitos e deveres iguais para homens e mulheres na sociedade conjugal;

  • § 7º - fala da paternidade responsável, liberdadedo casal para fazer o planejamento familiar e deveres do estado para com o exercício deste direito.


Direitos sexuais e direitos reprodutivos1

Direitos sexuais e direitos reprodutivos

  • direito individual de mulheres e homens em decidir sobre se querem, ou não, ter filhos/as, em que momento de suas vidas e quantos/as filhos/as desejam ter.

  • direito de tomar decisões sobre a reprodução, livre de discriminação, coerção ou violência

  • direito de homens e mulheres participarem com iguais responsabilidades na criação dos/as filhos/as.

  • direito a serviços de saúde pública de qualidade e acessíveis, durante todas as etapas da vida.

  • direito a adoção e ao tratamento para a infertilidade.

  • Direitos sexuais e direitos reprodutivos


Direitos sexuais e direitos reprodutivos como direitos humanos a consolida o de um campo

Direitos sexuais e direitos reprodutivos como direitos humanos: a consolidação de um campo

  • Conceitos indissociáveis

  • Ampliam a noção de “saúde reprodutiva”

  • Os direitos reprodutivos são direitos básicos dos cidadãos e cidadãs.

  • Relacionam-se ao livre exercício da sexualidade e da reprodução humana – se, quando, como e com quem.


Enfermagem na sa de do homem prof bruno barbosa

“os direitos das mulheres [e homens] de exercer sua sexualidade e regular sua

capacidade reprodutiva, bem como exigir que

os homens assumam responsabilidade pelas

conseqüências do exercício de sua própria

sexualidade”

(CASTILHO, 2000).


Direitos sexuais e reprodutivos no contexto das pol ticas p blicas

Direitos sexuais e reprodutivos nocontexto das políticas públicas

  • Isso implica em obrigações positivas para promover o acesso à informação e aos meio necessários para viabilizar as escolhas - exige ações diretas ao Estado.

  • compreende o acesso a um serviço de saúde que assegure informação, educação e meios, tanto para o planejamento reprodutivo, quanto para a procriação sem riscos para a saúde.

  • Implica também em obrigações negativas - o Estado, além de ter que coibir práticas discriminatórias que restrinjam o exercício do direito à livre orientação sexual (tanto no âmbito estatal quanto das relações sociais), não deve regular a sexualidade, bem como as práticas sexuais.


Paternidade revendo conceitos

Paternidade: revendo conceitos

  • Paternidade = autoridade/ Provedor financeiro X Cuidado

  • Se os homens cuidassem mais dos filhos a situação seria diferente?

  • Natureza masculina? Pai animal – cavalo marinho

  • Síndrome de “couvade”

  • Paternidade - vista em geral pela negação: exame de DNA (Eu não sou o pai!)

  • “Pai biológico” e “pai de atitude”


Paternidade princ pios

Paternidade: princípios

  • É preciso entender o cuidado do ponto de vista dos homens

  • Gravidez não é sinônimo de maternidade

  • Nem toda gravidez é, por princípio, indesejável

  • Informar e apoiar são ações fundamentais

  • Evitar generalizações

  • Paternidade não como dever, mas como desejo, direito e compromisso.


Paternidade princ pios1

Paternidade: princípios

  • É preciso refletir sobre os processos de socialização dos meninos e os jogos infantis que promovem a violência e reprimem o exercício do cuidado;

  • É preciso refletir sobre a participação dos homens, no contexto do cuidado, de um modo mais amplo, incluindo contextos domésticos e familiares, bem como públicos (educação infantil, creches etc.)

  • É preciso refletir sobre a família no plural, para além do modelo heteronormativo de família nuclear.


Paternidade princ pios2

Paternidade: princípios

  • É preciso compreender o exercício do cuidado no contexto das atribuições de gênero e da divisão sexual do trabalho: homens estão para a produção assim como mulheres para a reprodução.

  • É preciso estar atento às formas diversas de invisibilidade de experiências de cuidado, desenvolvidas por homens, especialmente no contexto dos serviços de pré-natal, parto, puerpério e pediatria.


A gesta o e o pai

A gestação e o pai

  • Novos estudos têm realçado o papel do pai na gravidez. Durante a gestação, a relação com um homem carinhoso e sensível proporciona à mulher e ao filho um sistema constante de apoio emocional.

  • Não há nada que afete mais profundamente uma mulher grávida e o seu filho intra-uterino, como as preocupações com o companheiro.

  • Portanto, é muito perigoso para uma criança, tanto emocional como fisicamente, um pai que maltrate ou abandone uma mulher grávida.


Participando

Participando...

  • Por evidentes motivos fisiológicos, o homem está em desvantagem na equação pré-natal, mas atos simples podem superar a diferença, como, por exemplo:

    falar com o filho intra-uterino, que tem a capacidade de ouvir desde a 6ª semana de gestação. E o recém-nascido é capaz de reconhecer a voz do pai.


Contexto emocional

Contexto emocional

  • É fundamental, sempre que possível, o acompanhamento de todas as consultas e exames da mãe, bem como a freqüência de cursos de preparação para o nascimento.

  • Estes ajudam no esclarecimento de dúvidas, na adaptação à nova situação e no ensino da preparação para o nascimento propriamente dito.

  • Uma outra dificuldade com que o pai se depara é com o aumento de sensibilidade da mãe, com a possibilidade de crises de choro, com a instabilidade emocional e com uma maior necessidade de proteção. Neste sentido, é ideal que as manifestações de afeto sejam recíprocas, pois o pai também sente necessidade de afeto e de compreensão.


O parto

O parto

  • O parto propriamente dito é alvo de variadas discussões, desde a presença ou não do pai, à ajuda que pode desempenhar durante o mesmo.

  • A presença do pai no parto deve ser discutida entre o casal antes do nascimento, sendo de comum acordo e nunca deve ser uma decisão a tomar no momento exato do nascimento.


Paternidade e as leis

Paternidade e as leis

  • O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou em novembro de 2008, a lei 11.804, que obriga o pai a dar toda assistência à mãe da criança durante a gravidez. Antes, somente após o nascimento do filho existia esta obrigação.

  • Agora, o futuro pai terá que pagar todas as despesas durante os nove meses de gestação e assumir gastos como alimentação especial, assistência médica e psicológica, exames complementares, internações, parto e medicamentos.


Paternidade e as leis1

Paternidade e as leis

  • A lei permite que a mulher recorra à Justiça para ter acesso a esse direito, chamado de alimentos gravídicos. O pai terá que se apresentar ao juiz em até cinco dias e, durante a audiência, será fixada o valor da pensão a ser paga neste período.

  • A condição econômica do pai será levada em conta. A mulher também deverá contribuir e ajudar nessas despesas. Hoje, as mulheres só podem requerer a pensão após o nascimento do filho e depois da comprovação, por exame de DNA, da paternidade.

  • A lei diz que o juiz fixará o valor após estar convencido da existência dos "indícios da paternidade”.


Paternidade e as leis2

Paternidade e as leis

  • Recentemente também, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou o Projeto de Lei nº 3829/09, de autoria de seu atual presidente Arlindo Chinaglia que dispõe sobre a estabilidade provisória no empregado trabalhador cuja companheira estiver grávida.

  • O referido Projeto de Lei garante a estabilidade no emprego, pelo período de 12 (doze) meses, ao trabalhador cuja esposa ou companheira estiver gestante. A estabilidade deverá ocorrer a partir da data da concepção presumida declarada por laudo médico emitido por profissional vinculado ao Sistema Único de Saúde (SUS).

  • O empregador que não cumprir com as exigências determinadas no Projeto de Lei será compelido a pagar multa equivalente a 18 (dezoito) meses de remuneração do empregado, sem prejuízo das demais sanções legalmente previstas.


Paternidade e as leis3

Paternidade e as leis

  • Tais leis estão em consonância com os mandamentos constitucionais, visto que o Código Civil não fala mais em pátrio poder, e sim poder familiar, igualando pai e mãe e direitos e deveres.

  • Art. 1.630. Os filhos estão sujeitos ao poder familiar, enquanto menores.

  • Art. 1.631. Durante o casamento e a união estável, compete o poder familiar aos pais; na falta ou impedimento de um deles, o outro o exercerá com exclusividade.

  • Assim, se pai e mãe possuem os mesmos deveres em relação aos filhos, também merecem ter os mesmos direitos, sob pena de se discriminar situações idênticas - a relação entre pais e filhos.

  • b) A licença paternidade é um direito constitucionalmente previsto


Paternidade e as leis4

Paternidade e as leis

  • O artigo 7° da Constituição da República diz:

  • Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

    XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias;

  • Existem ainda dispositivos legais que tratam da licença paternidade.

  • A licença-paternidade de 5 (cinco) dias foi concedida pela Constituição Federal/88 em seu artigo 7º, XIX e art. 10, § 1º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias - ADCT, o que até então era de 1 (um) dia conforme estabelecia o artigo 473, III da CLT.


Paternidade e as leis5

Paternidade e as leis

  • Quando o nascimento da criança ocorrer nos dias em que se aproxima o término das férias e a contagem dos 5 (cinco) dias ultrapassarem-no, deve-se conceder a licença-paternidade, ou seja, o empregado deverá retornar ao trabalho após o trânsito dos 5 (cinco) dias da data do nascimento da criança.

  • Ocorrendo o nascimento da criança em dias que antecedem o início do gozo das férias e adentrar a este início, este deverá ser protelado para o 6º (sexto) dia de trabalho subseqüente.

  • A contagem da licença-paternidade deve iniciar-se em dia útil a partir da data do nascimento da criança. Dia útil porque é uma licença remunerada, na qual o empregado poderá faltar ao trabalho sem implicações trabalhistas, conforme determina o artigo 473, III da CLT, não existindo coerência na insistência em iniciar a licença-paternidade em dia não útil, na qual o empregado não teria da mesma forma prejuízo no seu salário.


  • Login