gilberto cunha novembro 2011 orientador dr sim o lottemberg
Download
Skip this Video
Download Presentation
Abuso de Insulina e IGF-1 no Esporte

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 21

Abuso de Insulina e IGF-1 no Esporte - PowerPoint PPT Presentation


  • 99 Views
  • Uploaded on

Gilberto Cunha – Novembro/2011 Orientador: Dr Simão Lottemberg. Abuso de Insulina e IGF-1 no Esporte. Introdução. Abuso de GH no esporte devido suas propriedades anabólicas e lipolíticas é bem conhecido Efeito anabólico ---> IGF-1

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Abuso de Insulina e IGF-1 no Esporte' - chung


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
introdu o
Introdução

Abuso de GH no esporte devido suas propriedades anabólicas e lipolíticas é bem conhecido

Efeito anabólico ---> IGF-1

GH, IGF-1 e insulina: regulação do suprimento de nutrientes para os tecidos no jejum e durante/após a alimentação

insulina no esporte
Insulina no esporte

Insulina e análogos de insulina são amplamente utilizados na prática clínica e sua obtenção é muito fácil

Há pouca informação sobre o uso de insulina por atletas profissionais

As primeiras especulações foram publicados em revistas especializadas em 1996 e comentadas pelo British Journal of Sports Medicine em 1997

slide5

Nagano-98: médico russo indaga se uso de insulina era restrito a DM-1

Dwain Chambers 2008: relatório das substâncias que usava em 2003, escrito por Victor Conte (BALCO): 3UI de lispro após treinos

Dr Eufemiano Fuentes 2006: 200 atletas espanhóis de alto rendimento, incluindo Contador, faziam uso de ergogênicos proibidos

igf 1 no esporte
IGF-1 no esporte

Alto custo e molécula complexa, usados apenas para pesquisas

2 novos compostos foram aprovados pelo FDA para tratamento de dist. do crescimento por deficiência de GH ou IGF-1:

- Mecasermin Tercica (Increlex)

- Mecasermin Rinfabate (Iplex)

slide7
>100.000 sites relacionam seu uso ao halterofilismo, e muitos o comercializam no mercado negro exaltando supostos benefícios:

melhora na energia e endurance

reparo tecidual

hipertrofia

potência sexual

balanço imune

desindade mineral óssea

anti-aging

perda de gordura

reconstrução de cartilagem e reparo ligamentar

rejuvenescimento cutâneo

redução de glicemia

melhora do estresse, humor e agilidade mental

propriedades antiinflamatórias

por que atletas usam insulina e igf 1
Por que atletas usam insulina e IGF-1 ?

90% do IGF-1 endógeno encontra-se ligado a IGFBP-3 --> meia vida aumenta de poucos minutos até > 12h Guler HP, Zapf J, Schmid C, et al.,1989

Isso torna-o mais estável que o GH além de ser menos influenciado por variações no ritmo circadiano e pelo seu ritmo pulsátil de secreção

slide9

Administração exógena tem potentes efeitos anabólicos, similares ao GH, promovendo aumento da síntese e redução da degradação protéica Fryburg et al, 1994

  • Diminuição rápida da glicemia
  • Aumento da sensibilidade à insulina e captação periférica de glicose
  • Diminui a gliconeogênese
  • Aumento da lipólise e oxidação lipídica (mecanismos incertos)

Atletas de endurance se beneficiariam pela maior mobilização de substratos energéticos além da perda de massa gorda

slide11

Em suma, uso de insulina após o exercício repõe os estoques de glicogênio e ATP mais rápido que repouso ou alimentação isolados

Como a insulina estimula a captação de AAs pelas células promovendo sintese de proteínas, sua principal ação é inibir a degradação protéica

a es integradas entre gh igf 1 e insulina
Ações integradas entre GH, IGF-1 e Insulina

Durante alimentação a insulina é o principal hormônio anabolizante, estocando todos os nutrientes

Pós-prandial: [insulina] ↑ , [IGFBP-3] ↓ e ↑ [IGF-1] livre

Período pós-absortivo [insulina] ↓ enquanto [GH] ↑

slide13

IGF-1 e insulina têm papéis distintos mas suas ações são interligadas, regulando flutuações na oferta e demanda energéticaMoller N, Jorgensen JO.,2009

GH é o principal anabolizante durante estresse, poupando glicose e proteína às custas de > oxidação de lipídeos

efeitos na performance
Efeitos na performance

Não existem até o momento estudos comprovando benefício de IGF-1 e/ou insulina na performance

Relatos de caso x Ensaios clínicos randomizados

Vários relatos indicam que os atletas tem utilizado uma combinação desses hormônios para explorar os efeitos sinérgicos

slide15

Protocolos mais utilizados

* Insulina R: 5-12UI após treino de força + 10g de CHO por unidade, 30

min após a aplicação (opção de adicionar 1-2UI a cada refeição)

* Insulina NPH: 20-60UI divididos em 2 vezes + refeição rica em CHO

a cada 2,5h

efeitos adversos
Efeitos adversos

Insulina

Hipoglicemia/morte

Anafilaxia

Lipodistrofia

Ganho de peso

slide18

IGF-1

Curto prazo (diabéticos ou com insensibilidade ao GH):

  • Hipoglicemia, dor mandibular, mialgia e retenção hídrica (IGF-1)
  • Cefaléia, disfunção hepática (IGF-1/IGFBP-3)

Longo prazo (doentes com insensibilidade ao GH):

  • Hipertrofia tonsilar e adenóide (revertidas c/ descontinuação)
slide19

Efeitos adversos possíveis:

  • Acromegalia
  • Hipertrofia cardíaca
  • CA (princip. próstata e cólon, comprovado in vitro)
considera es finais
Considerações Finais

Existem evidências de que insulina e IGF-1 são utilizados por atletas, frequentemente combinados com GH e anab. esteróides

IGF-1 apenas recentemente foi aprovado para uso e vai se popularizar aumentando a chance de se tornar droga de abuso

Detecção em antidoping de IGF-1 e insulina é difícil pela semelhança das formas recombinantes com endógenas

ad