Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 24

Geração da variabilidade genética – Aberração numérica PowerPoint PPT Presentation


  • 96 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Geração da variabilidade genética – Aberração numérica. Disciplina: Genética Geral – BEG 5438 Prof: Giorgini A. Venturieri – Eng. Agro. PhD. NUMÉRICAS. ESTRUTURAIS. As aberrações podem ser:.

Download Presentation

Geração da variabilidade genética – Aberração numérica

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

Geração da variabilidade genética – Aberração numérica

Disciplina: Genética Geral – BEG 5438

Prof: Giorgini A. Venturieri – Eng. Agro. PhD


As aberra es podem ser

NUMÉRICAS

ESTRUTURAIS

As aberrações podem ser:


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

CariótiposRepresentação fotográfica dos cromossomos de uma célula depois de terem sido reunidos por pares de cromossomos idênticos e classificados por dimensão. Conjunto dos cromossomos de um indivíduo.


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

  • Cariótipos comparados entre espécies relacionadas ou populações isoladas tem mostrado muita semelhança, com diferenças pequenas na forma de alguns cromossomos, ou no seu número

Filogenia do gênero Clarkia inferida com base em ploidias


Aberra es num ricas euploidias

Podem ser:

Autopoliplóides: quando um único genoma é repetido. Autotriplóides; Autotetraplóides etc.

Alopoliplóides: quando ocorrem dois ou mais genomas diferentes. Alotriplóide; Alotetraplóide etc. (figura)

Aberrações numéricas- Euploidias -

Euploides: as células 2n são um múltiplo exato do número básico de cromossomos (n).

Exemplos:

Chryzanthemum tem n = 9 e são conhecidas espécies com 18, 36, 54, 72 e 90 cromossomos

Solanum tem n = 12 e são conhecidas espécies com 24, 36, 48, 60, 72, 96, 108, 120 e 144 cromossomos.

Quanto ao múltiplo de “n” são chamados de: 2 x diplóide, 3 x triplóide, 4 x tetraplóide, 5 x pentaplóide, 6 x hexaplóide. Acima de 2 x são chamados genericamente de poliplóides


Autopoliploidia e alopoliploidia

AA

BB

AB

anfidiplóide (estéril)

AABB

anfitetraplóide (fértil)

AAAA

Autopoliplóide(fértil)

Autopoliploidia e Alopoliploidia


H brido entre rabanete e repolho raphanobrassica

Híbrido entre rabanete e repolho = Raphanobrassica


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

Os Alopoliplóides surgem pela duplicação dos cromossomos após um cruzamento interespecífico. Ocorrem freqüentemente na natureza.

Exemplos:

algodão sul-americano (alotetraplóide 2n = 26, com genoma de uma espécie asiática (Gossipium herbaceum) com uma americana do Peru (G. raimondi)

Triticum aestivum tem o genoma AABBDD. É um alohexaplóide (2n = 6x = 42) derivado do cruzamento das espécies T. monococcum (genoma A), Aegilops speltoides (genoma B) e Aegilops aquarrosa (genoma D);

Raphanobrassica tem o genoma de rabanete (Raphanus sativus , 2n = 18) e Brassica oleracea repolho (2n = 18);

Triticales:Triticum aestivum (genoma ABD) com Secale cereale (genoma R) seguido de poliploidização, dando AABBDDRR (menos promissor)

Triticum durum (genoma AABB) com Secale cereale (genoma RR) dando AABBRR (mais promissor)


M todos de indu o de ploidias

Métodos de indução de ploidias

  • Tratamento com colchicina: Inibe a formação da tubulina, proteína que forma as fibras do fuso. Sem estas fibras, as cromátides irmãs não conseguem ser eficientemente separadas na anáfase meiótica.

  • Fusão de protoplastos: Células cultivadas em meio líquido tem as suas paredes celulares digeridas e depois induzidas a se fundirem por eletroporação ou modificações nas concentrações de sais no meio. Depois estas células são regeneradas em plantas.

  • Aumento de temperatura no ato da fecundação


Forma o de tripl ides

Formação de triplóides

São geralmente estéreis devido a problemas no pareamento dos cromossomos). Podem ser obtidos por:

- Junção de células diplóides com haplóides pela fusão de protoplastos

- Pelo cruzamento de animais ou plantas tetraplóides (2 n = 4 x; gametas n = 2 x) com diplóides (2n = 2 x; gametas n = x). Dariam como resultado autotriplóides (ex. melancia sem sementes, ostra triplóide)

- Fertilização do óvulo por dois núcleos espermáticos

- Fertilização por gametas não reduzidos


Exemplos de tripl ides agron micos

Exemplos de triplóides agronômicos

  • Bananas:

    Musa acuminata (genoma AA), deu origem a varias variedades: AAA: Gros Michel, Caru-verde, Nanica, Nanicão, Valery

    AAAA: IC2

    Musa balbisiana (genoma BB), deu híbrido triplóide com M.acuminata: AAB: Maçã, Branca, Plátanos, ABB: Figo-cinza; Figo-vermelha

    Truta marrom (Salmo trutta) genoma 3n)


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

  • Musa acuminata

  • Variedade Gros Michale (genoma AAA)


Gera o da variabilidade gen tica aberra o num rica

Musa balbisiana (genoma BB)

Variedade Figo (genoma BBB)


Forma o de ostras e camar es e peixes tripl ides

Formação de ostras e camarões e peixes triplóides

  • Evita-se o prosseguimento da meiose do gameta feminino que o mantém como diplóide seguido da fertilização com o espermatozóide normal. Isto é conseguido pelo tratamento com cytochalasina B ou choque térmico dos óvulos simultaneamente a fertilização.


Truta marrom salmo trutta

Truta marrom (Salmo trutta)


Aberra es num ricas aneuploidia

Aneuplóides: possuem em suas células somáticas um ou mais cromossomos adicionais ou em falta.

Podem ser causadas por:

a) retardamento dos cromossomos durante a anáfase

b) não disjunção ou seja, não segregação de cromossomos durante a meiose de organismos diplóides.

c) Assinápse, ou seja, o não pareamento de cromossomos homólogos na meiose (figura)

d) Irregularidades na distribuição de cromossomos durante a meiose de organismos poliplóides com número ímpar de cromossomos do genoma básico tais como triplóides, pentaplóides etc. (figura)

Aberrações numéricas- Aneuploidia -


Fatores que podem levar a forma o de aneupl ides

Fatores que podem levar a formação de aneuplóides


Triss micos em datura estramonium

Trissômicos em Datura estramonium


Meiose em tripl ides

Meiose em Triplóides


Tipos de aneupl ides

Trissômicos: apresentam um dos cromossomos em triplicata. Assim como os Monossômicos, são utilizados para a localização de genes específicos (ex. Datura estramônio).

Outras denominações de aneuplóides e respectivas constituições cromossômicas (ver tabela)

Monossômico: deficientes em um cromossomo ex. 2n = 2x -1. Este tipo tem sido encontrado em humanos, diversos tipos de animais e vegetais. Geralmente é letal e normalmente encontrado em organismos poliplóides porque cromossomos homeólogos suprem a deficiência (ver tabela)

Tipos de aneuplóides


Denomina es de aneupl ides e constitui es cromoss micas

Denominações de aneuplóides e constituições cromossômicas


Cromossomos home logos ex trigo

Cromossomos homeólogos Ex. Trigo


Caracter sticas dos polipl ides

Características dos poliplóides

  • Maior volume nuclear

  • Partes reprodutivas e vegetativas agigantadas

  • Fertilização reduzida

  • Alterações nos constituintes químicos

  • Diminuição da velocidade de crescimento


Ocorr ncia das ploidias

Ocorrência das ploidias

  • As ploidias são freqüentes em plantas (2/3 de todas as espécies de gramíneas são poliplóides), mas raras em animais. Acredita-se que nos animais há: Distúrbios nos mecanismos de determinação do sexo; Barreiras para a fertilização cruzada; Barreiras histológicas.

  • Quando ocorrem nos animais são sobre os inferiores e em mosaicos. Nas plantas geralmente corre no indivíduo todo.


  • Login