M dulo cirurgia vascular
Download
1 / 24

Módulo Cirurgia Vascular - PowerPoint PPT Presentation


  • 92 Views
  • Uploaded on

Módulo Cirurgia Vascular. Aula 2: Aneurisma de aorta Membro: Airton Madureira. Conceito. Considera-se aneurismática uma artéria com mais de 50% do diâmetro local esperado ou em comparação com o segmento imediatamente proximal e que envolva todas as camadas da parede arterial.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Módulo Cirurgia Vascular' - carter-burris


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
M dulo cirurgia vascular

Módulo Cirurgia Vascular

Aula 2:

Aneurisma de aorta

Membro:

Airton Madureira


Conceito
Conceito

  • Considera-se aneurismática uma artéria com mais de 50% do diâmetro local esperado ou em comparação com o segmento imediatamente proximal e que envolva todas as camadas da parede arterial.



Etiopatogenia
Etiopatogenia

  • Herança genéticaAutossômica dominante ligada ao X.

    Metaloproteinases

    Elastase > α1-antitripsina

    Síndrome de Marfan e Ehlers-Danlos

  • Trauma

  • Infecções (sífilis e fungos)


Risco de ruptura
Risco de Ruptura

Cronenwett e cols

TABAGISMO

Sterpetti et al

JOURNAL OF VASCULAR SURGERY 2003


Risco de ruptura1
Risco de Ruptura

Adaptado do Journal of vascular surgery

JOURNAL OF VASCULAR SURGERY 2003


Risco de ruptura2
Risco de Ruptura

  • Metade das mortes causadas por ruptura de aneurisma ocorrem antes do socorro.

  • Dos sobreviventes,30 a 50% morrem em virtude da operação de emergência.

  • A mortalidade geral causada pela ruptura alcança 80% dos casos


Quadro cl nico
Quadro Clínico

  • 80% assintomáticos

  • HDA:Dor lombar, dor abdominal, isquemia dos MI, choque hipovolêmico.

  • Exame Físico:Tumoração abdominal pulsátil.


Exames complementares
Exames Complementares

  • Ultra-sonografia

  • Tomografia Computadorizada

  • Ressonância Magnética

  • Angiografia


Ultrassonografia
Ultrassonografia

  • Exame de escolha para diagnóstico inicial e acompanhamento posterior.

  • Limitações:Avaliação do segmento torácico ou abdominal proximal as artérias renaisGás interposto.


Tomografia computadorizada
Tomografia Computadorizada

  • Vantagens:Precisão, diagnóstico de doenças abdominais concomitantes e variações anatômicas.

  • Limitações:Radiação ionizante, contraste nefrotóxicos.


Resson ncia magn tica
Ressonância Magnética

  • Fornece as mesmas informações da TC, mas não precisa de contraste.

  • Limitações:Marcapasso, clipes metálicos, claustrofóbicos e alto custo.


Angiografia
Angiografia

  • É indicada quando há suspeita de doença obstrutiva periférica ou visceral e na eventual correção endovascular.


Cirurgia
Cirurgia

  • Avaliação pré-anestésica: controle dos fatores de risco.

  • Eventos isquêmicos cardíacos são responsáveis por 60% dos óbitos pós-operatórios.

  • A mortalidade operatória é de cerca de 3 a 5% para eletivas e de 47% para artéria rota.


Indica es de cirurgia
Indicações de Cirurgia

  • Diâmetro transverso > 5cm ou crescimento maior que 5mm em 6 meses.

  • Indicações especiais: Trombose,embolia distal, infecção, fistulação, pseudo-aneurisma, dissecção da parede arterial.


Cirurgia endovascular
Cirurgia Endovascular

  • PRINCÍPIO BÁSICO: a endoprótese é introduzida no interior do aneurisma através das artérias femorais e fixado ao colo infrarenal não-aneurismático e às artérias ilíacas com próteses auto-expansíveis ou expansíveis por balão, em vez de suturas.


Reparo endovascular de um aneurisma da aorta abdominal, envolvendo a exclusão do aneurisma com uma endoprótese aórtica introduzida a distância, usualmente, através da artéria femoral. O enxerto endovascular estende-se da aorta infrarenal até ambas as artérias ilíacas comuns, preservando o fluxo nas artérias ilíacas internas. AS, aorta supra-renal; Cl, colo aórtico infra-renal; AIC, artéria ilíaca comum; Ali, artéria ilíaca interna, RD, rim direito; RE, rim esquerdo; AIE, artéria ilíaca externa.


Bibliografia
Bibliografia abdominal, envolvendo a exclusão do aneurisma com uma endoprótese aórtica introduzida a distância, usualmente, através da artéria femoral. O enxerto endovascular estende-se da aorta infrarenal até ambas as artérias ilíacas comuns, preservando o fluxo nas artérias ilíacas internas. AS, aorta supra-renal; Cl, colo aórtico infra-renal; AIC, artéria ilíaca comum; Ali, artéria ilíaca interna, RD, rim direito; RE, rim esquerdo; AIE, artéria ilíaca externa.

  • Townsend et al. Sabiston Textbook of Surgery, 18° edição.Editora Elsevier.

  • Kumar et al.Patologia,Robbins&Cotran: Bases Patológicas das Doenças.7° edição.Editora Elsevier.

  • Lopes,AC.Diagnóstico e Tratamento,vol.2. 1° edição.Editora Manole.


ad