pol tica externa e industrializa o 1945 1964
Download
Skip this Video
Download Presentation
Política Externa e Industrialização ( 1945-1964)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 40

Política Externa e Industrialização ( 1945-1964) - PowerPoint PPT Presentation


  • 97 Views
  • Uploaded on

Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba. Política Externa e Industrialização ( 1945-1964). Antonio Hermínio Celso Bergmann Guilherme Vieira Gustavo Furlanetto Matheus Fisher Thiago Souza Yuri Bella. 1. A Nova Ordem Internacional em Gestação no Anos 40. Contexto Internacional.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Política Externa e Industrialização ( 1945-1964)' - bruce-weiss


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
pol tica externa e industrializa o 1945 1964

Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba

Política Externa e Industrialização (1945-1964)

Antonio Hermínio

Celso Bergmann

Guilherme Vieira

Gustavo Furlanetto

Matheus Fisher

Thiago Souza

Yuri Bella

slide3

Contexto Internacional

  • Estados Unidos, Inglaterra e União Soviética iniciam conversações diplomáticas em 1941;
  • A reorganização do mundo pós-guerra se desenvolveu sobre duas vertentes: Econômica e Geopolítica;
  • Projetos futuros dos três grandes aliados são marcados pela divergência.
slide4

Intenções Norte – americanas

  • Proposta dos EUA focada no front econômico:

- eliminação das barreiras ao livre comércio, livre convertibilidade entre as moedas;

- criação de organizações internacionais de:

supervisão das nações pós-guerra (ONU); Comércio

mundial; Finanças Internacionais.

  • Inglaterra enfraquecida, colaborava com o as propostas dos EUA, afim de se manter como potência imperial;
slide5

Início da Guerra Fria

  • URSS só acompanhava os esforços para reorganizar o mundo capitalista pós-guerra:

- interesse na segunda vertente, geopolítica;

- vitórias diplomáticas em 1945, em relação às fronteiras do Leste Europeu e potencial zona de influência;

  • Bipolarização do mundo em 1947, “início” da Guerra Fria;
slide6

Resultados da Guerra

  • EUA emergem em 1945 como maior potência econômica e militar;
  • O projeto dos EUA encontrava duas barreiras: interna e externa:

- Guerra Fria representava a quebra das barreiras internas ao projeto Norte Americano;

- O Plano Marshall representaria a integração das duas vertentes para os EUA.

recapitulando historicamente
Recapitulando Historicamente
  • Monopólio estadunidense de influência na região;
  • Doutrina Monroe (1823): “Imperialismo Defensivo”;
  • Roosevelt (1904): Política do “Big Stick”;
  • 2ª Guerra Mundial: Apoio latino-americano aos EUA;
uni o brasil eua durante a guerra
União Brasil-EUA durante a Guerra
  • Brasil em destaque entre os aliados dos EUA: matérias primas a preços estáveis, cessão de bases aéreas e navais, etc;
  • EUA colaboram com o esforço de guerra do Brasil: programa de investimentos afim de aumentar a produção industrial do Brasil;
expectativas p s guerra
Expectativas Pós-Guerra
  • Tal colaboração e crescente união gerou expectativas em torno da relação entre os dois países;
  • Quebra de expectativas: Preocupação dos EUA com a industrialização brasileira associada à guerra apenas.
rela o brasil eua
Relação Brasil-EUA
  • Frustração quanto à ajuda dos EUA;
  • Prioridade dos EUA era reerguer a Europa (Plano Marshall);
  • EUA impõem restrições às solicitações brasileiras;
pol tica cambial e balan o de pagamentos
Política Cambial e Balanço de Pagamentos
  • Política liberal cambial leva à imensa saída de capital externo do Brasil devido à escassez mundial;
  • Grande problema de inconvertibilidade no BP;
comiss es para a regi o
Comissões para a região
  • Criação da CEPAL em 1948:
    • importante papel de defesa dos interesses da AL frente à ideologia liberal dos EUA.
  • Comissão Mista Brasil-EUA:
    • projetos concretos e bem trabalhados;
    • financiamento do Eximbank e Banco Mundial.
slide16

Vargas II e o Contexto Internacional

  • Como Vargas era visto pelos EUA antes de sua eleição;
  • Início do Governo Vargas e as dificuldades encontradas;
  • Guerra da Coréia, crise cambial e déficit na balança comercial;
  • Crise de Divisas (1952) e ruptura com Banco Mundial;
slide17

Vargas II e o Contexto Internacional

  • Alta inflação e desequilíbrio cambial herdado do último governo;
  • Manobras feitas para minorar o desequilíbrio cambial e combater a ascensão inflacionária;
  • Plano Marshall e apoio econômico Europeu-Japonês para o desenvolvimento
in cio de jk
Início de JK
  • Introdução ao Governo de JK;
  • JK desenvolvimentista (Programa Nacional de Desenvolvimento).
o problema do caf
O Problema do Café
  • Café era o centro do debate sobre o desequilíbrio da balança de pagamentos e das relações comerciais com os EUA;
  • Geada de 1953 facilitou o estabelecimento do preço pelo governo brasileiro;
  • Exportações caíram;
  • Revolta dos consumidores externos em 1954;
  • 1955-57 preços caíram.
slide21

O Problema do Café

  • Out/1957: Acordo entre os países produtores para diminuir a oferta. Durou até o fim de 1957;
  • Superprodução iniciada em 1958 agravou a instabilidade dos preços;
  • Set/1958: Novo acordo. Não deu certo;
  • Set/1959: Acordo mais geral, que estabelecia a produção anual distribuída ao longo do ano.
  • Mesmo assim o preço caiu assim como as exportações.
slide23

O Papel do Capital Estrangeiro

  • Criação da CEE conferiu efeito adicional ao impulso de capitais estrangeiros para o Brasil;
  • Disputa da Europa e EUA por mercados estrangeiros favoreceu o Brasil;
  • Política de atração de capitais de JK soube aproveitar o momento internacional favorável;
  • Endividamento externo foi resultado natural;
  • Tipo de dívida preocupante.
o papel da pol tica pan americanista
O Papel da Política Pan-americanista
  • Política de negligência em relação à AL continua com reeleição de Eisenhower;
  • Expansão do comércio da URSS preocupa EUA;
  • 1958: tentativa dos EUA de identificação com governos democráticos da AL;
  • Manifestações antiamericanas deixam claro o enfraquecimento da relação EUA – AL;
o papel da pol tica pan americanista1
O Papel da Política Pan-americanista
  • JK quer integrar a região pela luta pela democracia e contra o subdesenvolvimento;
  • Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) como resultado da Operação Pan-americanista;
a ruptura com o fmi
A Ruptura com o FMI
  • Plano de Estabilização Monetária em 1958;
  • BB se recusa aderir ao plano;
  • Dirigentes do FMI relutantes em ceder empréstimos;
a ruptura com o fmi1
A Ruptura com o FMI
  • JK frente às normas do FMI manda que negociadores retornem ao Brasil;
  • Álibi para JK deixar inflação alta e endividamento externo ao seu sucessor, sem que tenha sua reputação manchada.
slide29

Primeiros anos da Década de 1960

  • Quatro primeiros anos da década de 60 foram conturbados;
  • Jânio Quadros vence eleição;
  • Contexto:
    • Recuperação econômica da Europa e Japão;
    • Surgimento de novas nações independentes;
    • Consolidação do bloco socialista;
    • Cuba filia-se com o socialismo.
slide30

Política Externa Independente

  • Integração de 3 elementos:
    • Retomada do ideário da Operação Pan-americana, idealizada por JK;
    • Estilo diplomático adequado ao nacionalismo;
    • Possibilidade de afirmar autonomia relativa do Brasil face à hegemonia dos EUA na América Latina;
  • Foco das controvérsias: Problema cubano (Crise dos mísseis);
  • Pressão americana e interna para afastamento do Bloco Socialista;
  • Postura brasileira avaliava corretamente onde residiam os interesses de longo prazo em suas relações internacionais (Política independente como meio de assegurar a sua liberdade de movimento na política mundial).
slide31

Política econômica externa

  • Situação financeira do país “terrível”;
  • Inflação 30% a.a;
  • Déficit do balanço de pagamentos US$410 milhões;
  • Resposta a situação: Política de estabilização envolvendo desvalorização cambial, contenção de gastos públicos e controle da expansão monetária;
  • Medida impressionou comunidade internacional pela rapidez e determinação;
  • Renegociação da dívida e novos empréstimos;
  • Exportações cresceram (desvalorização cambial) e superávit em 1961.
slide32

Resultados da Política Externa

  • Dificuldades aparentemente afastadas;
  • Na verdade, adiou-se a crise de liquidez;
  • Renúncia de Quadros;
  • Situação:
    • Elevação do déficit governamental;
    • Sobrevalorização do cruzeiro(Queda nas exportações);
    • Inflação superou 50% a.a.
slide33

Pós – Quadros

  • Esforço para lidar com a situação econômica e demonstrar à comunidade internacional que havia um plano de governo a ser implementado;
  • João Goulart assume em 1963;
  • Plano Trienal (1963-1965):
    • Assegurar uma taxa de crescimento da renda nacional compatível;
    • Reduzir pressão inflacionária;
    • Política de austeridade em relação à expansão monetária.
slide34

Período Goulart

  • Aceleração da inflação e controle de crédito resultaram num severo aperto de liquidez real na economia;
  • Investimentos diretos, empréstimos e financiamentos reduzidos (Aproximadamente 40%);
  • No segundo semestre de 63, Plano Trienal tinha perdido apoio do setor privado;
  • Queda nas vendas, desemprego, paralisia das atividades de investimento;
  • Fontes de financiamento desagradadas;
  • Crescente tensão social e política;
  • Marco crucial na história recente do Brasil.
fatores fundamentais
Fatores Fundamentais
  • Forte vínculo das relações internacionais do Brasil com as bases sociais e políticas do Estado brasileiro e a transformações em sua estrutura produtiva;
  • Papel que assumiram as relações do Brasil com os EUA no contexto da bipolaridade;
  • Decisão dos presidentes, no período, que foram dependentes:
    • de forças internas
    • da postura dos EUA
    • da produção interna
slide37

Fases da política externa

Busca por autonomia no final dos anos 30;

Tentativa frustrada de “relação especial” com os EUA na metade dos anos 40;

O nacional-populismo no segundo governo de Vargas;

Pretensões de obter capitais públicos via articulação americana no governo JK;

“Política Externa Independente” do período Quadros-Goulart;

slide38

Resumo da Época

  • Análise das rupturas e continuidades da política externa brasileira;
  • Busca de autonomia relativa marca o Brasil;
  • Emergência das classe populares em meados dos anos 40 marca a política interna do Brasil;
  • 1964 não representa descontinuidade, mas sim possibilidade de desenvolvimento interno que JK propusera, porém sem pressão interna.
perguntas
Perguntas
  • O Brasil realmente possuía a capacidade de financiamento interno para industrialização como os EUA falavam?
  • O que a reeleição de Vargas representou politicamente para os EUA e para as reivindicações brasileiras de financiamento?
bibliografia
Bibliografia
  • MALAN, Pedro. Relações Econômicas Internacionais do Brasil. PUC – Rio de Janeiro
ad