TÍTULO
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 15

TÍTULO PowerPoint PPT Presentation


  • 80 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

TÍTULO. O Outro. Sérgio Biagi Gregório. O Outro Introdução. A finalidade deste estudo é refletir sobre o relacionamento entre o nosso "eu" e os " eus " de outras pessoas. Quem é o outro? Como distinguir o meu "eu" do "eu" dos outros?

Download Presentation

TÍTULO

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


T tulo

TÍTULO

O Outro

Sérgio Biagi Gregório

O Outro


O outro introdu o

O OutroIntrodução

A finalidade deste estudo é refletir sobre o relacionamento entre o nosso "eu" e os "eus" de outras pessoas.

Quem é o outro?

Como distinguir o meu "eu" do "eu" dos outros?

Que tipo de "outro" estamos sendo para os "outros"?

O Outro


O outro conceito

O OutroConceito

  • Outro

Do latim alteru (outro entre dois) significa diverso do primeiro, diferente de pessoa ou coisa especificada.

Para Sartre, "o outro é o eu que não sou eu".

A qualidade das relações que o homem trava com o outro depende não apenas da simpatia de que é investida, mas também, do conhecimento recíproco dos protagonistas.

O Outro


O outro considera es iniciais

O OutroConsiderações Iniciais

Desde o início da filosofia o problema do outro e do diverso esteve em destaque.

O pensamento de Parmênides era o pensamento do Mesmo (identificado com o Ser), o de Heráclito parece ter sido o do Outro.

Platão introduziu o Não-ser sob a forma de o Outro.

Na filosofia moderna e contemporânea, o problema do outro indica o problema da existência de outros eus (espíritos ou pessoas), independentes do eu que formula o problema.

Presentemente, as Universidades e escolas de ensino médio dos EUA incluem em seus currículos uma disciplina que ensina os alunos a se relacionarem melhor, especificamente o relacionamento entre casais.

Em termos científicos, há comprovação de que o sofrimento de pessoas queridas pode realmente nos atingir.

Para isso, a UniversityCollegeLondon, na Inglaterra, avaliou 16 casais, utilizando uma máquina de ressonância magnética e eletrodos.

O Outro


O outro algumas posi es filos ficas

O OutroAlgumas Posições Filosóficas

  • Levinas é o Filósofo da Alteridade

Para Levinas, o Outro não é o distante, o estranho, e muito menos o impessoal.

O Outro é universo epifânico e dialogal.

O milagre consiste em que um homem possa ter sentido para outro homem. E valoriza a presença do Outro.

Levinasestabelece a relação entre ética e ontologia.

"Ser-Outro é mandamento, é apelo à responsabilidade. É minha responsabilidade perante a face que me olha”. (Arduini, 2002, cap. VIII)

O Outro


O outro algumas posi es filos ficas1

O OutroAlgumas Posições Filosóficas

  • A Conspiração de Teilhard de Chardin

Conspirar é aspirar com os outros.

É formar constelação de agentes em torno de uma causa.

Teilhardde Chardin salienta que conspiração é a aptidão de diversas consciências que se juntam para construir um Todo, onde cada pessoa tem consciência de sua participação como todos os outros... Conspiração de unidades pensantes. É imperioso tecer a rede de solidariedade mundializada. (Arduini, 2002, cap. VIII)

O Outro


O outro algumas posi es filos ficas2

O OutroAlgumas Posições Filosóficas

  • Fichte e o Dever

Fichte, em Doutrina Moral (1798), afirma o caráter originário da ideia do dever, da qual deriva o reconhecimento dos outros eus.

A ideia do dever é a autodeterminação originária do eu, mas ela não poderia ser realizada se não existissem outroseus, outros sujeitos em face dos quais, somente, a ideia do dever pode ter a sua determinação e, portanto, possibilidade de realização.

O Outro


O outro solidariedade

O OutroSolidariedade

Aspectos Negativos do Outro

Aspectos Positivo do Outro

O "outro" ocluso é hermético, o "outro" desconhecido é distante, o "outro" ameaçador inspira desconfiança, o "outro" prepotente esmaga os subalternos, o "outro" violento é agressivo, o "outro" egocêntrico encastela-se em seus próprios interesses...

O "outro" diferente revitaliza a sociedade, o "outro" companheiro caminha conosco por estradas planas e esburacadas, o "outro" solidário é pessoa com quem se pode contar nas horas de alegria e de tristeza, o "outro" aliado assume as causas legítimas da justiça (Arduini, 2002, cap. VIII)

O Outro


O outro solidariedade1

O OutroSolidariedade

  • Narcisismo

Narciso vem do grego "Nárkissos". Indica torpor, é "Narco". Daí o "narcótico".

Conta o mito que Narciso era filho do rio Cesifo e da ninfa Liríope. Narciso não correspondeu ao amor de Eco. Por isso, Afrodite condena-o a mirar-se nas águas. Debruça-se sobre o rio e fica encantado com sua beleza refletida na água. Acaba enamorando-se de si mesmo.

Narciso amava a si mesmo e desprezava o amor dos outros.

Narciso sobrevive na mentalidade e nas atitudes das sociedades.

Há setores que estimulam o individualismo psicológico, econômico e social. (Arduini, 2002, cap. VIII)

O Outro


O outro solidariedade2

O OutroSolidariedade

  • Responsabilidade

Cada pessoa tem a responsabilidade de ser caminho para os outros. É injusto excluir outros do caminho.

Pergunta-se: estamos criando condições de potencializar o nosso próximo? Predispomo-nos a ouvi-lo com atenção? E se for um homem iletrado? Temos para com ele o respeito de um ser humano?

A responsabilidade não diz respeito somente ao ser humano, mas também em relação ao meio ambiente.

Hoje, são muitas as empresas que se preocupam com o que produzem, com o tipo de lixo que estão descartando, com as condições de trabalho de seus funcionários etc.

O Outro


O outro reflex o em torno do evangelho

O OutroReflexão em Torno do Evangelho

  • Parábola do Bom Samaritano

É um paradigma para o estudo da caridade.

Nela, um homem que descia de Jerusalém para Jericó, caiu nas mãos de ladrões que o despojaram, cobriram-no de feridas e se foram, deixando-o semimorto.

Passaram pelo mesmo caminho um sacerdote, um levita e um Samaritano.

Os dois primeiros desviaram-se do homem enfermo;

o Samaritano, porém, foi tocado de compaixão, pensou-lhes as feridas e o conduziu a uma hospedaria.

Nesta passagem, Jesus quis nos mostrar que a prática da caridade não está atrelada a religião, mas pertence ao íntimo do ser, pois o Samaritano, que era considerado herege mostrou-se mais caridoso do que aqueles que tinham o conhecimento da religião organizada.

O Outro


O outro reflex o em torno do evangelho1

O OutroReflexão em Torno do Evangelho

  • Fazer ao Outro o que Gostaríamos que nos Fizesse

Esta frase tem cunho de uma ordem.

Ela está ligada a uma outra que diz: "Amai ao próximo como a si mesmo".

Quer dizer, o outro é o nosso próximo e o próximo mais próximo é o nosso familiar, aquele que convive conosco, sob o nosso teto.

O Outro


O outro reflex o em torno do evangelho2

O OutroReflexão em Torno do Evangelho

  • O Problema Difícil

O mais intricado problema do mundo é o de cada homem cuidar dos próprios negócios, sem intrometer-se nas atividades alheias.

Para ilustrar esta tese, o Espírito Néio Lúcio conta a história de um sábio e as ordens dadas aos seus três filhos, em razão da discussão sobre o problema mais difícil para alcançar o progresso espiritual. O pai, para tornar prático o ensinamento, propõe-lhes a tarefa de levar algumas dádivas ao palácio do príncipe governante: o primeiro seria o portador de rico vaso de argila preciosa; o segundo levaria uma corça rara; o terceiro transportaria um bolo primoroso da família.

No caminho, cada irmão ficou preocupado com a tarefa do outro. Assim, O que carregava a corça, preocupado com o condutor do vaso, descuida da própria tarefa e tenta ajudar a posição do vaso. Com isso, o vaso cai e quebra-se. Com o choque, o condutor da corça perde o controle do animal, que foge espantado. O carregador de bolo avança para sustar-lhe a fuga, internando-se no mato e o bolo espatifa-se no chão.

Desapontados, voltam à casa materna sem terem cumprido a obrigação. O sábio disse-lhes: se cada um de vocês estivesse vigilante na própria tarefa, não colheriam as sombras do fracasso. (Xavier, 1966, cap. 36)

O Outro


O outro conclus o

O OutroConclusão

O eu não existe sem o outro. Tudo o que fazemos, por mais insignificante que seja, é sempre direcionado ao outro. Mesmo o maior dos egoístas, quando desencarna a sua riqueza a sua herança vai para as mãos de seus descendentes.

O Outro


O outro bibliografia consultada

O OutroBibliografia Consultada

ARDUINI, Juvenal. Antropologia: Ousar para Reinventar a Humanidade. São Paulo: Paulus, 2002. (Coleção estudos antropológicos)

XAVIER, F. C. Jesus no Lar, pelo Espírito Néio Lúcio. 5. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1966.

Texto em HTML:

http://www.sergiobiagigregorio.com.br/filosofia/o-outro.htm

O Outro


  • Login