Simp sios sa de brasil portugal 200 anos
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 59

SIMPÓSIOS SAÚDE BRASIL - PORTUGAL - 200 ANOS - PowerPoint PPT Presentation


  • 70 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

SIMPÓSIOS SAÚDE BRASIL - PORTUGAL - 200 ANOS -. Situação de Saúde no Brasil. Gerson Penna Secretário de Vigilância em Saúde. - Brasil, Rio de Janeiro, Julho de 2008 -. Aplicação. ação. Avaliação. dado. conhecimento. Entendimento i nterpretação. Análise. informação.

Download Presentation

SIMPÓSIOS SAÚDE BRASIL - PORTUGAL - 200 ANOS -

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

SIMPÓSIOS SAÚDEBRASIL - PORTUGAL - 200 ANOS -

Situação de Saúde no Brasil

Gerson Penna

Secretário de Vigilância em Saúde

- Brasil, Rio de Janeiro, Julho de 2008 -


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Aplicação

ação

Avaliação

dado

conhecimento

Entendimento

interpretação

Análise

informação

Análise de Situação de Saúde


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

1. Melhoria e ampliação das fontes de dados

2. Produção sistemática de indicadores

3. Análises de tendências e de cenários prospectivos

4. Apoio ao uso de evidências na gestão em saúde

5. Avaliação de ações, programas e

políticas de saúde

Análise de Situação de Saúde:

Aplicações


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Transição Demográfica

Queda da Taxa de FecundidadeBrasil, 1940 - 2008

Estatísticas Mundiais em Saúde - 2006

(OMS - 2008):

Argentina2,3

Chile1,9

Canadá1,5

Cuba1,5

França1,9

Brasil 2,1

Fonte: Censos Demográficos, 1940 a 2000 e PNAD 2004 e 2005.


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Transição Demográfica

Pirâmide Populacional, 1980 – 2050

2000

1980

2050

2025


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Transição Demográfica

Expectativa de Vida Segundo o Sexo,

1980, 1991, 2000 e 2005

Fonte: IBGE/DPE/Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica.


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Transição Epidemiológica

Mortalidade Proporcional no Brasil, 1930 - 2005

Fonte SVS - 2005 - Até 1970, os dados referem-se apenas às capitais


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Transição Nutricional

Tendência do Sobrepeso no Brasil, 1975 – 2007

Tendência da Obesidade no Brasil, 1975 - 2007

Fonte: IBGE, VIGITEL (apenas nas capitais)


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Monitoramento de Fatores de Risco e Proteção para DCNT

Fatores de Risco na População Adulta das Capitais, Brasil. VIGITEL 2007.

70

50

Fonte: SVS / MS


Propor o de pessoas que referiram doen a cr nica idade brasil 1998 e 2003 pnad

Percepção de Doença

Proporção de Pessoas que Referiram Doença Crônica / Idade - Brasil 1998 e 2003. PNAD

Fonte: PNAD. Dra Claudia Travassos. DIS/CICT/FIOCRUZ


Taxa de mortalidade padronizada 100 mil hab de diabetes mellitus brasil 1996 2006

Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Taxa de Mortalidade Padronizada /100 mil hab de Diabetes Mellitus - Brasil, 1996 - 2006

Mortalidade por 100 mil hab.

México (Barquera, 2000)74,4

USA (CDC, 2004)24,5

Brasil (MS-SVS, 2004 )78,5

Fonte: SVS / MS


Taxa de mortalidade padronizada 100 mil hab de doen as do aparelho circulat rio brasil 1996 2006

Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Taxa de Mortalidade Padronizada /100 mil hab de Doenças do Aparelho CirculatórioBrasil, 1996 - 2006

Estatísticas Mundiais em Saúde – 2005

(OMS - 2008):

Argentina212

Chile165

Canadá141

Cuba 215

França 118

Brasil 155

Fonte: SVS / MS


Taxa de mortalidade padronizada de c ncer de pulm o 100 mil hab brasil 1996 2006

Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Taxa de Mortalidade Padronizada de Câncer de Pulmão/ 100 mil hab. Brasil, 1996 - 2006

Fonte: SVS / MS


Taxa de mortalidade padronizada de c ncer de colo do tero 100 mil hab brasil 1996 2006

Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Taxa de Mortalidade Padronizada de Câncer de Colo do Útero /100 mil hab. Brasil, 1996 - 2006

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

DCNT

Nº de Casos Novos de Câncer, Segundo Localização

Brasil, estimações para 2008

Nº ABS.

Fonte: Estimativa 2008: Incidência de câncer no Brasil. INCA.


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Tipos de Câncer mais Incidentes e Taxas Brutas / 100 mil *, ** Segundo o Sexo, Brasil, Estimações para 2008

* Por 100 mil homens. ** Por 100 mil mulheres

Fonte: Estimativa 2008: Incidência de câncer no Brasil. INCA.


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Aids

Municípios com Pelo Menos 1 Caso de Aids.

Brasil, 1990 - 2007

1990-1995

1996-2000

2001-2007

Fonte: SVS / MS


Taxa de incid ncia 100 mil hab segundo regi o de resid ncia e ano de diagn stico brasil 1995 2006

Aids

Taxa de Incidência /100 mil hab.Segundo Região de Residência e Ano de Diagnóstico. Brasil, 1995 - 2006*.

Fonte: SVS / MS


Raz o de sexo h m dos casos segundo o ano de diagn stico brasil 1985 2007

Aids

Razão de Sexo (H:M) dos Casos Segundo o Ano de Diagnóstico. Brasil, 1985 - 2007

Fonte: SVS / MS


Coeficiente de mortalidade p 100 mil hab padronizado brasil 1996 2005

Aids

Coeficiente de Mortalidade P/ 100 mil hab.Padronizado. Brasil, 1996-2005

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Aids

Transmissão vertical

HIV e da Sífilis

Fábrica de Xapurí

Abril de 2008

Produção inicial 2008

100 milhões de unidades

Feminização

Prevenção nas Escolas


Acesso a tratamento arv 94 8 cobertura 95 3 em mulheres e 94 5 em homens

Aids

Acesso a Tratamento ARV94,8% Cobertura (95,3% em Mulheres e 94,5 em Homens)

Proporção de pessoas vivendo com aids, diagnosticadas em 2000, por ano após o diagnóstico. Brasil, 2000 a 2005

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Aids

90 (36%)

RESULTADOS

PROJETO

BIRD

NACIONAL

% ORÇ. PN

160 (64%)

Consolidação do Programa.

AIDS I

94-98

68,5%

AIDS II

99-03

90 (36%)

165 (55%)

Ampliação da cobertura e

qualificação dos serviços.

16%

Sustentabilidade e

descentralização do Programa.

9%

AIDS III

04-07

100 (50%)

100 (50%)

Estruturação da governança

em DST/Aids

AIDS SUS

09-12

67 (33%)

2%

133 (67%)

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Sífilis

Situação em relação aos testes de sífilis

N

%

Pré-Natal

Parto

Fez e tem cartão

1 teste

2 testes

Sim

Sim

Sim

Sim

2283

14,1

Sim

Sim

Sim

Não

449

2,8

Sim

Sim

Não

7774

48,1

Sim

Sim

Sim

Não

Não

1631

10,1

Sim

Não

Não

Sim

1505

9,3

Sim

Não

Não

Não

394

2,4

Não

Sim

1703

10,5

Não

Não

417

2,6

Total

16156

100,0

Distribuição de Freqüências por Situação em

Relação ao Teste de Sífilis no Pré-Natal. Brasil, 2006

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Tuberculose

Incidência TB por UF - Brasil, 2006

  • 81 mil casos/ano – 4,5 mil mortes

  • 9ª causa de internações por D. I

  • 4ª causa de mortes por D.I

  • Maior causa de óbito relacionado a AIDS (1.153 mortes)

  • 70% dos casos em 315 municípios

  • 7ª em gastos com internação (SUS) por D. I

Incidência 40/100 mil hab.

81.286 casos

Fonte: SVS / MS


Incid ncia de tb bk positivos e todas as formas brasil 1999 2006

Incidência de Tuberculose

BK positivos e todas as formas. Brasil 1999

-

2006

51,44

Queda média anual =3,4%

47,81

45,72

45,47

43,95

43,91

43,78

40,1

30,6

Queda média anual = 4,1%

25,2

24,8

24,5

24,2

24

22,8

22,34

1999

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

Positivos

Todas

Linear (Todas)

Linear (Positivos)

Tuberculose

Incidência de TB BK Positivos e Todas as Formas. Brasil, 1999 - 2006

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Hanseníase

Somatório de Casos Novos Acumulado de Hanseníase e Coeficiente de Detecção Geral /10 mil hab,

por Região, Brasil, 2001 - 2006

  • 3 mil pessoas/ano são diagnosticadas com deformidade física

  • Cobertura de 34% de UBS oferecendo diagnóstico e tratamento (14.130/41.105 )

  • A média do percentual de cura no período foi de 90%

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Hanseníase

Coeficiente de Detecção Geral e em < 15 anos

/ 10 mil hab. Brasil, 2001 a 2006.

Fonte: SVS / MS


Sorotipos circulantes brasil 2001 2004 e 2007

Dengue

Sorotipos Circulantes, Brasil, 2001, 2004 e 2007

Nenhum

DEN 1

DEN 1 e 2

DEN 1, e 3

DEN 1, 2 e 3

Nenhum

DEN 1

DEN 1 e 2

DEN 1, e 3

DEN 1, 2 e 3

2004

2001

DEN 3

DEN 1 e 2

DEN 2 e 3

DEN 1, 2 e 3

Sem Informação / sem positividade

2007

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Dengue

Baixo Risco (menor que 100,0)

Médio Risco (100,0 a 300,0)

Alto Risco (maior que 300,0)

Incidência no Brasil, 2008*

  • Assistência - Evitar óbitos

  • Combate ao Vetor - Minimizar epidemias

  • em grandes áreas urbanas

  • Comunicação e Mobilização

  • Envolver a população nas atividades

    de prevenção e controle

  • Campanha baseada em pesquisa,

    contínua e regionalizada

  • ...Problema meu, seu e de todos...

  • Acompanhamento, Avaliação

  • e Sustentabilidade Política

Fonte: SVS / MS até a SE. 23 sujeitos a revisão


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Dengue

Baixo Risco

Médio Risco

Alto Risco

  • População previamente exposta

  • Simultâneidade DENV1/DENV2/DENV3

  • Predomínio de DENV2 em algumas UF

Áreas potenciais

Dengueem 2008

Áreas potenciais

FHD em 2008

  • Baixa incidência 2007

  • Susceptíveis em grandes centros urbanos

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Malária

Mapa do Risco de Transmissão (IPA), Brasil, 2007

Brasil - 456 mil casos

Amazônia - 99,9% da transmissão

IPA: Índice Parasitário Anual

Fonte: SVS / MS - em 03.04.2008


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Malária

Evolução dos Casos Notificados.

Brasil, 1960 - 2007

n. Casos x 1.000

700

600

500

400

300

Casos

falciparum

200

vivax

100

0

anos

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90

91

92

93

94

95

96

97

98

99

0

1

2

3

4

5

6

7

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

coqueluche

tétano

difteria

rotavirus

influenza

poliomielite

sarampo

caxumba

raiva

rubéola

hepatite B

tuberculose

febre amarela

hemófilo

O Programa Nacional de Imunizações - PNI


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Vacina BCG, contra HVB, Poliovírus e DTP+Hib

Coberturas Vacinais (%) por Município de Rotina em Menores de 1 Ano de Idade, Brasil, 2007.

Contra poliomielite

Vacina DTP+Hib

Contra Hepatite B

Vacina BCG

Fonte: SVS /MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Poliomielite

Incidência e Cobertura Vacinal com a VOP*,

em Campanhas Nacionais de Vacinação,

Brasil, 1968 - 2006

Taxa de Incidência por 100.000 hab.

Cobertura Vacinal (%)

* VOP: Vacina oral contra poliomielite.

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Sarampo

Incidência de Casos Autóctones e Cobertura Vacinal, Brasil, 1980 - 2006

N.º casos

%

*1980-2002: <1ano

* A partir de 2003: 1 ano

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Rubéola

Evolução do Surtos de Rubéola, Brasil, 2007

Mar

Mai

Jan

Fev

Abr

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Influenza

Campanha Nacional de Vacinação em Idosos,

Brasil, 1999 - 2007

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Causas Externas

Acidentes de Transportes Terrestres

Distribuição Espacial da Taxa Padronizada Média por Municípios. Brasil, 1989-2006.

1989-1991

1999-2001

2004-2006

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Causas Externas

Acidentes de Transportes Terrestres

Tendência da Taxa de Mortalidade nas Regiões do Brasil, 1990 - 2006

Código de Trânsito Brasileiro

Fonte: SVS / MS


Tend ncia da taxa de mortalidade segundo regi es do brasil 1980 2006

Homicídios

Tendência da Taxa de Mortalidade, Segundo Regiões do Brasil, 1980-2006

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

VIVA

Atendimentos de Emergência Segundo Tipo de Ocorrência e Faixa Etária da Vítima.Serviços Sentinelas, 2007

N = 57.384

Ignorado = 0,8%

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

VIVA

%

50

44,5

45

Quedas

Acid transporte

40

Ferim obj perf-cortante

Choque contra obj/pessoa

35

31,6

Entorse (torção)

30,2

30

Queda obj sobre pessoa

Corpo estranho

25

Acidentes animais

20,6

Queimadura

20

Outros

15

9,1

10

8,1

6,3

6,2

6,1

4,7

4,3

3,7

3,7

3,7

3,6

5

3,3

3,3

3,0

2,3

1,6

0

Masculino

Feminino

Atendimentos de Emergência por Acidentes

Segundo Tipo de Acidente e Sexo da Vítima.

Serviços Sentinelas, 2007

n = 33.696

n = 18.193

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

VIVA

Atendimentos de Emergência por Violência

Segundo Tipo de Violência e Sexo da Vítima.

Serviços Sentinelas, 2007

N = 5.488

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

VIVA

Vítimas de Violências Doméstica, Sexual e Outras Violências (Notificações das Violências)

Tipos de Violências Segundo Grupo Etário. Brasil, 2006-2007

Fonte: SVS / MS


Raz o p 100 mil nv brasil e regi es 1996 2005

Mortalidade Materna

Razão P/ 100 mil NV. Brasil e Regiões, 1996 - 2005

Estatísticas Mundiais em Saúde – 2005 – (OMS - 2008)

:

Argentina77

Chile16

Canadá 7

Cuba 45

França 8

Fonte: SVS / MS


Taxa mix brasil e regi es 1990 2005

Mortalidade Infantil

Taxa MIX, Brasil e Regiões, 1990 - 2005

Fonte: SVS / MS


Distribui o espacial da taxa estimada brasil 1990 2005

Mortalidade Infantil

Distribuição Espacial da Taxa Estimada, Brasil 1990 - 2005

1990

2000

2005

Fonte: SVS / MS


Taxa de mortalidade por doen as diarr icas agudas mix brasil e regi es 1996 2005

Mortalidade Infantil

Taxa de Mortalidade por Doenças Diarréicas Agudas MIX. Brasil e Regiões, 1996 - 2005

Fonte: SVS / MS


Taxa da mortalidade por infec es respirat rias agudas mix brasil e regi es 1996 2005

Mortalidade Infantil

Taxa da Mortalidade por Infecções Respiratórias Agudas MIX. Brasil e Regiões, 1996-2005

Fonte: SVS / MS


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Sistema Nacional de Vigilância em Saúde


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

CIEVS

Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde - CIEVES

Consolida a história: Varíola, Poliomielite, Difteria, Sarampo, Cólera,

Tóxico Infecções alimentares.

Sem Informática, sem laboratório que mudaram normas nacionais


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

CIEVS

Emergências de Saúde Pública

¹ Tempo entre inicio do evento até a sua notificação ao CIEVS

² Tempo entre notificação do evento até sua conclusão


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

IEC/PA

ARBOVIROSES

CPqAM/FIOCRUZ/PE

VÍRUS RESPIRATÓRIOS

AGUDOS

PESTE

HANTAVÍRUS

FILARIOSE

FUNED/MG

HEPATITES VIRAIS

DOENÇA CHAGAS

LEISHMANIOSE

VISCERAL

FIOCRUZ/RJ

IAL/SP

SARAMPO/RUBÉOLA

MENINGITES

BACTERIANAS

HEPATITES

VÍRUS RESPIRATÓRIOS

AGUDOS

LEISHMANIOSE

TEGUMENTAR

HANTAVÍRUS

ENTEROVIROSES

COQUELUCHE

VÍBRIOS E OUTRAS

ENTEROBACTÉRIAS

CRPHF/RJ

DIFTERIA

VÍRUS RESPIRATÓRIOS

AGUDOS

MICOBACTÉRIAS

LEPTOSPIROSE

HANSENÍASE

Inst. Pasteur

RAIVA

Rede Nacional de Laboratórios de Saúde Pública


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Núcleos Hospitalares de Epidemiologia - NHE:

Distribuição por Região Administrativa. Brasil, 2008

2008 – 187 NHE financiados pelo MS

5 NHE financiados pelas SES


Simp sios sa de brasil portugal 200 anos

Obrigado!

Gerson Penna

Secretário de Vigilância em Saúde

[email protected]


  • Login