III Jornadas de Reflexão sobre Necessidades Educativas Especiais
Download
1 / 14

Escola Inclusiva – Uma Realidade, se Quisermos Augusto Sousa / RUMO - PowerPoint PPT Presentation


  • 94 Views
  • Uploaded on

III Jornadas de Reflexão sobre Necessidades Educativas Especiais Escola Inclusiva – Mito ou Realidade ? 8 Abril 2006 Auditório da Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça - Moita. Escola Inclusiva – Uma Realidade, se Quisermos Augusto Sousa / RUMO. 1983 / 1985

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Escola Inclusiva – Uma Realidade, se Quisermos Augusto Sousa / RUMO' - cailean-kerrane


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

III Jornadas de Reflexão sobre Necessidades Educativas Especiais

Escola Inclusiva – Mito ou Realidade ?

8 Abril 2006

Auditório da Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça - Moita

Escola Inclusiva – Uma Realidade, se Quisermos

Augusto Sousa / RUMO


1983 / 1985 Especiais

Escola Básica do 1º Ciclo do Lavradio - Barreiro

Experiência de Integração Escolar, promovida pela Rumo, de alunos com deficiência mental


  • Objectivos Gerais Especiais

  • Integrar sete crianças no ensino regular

  • Contribuir para a redução do insucesso escolar da escola

  • Criar condições internas na escola, a partir da experiência recolhida, de forma a ganhar o conjunto de professores e famílias para a continuação da experiência

  • Criar condições externas para a institucionalização da experiência


  • Fases Especiais

    • Contacto com Directora da Escola

    • Contacto com professores, potenciais voluntários

    • Sensibilização do Conselho Escolar:

    • Explicar o projecto / processo institucional

    • Processo de implementação

    • Escolha de 2 professores

    • Definir a futura relação com Conselho Escolar (troca de experiências com todos os professores da escola, facultativos; apoio a crianças da escola não inseridas nos 2 grupos)


  • Fases Especiais

    • Introdução do processo (com os dois professores)

      • Caracterização das crianças a inserir (global)

      • Caracterização das turmas receptoras (global)

      • Análise conjunta do projecto, detalhadamente

      • Definição da relação futura com os dois professores

      • Disponibilidade (troca de serviços)

      • Modelo de intervenção semanal

      • Modelo de avaliação da experiência

      • Definição das tarefas de cada um

      • Expectativas de cada um


  • Fases Especiais

  • 5. Introdução do processo com os pais / Reunião com pais das crianças a inserir

  • Definir os nossos objectivos, em relação às crianças

  • Definir qual a exigência de participação dos pais / protocolo

  • Definir o modelo de trabalho futuro / programas de trabalho

  • 6. Reunião com pais das salas receptoras (todos)

    • Explicar o projecto

  • Definir objectivos com todas as crianças (apoio na escola; tempos livres)

Emprego

Apoio Pós-Contratação


  • Intervenção Especiais

  • Pais

  • Objectivos

  • Aumentar o conhecimento sobre a escola, sobre o filho, sobre a importância das relações familiares

  • Melhorar as condições de higiene e saúde

  • Modificar atitudes

  • Meios

  • Acompanhamento familiar

  • Acção didáctica-informativa

  • Modificação de comportamento - atitude

Emprego

Apoio Pós-Contratação


Intervenção Especiais

Professores

Objectivos

Aceitação das crianças inseridas

Melhoria da relação professor-aluno

Apoiar o professor

Meios

Reflexão sobre a intervenção

Programação conjunta de actividade

Acção didáctica-informativa (bibliografia, instrumentos)

Apoios pontuais a alunos

Apoios globais (metodologia, relações pedagógicas)

Hetero e auto-avaliação

Emprego

Apoio Pós-Contratação


Intervenção Especiais

Alunos

Objectivos

Integração plena na escola, na família e na escola

Reduzir o insucesso

Desenvolver competências específicas; actuar como suporte de desenvolvimento para a aprendizagem

Meios

OTL (expressões: corporal, plástica, musical)

Educação física

Reeducação pedagógica (leitura, escrita, cálculo)

Terapias


  • Avaliação Especiais

  • Por fases (avaliação do projecto / processos / metas)

  • Avaliação dos alunos (base – inicial – base line / periódicas / medica / psicológica / pedagógica / familiar)

  • Avaliação da comunidade integrante

  • Avaliação da sala de aula

  • Avaliação das expectativas dos professores

  • 4. Caracterização do meio envolvente à escola

  • 5. Avaliação da família (Avaliação de expectativas / Caracterização das famílias)


Equipa Especiais

Duas professoras (salas receptoras)

Duas professoras especializadas

Um sociólogo

Dois psicólogos

Uma terapeuta ocupacional


Reflexões Especiais

Educação inclusiva não é educação para crianças com necessidades educativas especiais

Educação inclusiva é promover uma escola para todos

Educação não é educar um aluno padrão (uma média)

Educação inclusiva é educar e promover a diversidade

Educação inclusiva não é educar por fatias (educação sectorial, compartimentada)

Educação inclusivaé intervenção sistémica, articulada, participada


Direitos Especiais

DIREITO A TOMAR DECISÕES SOBRE A SUA VIDA

DIREITO A FREQUENTAR A ESCOLA DA SUA ÁREA

DIREITO A CONVIVER COM TODAS AS PESSOAS, NA COMUNIDADE NATURAL

DIREITO A USUFRUIR DOS RECURSOS DA COMUNIDADE

DIREITO A EXERCER UMA ACTIVIDADE EM LOCAIS NORMAIS DE TRABALHO


[email protected] Especiais

[email protected]

www.rumoinsercao.org

www.rumobarreiro.blogspot.com

Obrigado


ad