Universidade Federal do Espírito Santo
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 40

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Universitário Norte do Espírito Santo PowerPoint PPT Presentation


  • 94 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Universitário Norte do Espírito Santo. ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA. AULA 7 ORIGEM E ESTRUTURA DAS CÉLULAS EUCARIÓTICAS. Profa. Karina Carvalho Mancini Prof. Vander Calmon Tosta. ÚLTIMO ANCESTRAL COMUM. ORGANISMOS UNICELULARES

Download Presentation

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Universitário Norte do Espírito Santo

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

Universidade Federal do Espírito Santo

Centro Universitário Norte do Espírito Santo

ORIGEM E EVOLUÇÃO DA VIDA

AULA 7

ORIGEM E ESTRUTURA DAS CÉLULAS EUCARIÓTICAS

Profa. Karina Carvalho Mancini

Prof. Vander Calmon Tosta


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

ÚLTIMO ANCESTRAL COMUM

ORGANISMOS UNICELULARES

SEM PROTEÇÃO DE SEU MATERIAL GENÉTICO (DNA)

SEM ORGANELAS MEMBRANOSAS CITOPLASMÁTICAS (SOMENTE RIBOSSOMOS)

SEM FLEXIBILIDADE (RÍGIDA PAREDE CELULAR)

CONTINUANDO DA AULA ANTERIOR...


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

ÚLTIMO ANCESTRAL COMUM

ORGANISMOS UNICELULARES E MULTICELULARES

CÉLULAS COM PROTEÇÃO DE SEU MATERIAL GENÉTICO (NÚCLEO E CROMATINA)

CÉLULAS COM ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS MEMBRANOSAS

CÉLULAS COM FLEXIBILIDADE (SEM PAREDE CELULAR E COM CITOESQUELETO)

CONTINUANDO DA AULA ANTERIOR...


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

BACTÉRIAS E ARCHAEBACTÉRIAS

ORGANISMOS UNICELULARES

SEM PROTEÇÃO DE SEU MATERIAL GENÉTICO (DNA)

SEM ORGANELAS MEMBRANOSAS CITOPLASMÁTICAS (SOMENTE RIBOSSOMOS)

SEM FLEXIBILIDADE (RÍGIDA PAREDE CELULAR)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

ORGANISMOS UNICELULARES E MULTICELULARES

CÉLULAS COM PROTEÇÃO DE SEU MATERIAL GENÉTICO (NÚCLEO E CROMATINA)

CÉLULAS COM ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS MEMBRANOSAS

CÉLULAS COM FLEXIBILIDADE (SEM PAREDE CELULAR E COM CITOESQUELETO)

EUCARIOTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

BACTÉRIA

PERDA DA PAREDE CELULAR

INVAGINAÇÃO DE MEMBRANA

COMPARTIMENTALIZAÇÃO DO DNA

SE SÃO EUCARIOTOS, ENTÃO POSSUEM NÚCLEO...

COMO SURGIU ESSA ESTRUTURA??

Hipótese cariogênica

Origem a partir de uma única linhagem celular (bactéria)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PERDA DE PAREDE CELULAR E ENDOCITOSE

SIMBIOSE E ORIGEM DO NÚCLEO

BACTÉRIA

ARCHAEBACTÉRIA

Teoria mais aceita...

Genes de atuação citoplasmática semelhantes à genes de bactérias Genes de atuação nuclear semelhantes à genes de archaebactérias

SE SÃO EUCARIOTOS, ENTÃO POSSUEM NÚCLEO...

COMO SURGIU ESSA ESTRUTURA??

Hipótese endocariótica

Origem a partir de mais de uma linhagem celular por endosimbiose


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

SE SÃO EUCARIOTOS, ENTÃO POSSUEM NÚCLEO...

PERAÍ...

E AS CÉLULAS VEGETAIS QUE POSSUEM PAREDE CELULAR?? COMO SÃO EUCARIÓTICAS??

AH....

INICIALMENTE, AS ‘CÉLULAS VEGETAIS PRIMITIVAS’ NÃO POSSUIAM PAREDE CELULAR E REALIZAVAM ENDOCITOSE!! COM A EVOLUÇÃO, ESSAS CÉLULAS READQUIRIRAM A PAREDE CELULAR E PERDERAM A CAPACIDADE DE ENDOCITOSE...


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

SE SÃO EUCARIOTOS, ENTÃO POSSUEM NÚCLEO...

QUAIS AS VANTAGENS EVOLUTIVAS DE SE POSSUIR UM NÚCLEO?

  • Compartimentalização do material genético (DNA)

  • Proteção mecânica do material genético (movimentos e choques)

  • Organização espacial do material genético

  • Barreira seletiva entre núcleo/citoplasma

  • Separação dos processos de transcrição e tradução


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

µm = 0,001mm

nm = 0,000001mm

20mm

0,0000002mm (2x10-7mm)

VAMOS ENTRAR NUM MUNDO MUITO PEQUENO...


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

DIFERENCIANDO OS EUCARIOTOS...

PRESENÇA DE NÚCLEO

MEMBRANA PLASMÁTICA

MITOCONDRIAS

CENTRÍOLOS

COMPLEXO DE GOLGI

LISOSSOMO

NÚCLEO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PRESENÇA DE NÚCLEO

O QUE É O NÚCLEO??

DE QUE É FORMADO??

MEMBRANA (envoltório nuclear)

DNA+PROTEÍNAS (cromatina)

CROMATINA+RNAr (nucléolo)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PRESENÇA DE NÚCLEO

MORFOLOGIA DO NÚCLEO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PRESENÇA DE NÚCLEO

MORFOLOGIA DO NÚCLEO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PRESENÇA DE NÚCLEO

MORFOLOGIA DO NÚCLEO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PRESENÇA DE NÚCLEO

MORFOLOGIA DO NÚCLEO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

DIFERENCIANDO OS EUCARIOTOS...

FORMAÇÃO DA CROMATINA

DNA+PROTEÍNAS

O QUE É O DNA??

DESOXIRIBOSE (PENTOSE)

+

GRUPO FOSFATO

+

BASES NITROGENADAS (A-T; C-G)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PROTEÍNAS HISTONAS

PROTEÍNAS HISTONAS

FORMAÇÃO DA CROMATINA

FORMAÇÃO DOS CROMOSSOMOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

DNA

Nucleotídeos

ATCG

TRANSCRIÇÃO

UAGC

RNA

DIFERENCIANDO OS EUCARIOTOS...

SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

BASES

RIBOSE

SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO

RNA mensageiro

(RNAm)

RNA ribossomal

(RNAr)

RNA transportador

(RNAt)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

RNAt

RNAr

AMINOÁCIDOS

RIBOSSOMOS

RNAm

TRADUÇÃO

PROTEÍNA

Aminoácidos

SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO

Do RNA à proteína:

O Código Genético


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

EUCARIOTOS

BACTÉRIAS E ARCHAEBACTÉRIAS

Citoplasma

Núcleo

Citoplasma

DNA

DNA

TRANSCRIÇÃO

TRANSCRIÇÃO

RNAm

Pré-RNAm

TRADUÇÃO

Proteína

RNAm

AAAA

RNAm

TRADUÇÃO

Proteína

SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

Porque sabemos que a vida teve um ancestral único comum?

Sete homologias universais que nos permitem apontar uma ancestralidade única da vida...

A transcrição usa a enzima RNA polimerase com um sistema catalítico homologo em todos os organismos celulares

O DNA é o material genético em todos organismos celulares

O mecanismo de cópia do DNA usa um mecanismo de complementaridade de bases em todos os organismos celulares

A tradução usa um sistema de código genético de três nucleotídeos

Na tradução estão envolvidos tRNAs, mRNAs e ribossomos

O uso de ATP como fonte primordial de energia para se construir DNA e RNA é comum a todos os organismos celulares

Por fim, todos os organismos apresentam uma organização celular


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

MEMBRANA PLASMÁTICA

PAREDE CELULAR

FLAGELO

DNA

RIBOSSOMOS

DIFERENCIANDO OS EUCARIOTOS...

SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS

NOS PROCARIOTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS

NOS EUCARIOTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

SISTEMA DE ENDOMEMBRANAS

NOS EUCARIOTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO

  • Síntese de lipídios

  • Síntese de hormônios esteróides

  • Destoxificação

  • Contração muscular

  • Síntese protéica

  • Modificações de proteínas


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

COMPLEXO DE GOLGI

  • Modificação de proteínas e lipídios

  • Síntese de polissacarídios

    Vegetais – elementos da parede celular

    Animais – elementos da matriz extracelular

  • Seleção, direcionamento, distribuição e transporte desses compostos


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

PEROXISSOMOS

  • Degradação de peróxido de hidrogênio (água oxigenada) à oxigênio molecular e água

  • Metabolismo de lipídios

  • Degradação de ácido úrico (alguns mamíferos e répteis)

  • Fotorrespiração (plantas)


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

LISOSSOMOS

  • Digestão intracelular

Fagocitose ou Pinocitose

Digestão de organelas e macromoléculas danificadas ou em alta concentração

Jejum prolongado


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

VACÚOLO

  • Regulação do tamanho celular

  • Osmorregulação

  • Compartimento de degradação e digestão

  • Estocagem de nutrientes e sub-produtos celulares


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

RIBOSSOMOS

  • Síntese protéica


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

CITOESQUELETO

MICROTÚBULOS

FILAMENTOS INTERMEDIÁRIOS

MICROFILAMNTOS DE ACTINA

  • Manutenção da forma celular

  • Alteração da forma celular

  • Ancoragem e transporte de organelas e vesículas

  • Segregação dos cromossomos na divisão celular

  • Resistência mecânica

  • Locomoção celular

  • Formação de cílios, flagelos, microvilosidades, pseudópodes


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

MITOCÔNDRIAS

  • Respiração celular

    Aproveitamento da energia das ligações da glicose para a produção de ATP


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

CLOROPLASTOS

  • Fotossíntese

    Aproveitamento da energia luminosa para a produção de glicose


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

CÉLULA EUCARIOTA PRIMITIVA

NÚCLEO

ENDOCITOSE SIMBIÓTICA

MITOCÔNDRIAS

BACTÉRIA AERÓBICA

ORIGEM DE MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

CÉLULA EUCARIOTA PRIMITIVA

ENDOCITOSE SIMBIÓTICA

CLOROPLASTOS

BACTÉRIA FOTOSSINTETIZANTE

ORIGEM DE MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS


Universidade federal do esp rito santo centro universit rio norte do esp rito santo

EVIDÊNCIAS DA ORIGEM DE MITOCÔNDRIAS E CLOROPLASTOS

  • Possuem DNA circular;

  • Formam-se por fissão binária, como nas bactérias;

  • A inibição da síntese protéica ocorre pelos mesmos antibióticos bacterianos;

  • O aminoácido iniciador da síntese protéica é a f-metionina, o mesmo das bactérias;

  • São delimitados por dupla membrana, sendo a interna semelhante a das bactérias;

  • O coeficiente de sedimentação dos ribossomos é semelhante ao de bactérias;

  • Nas mitocôndrias, a presença da proteína porina na membrana interna, também encontrada em bactérias;


  • Login