XXIV Congresso de Iniciação Científica da UNESP
Download
1 / 1

XXIV Congresso de Iniciação Científica da UNESP Aplicação do Método AHP - Comparação entre Escalas - PowerPoint PPT Presentation


  • 104 Views
  • Uploaded on

XXIV Congresso de Iniciação Científica da UNESP Aplicação do Método AHP - Comparação entre Escalas. Juliana Lie Mendonça Hatakeyama, Victor José Carvalho Pereira, Orientador: Maurício César Delamaro, Campus de Guaratinguetá. Palavras Chave: Método AHP, Tomadas de Decisão, Comparação Escalas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' XXIV Congresso de Iniciação Científica da UNESP Aplicação do Método AHP - Comparação entre Escalas' - brandon-hopper


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

XXIV Congresso de Iniciação Científica da UNESP

Aplicação do Método AHP - Comparação entre Escalas

Juliana Lie Mendonça Hatakeyama, Victor José Carvalho Pereira, Orientador: Maurício César Delamaro, Campus de Guaratinguetá

Palavras Chave: Método AHP, Tomadas de Decisão, Comparação Escalas.

Objetivos

  • Estética;

  • Manutenabilidade;

  • Efeito Demonstrativo;

  • Integração com o Meio Ambiente;

  • Funcionalidade;

  • Os resultados dos julgamentos foram coletados e analisados pela ferramenta Microsft Excel.

O objetivo dessa pesquisa é a realização de uma comparação entre duas escalas (Saaty e Fixa) através da utilização do método AHP para auxiliar na avalição de 4 projetos conceituais.

Introdução

  • Em São Luiz do Paraitinga, de 12 a 16 de setembro de 2011, reuniram-se no Parque Estadual da Serra do Mar (PESM), especialistas de diversas áreas do conhecimento, docentes e alunos de diversos cursos da UNESP (Administração Pública, Arquitetura, Direito, Geografia, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Jornalismo, Matemática e Turismo).

  • O objetivo foi a elaboração de projetos conceituais para um futuro Centro de Visitantes do Núcleo Santa Virgínia do PESM. Após este período de imersão e um esforço adicional de detalhamento, chegou-se a 4 projetos conceituais.

  • Aí, foram levantadas as seguintes questões:

  • Qual o melhor projeto?

  • Quais os critérios para se avaliar os projetos?

  • Quais as características desejadas para o Centro de visitantes?

  • Quem deve opinar e decidir?

  • Seria mais importante uma decisão imediata ou uma avaliação que pudesse servir de subsídio para revisão e melhoria dos projetos iniciais?

  • Para lidar com este problema complexo, utilizou-se o método AHP, de duas formas distintas. Essas duas formas são aqui expostas e uma comparação entre elas é realizada.

Resultados e Discussão

A seguir, apresentam-se as sínteses das avaliações pelas duas formas.

  • A análise desses resultados nos mostra que:

  • Ambas as escalas traduzem a mesma preferência (Projeto “A” é o melhor avaliado);

  • Amplitude da escala fixa é menor quando comparada a escala Saaty;

  • Atribuição de notas semelhantes à escala fixa, por não ser uma escala comparativa como a do Saaty;

  • Devido a diferentes amostras nas avaliações das duas escalas, a opinião dos diferentes grupos pode interferir no resultado.

  • Deve-se ressaltar também que o tempo destinado à aplicação das duas escalas não foi o mesmo, a escala do Saaty leva muito mais tempo por ser um processo mais complexo, devido à comparação de dois a dois.

Material e Métodos

A primeira forma utilizou a escala proposta por Saaty, apresentada a seguir, em que se faz a comparação de projetos dois a dois para cada um dos critérios de julgamento.

Conclusões

Conclui-se que a escolha da escala deve ser de acordo com os propósitos do decisor. Portanto, embora a escala do Saaty seja mais precisa, ela demanda mais tempo para se realizar cada julgamento, pois seus métodos não são de fácil entendimento. Já a escala fixa, demanda menos tempo, é de fácil aplicação e entendimento, mas de restrita confiabilidade.

A segunda forma utilizou uma escala fixa de notas, de 1 a 9, em que cada projeto recebe uma nota para cada um dos critérios de julgamento.

Os julgamentos dos projetos foram realizados por diferentes grupos: gestores do NSV, gestores municipais, docentes e alunos da UNESP e membros do Conselho Consultivo do NSV. Sendo que os docentes e alunos da UNESP realizaram os julgamentos apenas pela primeira forma (escala Saaty). Já os demais grupos, utilizaram as duas formas.

Os Critérios utilizados para os julgamentos dos projetos foram:

Bibliografia

Salomon, V. A. P, , Desempenho da Modelagem do Auxílio à Decisão por Múltiplos Critérios na Análise do Planejamento e Controle da Produção, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

SHIMIZU, T. Decisão nas Organizações. 2a. edição. São Paulo: Editora Atlas S. A., 2006.

LIMA-GUIMARÃES, S. T. (2011). Aspectos da percepção e valoração de paisagem do Núcleo Santa Virgínia, Parque Estadual da Serra do Mar, (SP), Brasil. OLAM – Ciência & Tecnologia. XI, (11), 2, 228-249.


ad