Ergonomia e sua aplica o no setor el trico
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 106

ERGONOMIA E SUA APLICAÇÃO NO SETOR ELÉTRICO PowerPoint PPT Presentation


  • 109 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

ERGONOMIA E SUA APLICAÇÃO NO SETOR ELÉTRICO. Belo Horizonte 20 a 23 de agosto de 2006. Apresentador. Willes de Oliveira e Souza Médico do Trabalho da Cemig Curso de Ergonomia em 1996 Ex-presidente da AMIMT – 1999 - 2001

Download Presentation

ERGONOMIA E SUA APLICAÇÃO NO SETOR ELÉTRICO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

ERGONOMIA E SUA APLICAÇÃO NO SETOR ELÉTRICO

Belo Horizonte

20 a 23 de agosto de 2006


Apresentador

Apresentador

Willes de Oliveira e Souza

Médico do Trabalho da Cemig

Curso de Ergonomia em 1996

Ex-presidente da AMIMT – 1999 - 2001

Atuação na Cemig, Maxion-Nacan, Othon Palace Hotel, Supermercados EPA e Champion (Carrefour)

27º Congresso ICOH (2003) – “Avaliação da Fadiga Física nos Eletricistas de Linha Viva”

[email protected]


Demandas

Demandas

  • Fiscalização

  • Sistemas de Gestão (SGS, SGQ, SGI)

  • Queixas/Problemas

  • Melhoria das condições de trabalho


Nr 17 ergonomia

NR 17 - Ergonomia

  • 17.1.2. Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho conforme estabelecido nesta NR.


Manual de aplica o da nr 17

Manual de Aplicação da NR 17

(pág. 15):

  • “Este é o subitem mais polêmico da Norma. Ele foi colocado para ser usado quando o auditor-fiscal do trabalho tivesse dificuldade para entender situações complexas em que fosse necessária a presença de um ergonomista.

    ................................................................................................................

  • Têm-se pedido análises ergonômicas de uma forma rotineira e protocolar. Isso só tem dado margem a que se façam análises grosseiras e superficiais que em nada contribuem para a melhoria das condições de trabalho. Na solicitação da análise ergonômica, deve-se ter clareza de qual é a demanda, enfocando-se um problema específico.

    .....................................................................................................................

  • Resumindo, não há análise em abstrato. Analisa-se algo para compreender um problema.”

A NR 17 – “ERGONOMIA” estabelece no seu item 17.1.2:

  • 17.1.2. Para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho, devendo a mesma abordar, no mínimo, as condições de trabalho conforme estabelecido nesta NR.


Avalia o ergon mica

Avaliação Ergonômica

  • Material

    • Necessário:

      • Lápis e papel

      • Fita métrica

      • Máquina fotográfica digital

      • Tempo, disposição e paciência


Avalia o ergon mica1

Avaliação Ergonômica

  • Material

    • Opcional:

      • Câmera de vídeo

      • Cronômetro

      • Gravador

      • Goniômetro

      • Psicrômetro

      • Anemômetro

      • Medidor de Nível de Pressão Sonora

      • Luxímetro

      • Softwares


Avalia o ergon mica2

Avaliação Ergonômica

  • Material

    • Eventual (em análises aprofundadas)

      • Eletromiógrafo de superfície

      • Dinamômetro manual de mola

      • Dinamômetro digital


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

ERGONOMIA

Métodos

Ferramentas e

Equipamentos

Tarefas

Trabalhador

Organização

do Trabalho

Meio ambiente


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

TRABALHADORES

TECNOLOGIA

Atitudes

Físicas

Psicológicas

Ferramentas

Máquinas

Equipamentos

Organização

TRABALHO

Carga Física

Carga Psicológica

Ambiente


Carga f sica

Carga Física

  • Levantamento Manual de Cargas

    • CLT

    • NR 11

    • NR 17


Carga f sica1

Carga Física

  • Levantamento Manual de Cargas

    • CLT

      “Art. 198 - É de 60 (sessenta) quilogramas o peso máximo que um empregado pode remover individualmente, ressalvadas as disposições especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher”.


Carga f sica2

Carga Física

  • Levantamento Manual de Cargas

    • NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais

      • “11.2.2. Fica estabelecida a distância máxima de 60,00m (sessenta metros) para o transporte manual de um saco”.


Carga f sica3

Carga Física

  • Levantamento Manual de Cargas

    • NR 17 – Ergonomia

      • “17.2.2. Não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança”.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Revised NIOSH Equation for the Design and Evaluation of Manual Lifting Tasks (1991)


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Equação revisada do NIOSH= ferramenta para avaliação do esforço físico em tarefas de levantamento de carga usando as duas mãos.

Especificamente, a equação foi projetada para atender critérios específicos relacionados ao levantamento.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

A Equação revisada não se aplica:

  • Levantar/abaixar com uma mão;

  • Levantar/abaixar por mais de 8 horas;

  • Levantar/abaixar assentado ou ajoelhado;

  • Levantar/abaixar em espaço de trabalho limitado;

  • Levantar/abaixar objetos instáveis;

  • Levantar/abaixar enquanto estiver carregando, empurrando ou puxando;


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

A Equação revisada não se aplica:

  • Levantar/abaixar com carrinho de mão ou usando uma pá;

  • Levantar/abaixar com movimento em alta velocidade (mais rápido do que cerca de 75 cm /segundo);

  • Levantar/abaixar com aderência ruim dos pés com o piso (coeficiente de atrito entre o solado do calçado e o piso < 0,4);

  • Levantar/abaixar em ambiente desfavorável (ex.: temperatura significativamente fora da faixa 19-26o C; umidade relativa fora da faixa entre 35-50%).


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

1º Passo: Levantar os Dados Variáveis da Tarefa:

  • H= Distância Horizontal

  • V= Altura vertical na origem e no destino

  • D= Distância Vertical Percorrida

  • A= Ângulo de Assimetria

  • F= Freqüência do Levantamento

  • P= Qualidade da Pega


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Outras definições:

  • Posição Neutra do Corpo: descreve a posição do corpo quando as mãos estão diretamente em frente ao corpo e a torção das pernas, tronco ou ombros é mínima.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Outras definições:

  • Limite de Peso Recomendado (LPR): definido como o peso da carga que quase todos os trabalhadores sadios poderão carregar por um período de tempo substancial (ex.: até 8 horas), sob determinadas condições das tarefas, sem aumentar o risco de desenvolvimento de lombalgia.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Outras definições:

  • Índice de Levantamento (IL): é um termo que oferece uma estimativa relativa do nível de estresse físico associado a uma tarefa de levantamento manual.

  • É dado pela fórmula:


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Outras definições:

  • Duração do Levantamento: A duração é classificada como curta (1 hora), moderada (1-2 horas), ou longa (2-8 horas), dependendo do padrão do trabalho, determinado pela distribuição do tempo de trabalho e do tempo de recuperação.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Outras definições:

  • Controle motor significativo: é definido como uma condição que requer um ajuste de precisão da carga no destino do levantamento. Este é o caso quando:

    • 1) o trabalhador tem de reposicionar as mãos na carga, próximo ao destino do levantamento;

    • 2) o trabalhador precisa sustentar o objeto, momentaneamente, no seu destino;

    • 3) o trabalhador precisa guiar ou posicionar cuidadosamente a carga no destino.


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fórmula do LPR:

LPR= Cc X FDH X FAV X FDVP X FA X FFL X FQP

LPR= 23 X(25/H) X [1-(0,003V-75)] X [0,82 +(4,5/D)] X [1-(0,0032A)] X FFL X FQP


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Distância Horizontal (FDH):


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Altura Vertical (FAV)


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Distância Vertical Percorrida (FDVP)


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Assimetria (FA)


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Freqüência de Levantamento - FFL


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Qualidade da Pega - FQP


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

Fator Qualidade da Pega - FQP


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

18,0 kg

90,0 cm

37,5 cm

Dist. Horizontal: 45 cm


Carga f sica4

Carga Física

  • Fatores Biomecânicos

    • “ não existe DORT sem uma grande demanda biomecânica, mas os fatores de risco de DORT não se limitam somente a estes fatores” (Malchaire e Col.,1997).


Carga f sica5

Carga Física

  • Fatores Biomecânicos

    • Força

    • Repetitividade

    • Compressão Mecânica

    • Posturas inadequadas

    • Posturas estáticas

    • Vibração


Carga f sica6

Carga Física

  • Repetitividade

    • Silverstein e col. (1987): consideram repetitividade elevada quando o tempo de ciclo é inferior à 30 segundos ou quando mais de 50% do tempo de ciclo é composto pela mesma seqüência de gestos.


Carga f sica7

Carga Física

  • Repetitividade

    • Kilbom, 1994:


Carga f sica8

Carga Física

  • Compressão Mecânica


Carga f sica9

Carga Física

  • Compressão Mecânica


Carga f sica10

Carga Física

Posturas inadequadas

Trabalho com :

pescoço em flexão

pescoço em extensão

mãos acima da cabeça;

braços no nível dos ombros (sem apoio)

“asas abertas”;

punho em flexão

punho em extensão

punho com desvio ulnar

punho com desvio radial


Carga f sica11

Carga Física

  • Posturas inadequadas


Carga f sica12

Carga Física

  • Posturas inadequadas


Carga f sica13

Carga Física

  • Posturas inadequadas


Carga f sica14

Carga Física

Posturas

inadequadas


Carga f sica15

Carga Física

  • Posturas inadequadas


Carga f sica16

Carga Física

  • Posturas estáticas


Carga f sica17

Carga Física

  • Posturas estáticas


Carga f sica18

Carga Física

  • Vibração


Carga f sica19

Carga Física

  • Vibração


Fatores psicossociais

FATORES PSICOSSOCIAIS


Fatores psicossociais1

Fatores Psicossociais

  • Monotonia

  • Falta de autonomia e controle

  • Relação com colegas e/ou superiores

  • Estresse


Fatores psicossociais2

Fatores Psicossociais

CONDIÇÕES NO TRABALHO

  • Concepção da tarefa:

    • sobrecarga de trabalho sem pausas,

    • tarefas monótonas,

    • isolamento,

    • falta de oportunidade de desenvolvimento das capacidades e habilidades dos trabalhadores;


Fatores psicossociais3

Fatores Psicossociais

CONDIÇÕES NO TRABALHO

  • Organização do trabalho:

    • falta de participação dos trabalhadores nas decisões,

    • tarefas fragmentadas,

    • falta de autonomia e controle

    • para escolher o ritmo de trabalho e tomar decisões,

    • duração das tarefas,

    • trabalho sob pressão


Fatores psicossociais4

Fatores Psicossociais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

  • TRABALHO NOTURNO E EM TURNOS

  • HORÁRIO DE TRABALHO

    • Flexibilidade

  • ROTAÇÃO DE TRABALHADORES

    • Rodízio

    • Pausas

    • Turnover

  • RITMO E ESFORÇOS DE TRABALHO


Fatores psicossociais5

Fatores Psicossociais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

FATORES RELATIVOS AO PRÓPRIO TRABALHO

  • CONTEÚDO DO TRABALHO

    • A organização de equipe

    • A organização do trabalho

    • O fluxo e o layout da produção

    • O ambiente do trabalho

    • O desenvolvimento de competência

    • As tecnologias empregadas


Fatores psicossociais6

Fatores Psicossociais

CONDIÇÕES NO TRABALHO

  • Insatisfação no trabalho:

    • salário, insegurança no emprego

    • oportunidade de promoção,

    • mudanças na administração.


Fatores psicossociais7

Fatores Psicossociais

CONDIÇÕES NO TRABALHO – POSSÍVEIS SOLUÇÕES

  • Administração de Estresse: informação e treinamento

  • Mudanças organizacionais: identificação das causas, medidas e estratégias para mudança


Ferramentas para an lise e quantifica o

Ferramentas para Análise e Quantificação


Ferramentas

Ferramentas

CRONOMETRAGEM DE DIA TÍPICO

Função:______________________________ Data: / /

Tarefa: ______________________________________________


Ferramentas1

Ferramentas

Questionários

PESQUISA MÉDICA – parte I

Esta é uma pesquisa médica sobre o trabalho na área de produção

NÃO ASSINE, NEM COLOQUE O SEU NOME.

DATA: / / Idade: Altura:Peso:

Função atual: __________________________________ Setor:________________________

Tempo na função atual: _______________ Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Nos últimos 12 meses, você sentiu, no seu corpo, alguma coisa que você julga ter sido causado pelo trabalho?

( ) SIM( ) NÃO

Responda as questões 4 a 10 apenas se você respondeu “SIM” na questão 3; se respondeu “NÃO”,vá direto para a questão 11

O quê você sentiu? Descreva de modo resumido:

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Qual a atividade no seu trabalho que você acha que causou o problema?

Marque, no desenho abaixo, a região ou regiões do corpo em que você sentiu o problema:

De frente.

De costas.


Ferramentas2

Ferramentas

  • Entrevistas informais

  • Entrevistas semi-estruturadas

  • Reuniões com Gerentes e Supervisores

  • Reuniões com empregados


Ferramentas3

Ferramentas

  • Check lists

    Sempre complementados com:

  • Análise das tarefas

    • ferramentas,

    • equipamentos e materiais utilizados para realizar o trabalho;

    • lay-out do local de trabalho e as condições ambientais, e

    • a demanda das tarefas e o clima organizacional


Ferramentas4

Ferramentas

Nível de Ação em Ergonomia (“caution action job”): na atividade, os riscos listados ocorrem mais do que em 01 dia por semana e mais do que em 01 semana por ano


Ferramentas5

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas6

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA


Ferramentas7

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas8

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas9

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas10

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas11

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas12

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas13

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA


Ferramentas14

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas15

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas16

Ferramentas

NÍVEL DE AÇÃO EM ERGONOMIA (*)

(*)”Caution zone job” - WAC – 296-62-051 – Washington Department of Labor and Industries


Ferramentas17

Ferramentas

RULA – Rapid Upper Limb Assessment

  • registro das diferentes posturas de trabalho observadas que são classificadas através de um sistema de escores.


Ferramentas18

Ferramentas

  • GRUPO A: Braços, Antebraços e Punhos

  • Escores para o braço:

    • 1 para 15° de extensão até 15° de flexão,

    • 2 para extensão maior que 15° ou entre 15º e 45° de flexão;

    • 3 entre 45° a 90° de flexão;

    • Ombro elevado - adicionar 1 ao escore da postura;

    • Antebraço em abdução - adicionar 1;

    • Reduzir 1 do escore da postura se o operador ou seus braços estão apoiados.


Ferramentas19

Ferramentas

  • REBA – “Rapid Entire Body Assessment

  • Moore & Garg

  • INRCT- Institut National de Recherche sur des Conditions de Travail

  • Rodgers Muscle Fatigue Analysis

  • TOR-TOM (Taxa de Ocupação Real – Taxa de Ocupação Máxima)


Modelo de relat rio

MODELO de RELATÓRIO

  • IDENTIFICAÇÃO

  • ANÁLISE DA DEMANDA- definição do problema

  • ANÁLISE DA ATIVIDADE – descrição da atividade, organização do trabalho, condições ambientais,

  • ANÁLISE DO TRABALHO – mobiliário e layout, fatores biomecânicos, situações encontradas

  • CONCLUSÃO

  • SUGESTÕES – RECOMENDAÇÕES


Exemplos do setor el trico

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico1

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico2

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico3

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico4

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico5

Exemplos do Setor Elétrico


Postura correta frente ao computador

Postura correta frente ao computador

1- Dorso apoiado

2- Pés apoiados e ângulo dos joelhos > 90°

3- Mesa firme, ajustada

4- Monitor e teclados em frente ao operador

5- Suporte de teclado ajustável

6- Ângulo de cotovelo > 90° e punhos retos

7- Braços juntos ao corpo

8 – Borda superior da tela na altura dos olhos

8

4

1

7

6

3

5

2


Exemplos do setor el trico6

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico7

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico8

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico9

Exemplos do Setor Elétrico

Limites de cargas recomendadas para transporte em carrinhos manuais:

  • De 2 rodas: 114kg (Distância máxima percorrida: 16 m)

  • De 4 rodas: 227kg (Distância máxima percorrida: 33 m)

  • Paleteiras: 682 kg (Distância máxima percorrida: 33 m)

  • (Força máxima a ser exercida para mover um carrinho ou paleteira: 225,0 N)


Exemplos do setor el trico10

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico11

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico12

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico13

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico14

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico15

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico16

Exemplos do Setor Elétrico


Exemplos do setor el trico17

Exemplos do Setor Elétrico


Ergonomia e sua aplica o no setor el trico

E os Comitês de Ergonomia?


Willes@cemig com br

[email protected]

MUITO OBRIGADO PELA PACIÊNCIA!!


  • Login