Poxa! Que Saudades
Download
1 / 11

Arte e Sonho Virtual - PowerPoint PPT Presentation


  • 95 Views
  • Uploaded on

Poxa! Que Saudades. Autor? Qualquer um de nós. Arte e Sonho Virtual. Design: Helio Galvão. Ando com saudades de café com pão. De namorados dando beijinhos no portão. De pedir bênção a pai e mãe. (Deus te abençoe) Do sinal-da-cruz que fazia quando passava na frente da igreja.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Arte e Sonho Virtual' - binta


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Poxa! Que Saudades

Autor?

Qualquer um de nós

Arte e Sonho Virtual

Design: Helio Galvão


Ando com saudades de café com pão.

De namorados dando beijinhos no portão.

De pedir bênção a pai e mãe.

(Deus te abençoe)

Do sinal-da-cruz que fazia quando passava

na frente da igreja.

De ver um varal cheio de roupa,

com cheiro apenas de sabão.


De ver alguém sorrindo enquanto, lava a louça com bucha vegetal.

De sentir respeito pela polícia.

De cantar o Hino Nacional, com mão no peito e lágrimas nos olhos;

De acreditar que o Brasil ganhoua Copa do Mundo porque jogou direito.

De saber que o Zezinho, filho do porteiro, não vai morrer de dengue.


E que Maria feirante poderá ter um filho médico. vegetal.

Saudades de homens que usavam apenas o assobio

como galanteio.

Fiu-fiu!

Morro de saudades do tempo em que um presidente de uma nação era o mais respeitado cidadão do país.


Que cadeia era lugar só de ladrão. vegetal.

Acho que andaram invertendo a situação.

Ando com saudades de galinha de galinheiro.

De macarrão feito em casa,

com tempero sem agrotóxico;

De só poder tomar guaraná em dia de festa.

De homens de gravatas.

De novela com final feliz.


De pipoca doce de pipoqueiro; vegetal.

De dar bom-dia à vizinha;

De ouvir alguém dizer obrigado

Ao motorista e ele frear devagarzinho,

preocupado com o passageiro.

Saudades de gritar que a porta está aberta para os que chegam.      

Um saco destrancar tanto papaiz.


Saudades do tempo em que educação não era confundida com autenticidade.

Hoje, se fala o que quer em nome de uma "tal" verdade e pedir perdão virou raridade.

Ando com saudades de ver no céu pipas não atingidas pelo efeito estufa.

Saudades das chuvas sem acidez, que não causavam aridez.


Saudades de poder viajar sem medo. autenticidade.

De homem-bomba, de ser recebida com pompa em outra nação.

Atualmente, reina a desconfiança no coração.

Sinto muitas saudades.

Do rubor das faces de minha mãe quando se falava de sexo.

Totalmente sem nexo.


Hoje, ele é tão banal que até eu banalizei. autenticidade.

Acho que a maior saudade que tenho é a saudade de tudo que acreditei.

Para meus filhos não poderei deixar sequer a esperança.

Hoje, já não se nasce criança.


Poxa! Que Saudades autenticidade.

Autor?

Qualquer um de nós

Arte e Sonho Virtual

Design: Helio Galvão


ad