Parasitologia ascarid ase
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 36

Parasitologia - Ascaridíase PowerPoint PPT Presentation


  • 190 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Escola Superior da Amazônia – ESAMAZ Curso Superior de Farmácia. Parasitologia - Ascaridíase. Professor MSc. Eduardo Arruda. Ascaridíase. Ascaridíase, Ascaridiose, Ascariose ou Ascaríase; Ascaris lumbricoides ; Grego: “Askaris” (Certo verme intestinal);

Download Presentation

Parasitologia - Ascaridíase

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Escola Superior da Amazônia – ESAMAZ

Curso Superior de Farmácia

Parasitologia - Ascaridíase

Professor MSc. Eduardo Arruda


Ascaridíase

  • Ascaridíase, Ascaridiose, Ascariose ou Ascaríase;

  • Ascaris lumbricoides;

  • Grego: “Askaris” (Certo verme intestinal);

  • A.lumbricoides, A.suun (porcos), Toxocara canis (Cães: Larva migrans visceral);


Ascaridíase

  • Ascaridiase + Tricurose + Enterobiose = Mais frequentes;

  • A.lumbricoides: Mais frequente ( ovos);

  • 30% População mundial;

  • 80% até 10 anos;

  • Sintomas: 10%;

  • Mortes: 0,03%;

  • Melhor saneamento básico;


Ascaridíase

  • OMS (2008):

    • 1,2 bilhões de infectados;

    • 400 milhões sintomáticos;

  • África, Ásia, Oceania e Américas;

  • Grande problema de saúde pública.


Morfologia

  • Helminto longo: acima de 20 cm;

  • Grande número do parasitos: menor;

  • Cilíndricos, brilhantes e de cor branco- rosada;

  • Extremidade anterior: Boca (3 lábios fortes), esôfago cilíndrico, intestino retilíneo, reto e ânus (posterior).


Morfologia


Morfologia - Fêmea

  • 35 – 40 cm;

  • 5,0 mm de largura;

  • Extremidade posterior retilínea;

  • Vulva, vagina, 2 ramos uterinos e 1 ovário (1m);

  • 27 milhões de óvulos / 200 mil ovos por dia.


Morfologia - Macho

  • 20 – 30 cm;

  • 3,0 - 4,0 mm de largura;

  • Dimorfismo sexual (encurvamento de cauda);

  • Cloaca, 2 espículos curvos e grosso, canal ejaculador e testículos.


Morfologia Fêmea x Macho


Morfologia Fêmea x Macho


Morfologia - Ovos

  • 3 membranas (resistência);

  • Membrana externa (mucopolissacarídeo): mamilonada (abacaxi);

  • Viável por 6 anos em solo úmido;

  • Congelamento, temperaturas de inverno e períodos de dessecação;


Morfologia - Ovos

  • Quando isoladas ou mais numerosas que os machos, as fêmeas podem por ovos inférteis, mais alongados, que não embrionam;

  • Férteis: Arredondados;

  • Inférteis: Alongados;

  • Intestino: cinza / castanha.


Morfologia – Ovos


Habitat

  • Verme adulto: Jejuno e Íleo;

  • Alto parasitismo: Todo o intestino;

  • Presos na mucosa (fortes lábios);

  • Enovelados (verme – verme);

  • Muitos ovos> Ação espoliativa> Nutrientes (proteínas, carboidratos, lipídios e vitaminas A e C).


Habitat


Ciclo Biológico

  • Monoxeno;

  • Fêmea expele: Ovos L1;

  • 20 dias: L2;

  • 30 dias: L3 (infectante);

  • Alguns autores (L2);

  • Ovos infectantes por meses;


Ciclo Biológico

  • Ingerido> Intestino delgado (eclodem)> Intestino grosso> Circulação> Fígado> Coração> Pulmões (após 8 dias L4)> Alvéolos (L5)> Traquéia> Laringe> Faringe (expelidas ou deglutidas)> Intestino delgado (30 dias / adultos)> 60 dias após ingestão/ fêmeas/ ovos;

  • Vermes adultos: 2 anos;

  • Ciclo pulmonar: Ciclo de Looss (pesquisador).


Ciclo Biológico


Ciclo Biológico


Patogenia

  • Larvas:

    • Elevado;

    • Pontos ou túneis hemorrágicos e necróticos no fígado;

    • Hemorragia nos brônquios;

    • Criança (Síndrome de Loeffer): Reação alérgica (tosse, dispnéia, eosinofilia).


Patogenia

  • Vermes Adultos:

    • 03 – 04 vermes: Assintomático;

    • Eliminam vermes em fezes ou exames rotineiros;

    • 30 – 40 vermes ou > 100: Diversas alterações;

    • Cólicas, perda de peso, insônia, manchas brancas na pele (alto consumo de vitamina A e C: despigmentação);

    • Crianças: Aumento do volume abdominal, palidez e tristeza.


Patogenia

  • Vermes Adultos:

    • Ação Espoliativa: Proteínas, carboidratos, vitamina A e C (desnutrição);

    • Ação Mecânica: Obstrução do Íleo e irritação da parede intestinal;


Patogenia

  • Vermes Adultos:

    • Ação Ectópica: Migração para apêndice, colédoco, olhos e boca.

      • Região amazônica: 903 apêndices removidos (1972 – 1976): 289 (32%) / 200: 80 (40%);


Patogenia


Caso Clínico

  • Paciente de 1 ano de idade, residente em área rural de Sete Lagoas (MG), vítima de desnutrição acentuada apresentou episódio súbito de vômitos aquosos, com grande quantidade de vermes adultos de A. lumbricoides no conteúdo do vômito. Não houve relato de eliminação nasal do verme durante os episódios de vômito. Foi atendida em clínica pediátrica da EMPREMED em Sete Lagoas (MG) e liberada para tratamento domiciliar e acompanhamento ambulatorial. Posteriormente foi levada por sua mãe para consultório oftalmológico no Centro Oftalmológico de Minas Gerais em Belo Horizonte devido a epífora (lacrimejamento contínuo) intensa no OD.


Caso Clínico

  • Ao exame oftalmológico apresentava hiperemia conjuntival universal no OD e excesso de secreção purulenta e viscosa no local com a parte anterior de um verme se exteriorizando pelo ponto lacrimal inferior direito (figuras 1 e 2).

  • Realizado breve sedação anestésica na criança e o verme foi retirado do canalículo lacrimal inferior por simples tração pausada, para evitar a ruptura do verme no interior do canal lacrimal do paciente. Rinoscopia anterior foi realizada previamente, não se identificando o verme na cavidade nasal.


Caso Clínico


Caso Clínico

  • Chama-se "Ascaris errático" ao verme que se localiza em habitat anormal, como no apêndice cecal (causa apendicite aguda), canal colédoco (sintomas hepatobiliares), boca, narinas etc.

  • No caso descrito, a presença ectópica do Ascaris foi no ducto nasolacrimal, saco lacrimal e ducto lacrimal inferior do OD da criança. Caso semelhante foi relatado por Kanapumbi e Lubeji 11 no Zaire em 1996 em uma criança de 9 meses de idade acometida por uma obstrução do canal lacrimal pelo helminto.


Caso Clínico

  • Obstrução nasolacrimal em criança: Ascaris lumbricoides como uma causa incomum;

  • Ernesto Helder Palma Araújo & Sérgio Schneider Guimarães;

  • ARQ. BRAS. OFTALMOL. 63(5), OUTUBRO/2000.


Diagnóstico

  • Exame de fezes (milhares de ovos);

  • Sedimentação espontânea;

  • Sedimentação por centrifugação.


Epidemiologia

  • Norte/Nordeste: 05 – 14 anos (25,1%);

  • Fatores sociais, econômicos e culturais;

  • Fatores ambientais (temperatura, umidade, solo etc.);

  • Distribuição geográfica: Mundial;


Epidemiologia

  • Fonte de infecção: Humanos;

  • Forma de transmissão: Ovos larvados;

  • Veículo de transmissão: Poeira, mosca, alimentos, água;

  • Via de penetração: Boca.


Profilaxia

  • Educação sanitária;

  • Instalação de serviços de água e esgoto tratado.


Tratamento

  • Várias drogas: Preço e sensibilidade;

  • Albendazol: Larvas e vermes adultos;

    • 400 mg: crianças (2 doses) / adultos (dose única);

    • Fase pulmonar: repetir após 15 dias;

  • Mebendazol: 100 mg 2x/ dia (3 dias);

  • Pamoato de Pirantel: 10mg/ Kg/ dia (dose única)


Tratamento

  • Obstrução intestinal: suspender a dieta, Óleo mineral (15- 30 ml) 4/4h + Piperazina 100mg/ Kg/ dia;

  • Sem reversão: Cirúrgica.


  • Login