Pesca em guas profundas lxxi evangeliza o no terceiro mil nio
Download
1 / 10

PESCA EM ÁGUAS PROFUNDAS LXXI EVANGELIZAÇÃO NO TERCEIRO MILÊNIO - PowerPoint PPT Presentation


  • 57 Views
  • Uploaded on

PESCA EM ÁGUAS PROFUNDAS LXXI EVANGELIZAÇÃO NO TERCEIRO MILÊNIO. O DECÁLOGO.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' PESCA EM ÁGUAS PROFUNDAS LXXI EVANGELIZAÇÃO NO TERCEIRO MILÊNIO' - cael


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Pesca em guas profundas lxxi evangeliza o no terceiro mil nio

PESCA EM ÁGUAS PROFUNDAS LXXIEVANGELIZAÇÃO NO TERCEIRO MILÊNIO

O DECÁLOGO


Hiléia interessava-se pelas histórias que eu lhe contava e se impressionava muito com elas. Sobre a história da vida de Jesus, ela dizia que se tivesse vivido naquele tempo não ía deixar ninguém pregá-lo na cruz, que ela ía espantar os soldados romanos com a espingarda de três canos do Florêncio, seu pai. Dizia-lhe que era necessário Jesus morrer, pois só assim o homem poderia ser libertado das garras do pecado. - Pecado? O que é isso?... Perguntou-me certo dia.


Hiléia não sabia o que era pecado. Aurora, sua mãe, só fazia dizer que era "coisa que não presta, tentação do tinhoso". Mas o que é isso no sítio Itacarará onde tudo é natural? Inicialmente, éramos cinco nessa ninhada amazônica: Florêncio, Aurora, Hiléia, preta Zulmira e eu. Depois, só os três primeiros, pois eu e a preta Zulmira, que me tinha como filho, levantamos vôo e fomos morar no sítio Boa Esperança.


O sítio Itacarará fica nas brenhas distantes do município de Alenquer, por isso, essa família só mantinha contato com as outras pessoas, quando participava de algum puxirum com o pessoal das redondezas; quando ia ao Boa Esperança comprar ou vender alguma coisa; ou, anualmente, quando ia à cidade para a festa de Santo Antônio. Seu estado de alma era a da própria natureza com seus cânticos, aromas e mistérios. Então, como Hiléia ía pecar se tudo na cabeça dela era absorvido da natureza? Na Amazônia milhares e milhares de jovens são como ela...


Quando lhe contei a passagem da Bíblia em que Deus dá a Moisés as Tábuas da Lei no monte sagrado, ela arregalou os olhos e disse:- Mas como Deus, que a gente não vê, falou com Moisés, que a gente vê? Como Moisés ouviu Deus e falou com ele se ele não via?...Nada respondi.- Esse Moisés só podia ser um homem muito forte e corajoso para ir sozinho lá em cima falar com Deus!...- É... Pode ser. Mas ele tinha que subir ao monte, pois Deus estava lá em cima e queria entregar-lhe o Decálogo para dar ao seu povo.- Quando mesmo isto aconteceu?- Tempos depois de Moisés libertar os judeus do Egito e passar algum tempo perambulando no deserto.- Ah! Então foi logo depois que os judeus atravessaram andando o Mar Vermelho e as águas caíram em cima dos soldados do Faraó!...- Isso mesmo...


Hiléia ficou pensativa e me perguntou a seguir: Moisés as Tábuas da Lei no monte sagrado, ela arregalou os olhos e disse:- E a sarça ardente como era?- Não sei de certo, respondi-lhe, acho que devia ser igual aquela touceira de mato seco ali pegando fogo. Estás vendo a claridade? Pois é, Deus é luz...- Mas tu disseste que a sarça não queimava e o mato está queimando todo...- É... Tens razão. Mas é mais ou menos isso...Estávamos sentados no curral olhando o gado sair para o campo. Florêncio tinha acabado de tirar leite e já tocava fogo no mato para fazer um roçado de juta, de modo que era nesse meio que se encontrava a touceira pegando fogo.- Como mesmo tu falastes ainda agora, Decágolo?- Não, Decálogo. O Decálogo foram os Dez Mandamentos que Deus escreveu para Moisés dar ao seu povo...- De-cá-lo-go...


Continuei falando: Moisés as Tábuas da Lei no monte sagrado, ela arregalou os olhos e disse:- Quem segue os seus mandamentos não erra na vida, vive livre e feliz. Era isso que Deus queria para os judeus, que eram o seu povo escolhido, por isso esse carinho com eles..- Mas não foram os judeus que mataram Jesus pregado na cruz?- Sim...- Como, então, Deus queria ajudar os matadores de seu filho? Não entendo...- Não, Hiléia, no tempo do Decálogo Jesus ainda não tinha nascido no meio de nós, estava com seu Pai lá no céu. Os judeus eram ainda homens brabos, sem lugar certo para viver, viviam andando daqui para lá de lá para cá, por isso Deus queria amansá-los e o Decálogo era o instrumento para isso...- Ainda bem... E o que eles fizeram com o Decálogo?


- Bem, uma boa leva deles seguiu os mandamentos, mesmo conforme suas conveniências. Mas aqueles que não seguiram, Deus os contempla misericordiosamente. Esses mandamentos valem para sempre, estão dentro da gente ainda hoje, aliás a gente já nasce com eles entranhados em nossa alma. Te lembra do Mundico Palhabranca? Pois é. Até hoje está preso porque matou o filho Chico Pedro. É o 5º Mandamento: Não matar!; o Tonho Maniçoba ficou cego do olho esquerdo e quase foi morto porque foi flagrado roubando gado, mas fugindo um galho lhe furou o olho. É o 7º Mandamento: Não furtar!; o Zé Pitomba agora anda de muleta porque se meteu com a mulher do Guto Marrequinha, que lhe deu um tiro na coxa. É o 9º Mandamento: Não desejar a mulher do próximo!... - Então, ninguém é feliz sem o Decálogo!...

- É verdade. É por isso que o mundo está virado do avesso com tanta violência, ninguém se entendendo mais, quase todos vivendo pior do que bichos ferozes. Ora, se Deus é o criador do tudo, tanto do que pode ser visto como do que não pode, então, é quem sabe qual a estrada que a gente deve andar. E essa estrada são os mandamentos do Decálogo...


Te lembra daquela vez que Florêncio mandou a gente ao castanhal ver se os ouriços de castanha já estavam caindo e recomendou que não desviássemos do caminho? Pois bem, o que aconteceu quando pegamos o atalho do açaizal?- Ficamos perdidos...- Pois é. Chegamos até a ouvir curupira bater sapopema perto de nós e pensamos que ela estava malinando da gente...- Não gosto nem de pensar nisso, que me arrepio toda!...- Sem tirar nem botar, é mais ou menos isso que os homens fazem, querem atalhar o caminho pela vida fácil e perdem-se...- Mas depois o papai nos encontrou...- Sim. Foi por isso que Deus mandou seu Filho à terra para nos mostrar a caminho de volta para Casa, no Paraíso, que estamos sem seu rumo...


- Desde que me contaste a história de Jesus não me esqueci mais dos dois mandamentos que ele deu pra gente viver feliz.- Quais, então?...- Amar a Deus acima de tudo e a meu próximo como a mim mesma!...- Ainda bem. Estes dois mandamentos são fundamentais para a felicidade do homem, pois dizem que devemos nos amar uns aos outros, como uma grande família, tendo Deus como Pai. Se assim nos comportarmos seremos todos felizes verdadeiramente. Da próxima vez que eu vier ao Itacarará vou trazer a Bíblia do Fortunato para ficares conhecendo mais coisas, inclusive as histórias dos profetas e os salmos.- Salmos?... Profetas?...

Diácono Eliezer de Oliveira MartinsARQUIDIOCESE DE SANTA MARIA DE BELÉM DO GRÃO-PARÁ, AMAZÔNIA DO BRASIL

Inspiração: Exodus 1-20; Mc 12,28-4; Mt 22, 34-40; Lc 10,25-28


ad