Avalia es
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 11

Avaliações PowerPoint PPT Presentation


  • 67 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Avaliações. Dia 30/05 (1º C, D, E) Dia 01/06 (1º A, B) A2 – valor 15,o pontos. Matéria: Egito e África Trimestral – trabalho prático Desenho/pintura de uma imagem egípcia obedecendo a lei da frontalidade. Critérios: Qualidade do desenho – 2,0 Qualidade da pintura – 2,0

Download Presentation

Avaliações

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Avalia es

Avaliações

  • Dia 30/05 (1º C, D, E) Dia 01/06 (1º A, B)

    A2 – valor 15,o pontos.

    Matéria: Egito e África

  • Trimestral – trabalho prático

    Desenho/pintura de uma imagem egípcia obedecendo a lei da frontalidade. Critérios:

  • Qualidade do desenho – 2,0

  • Qualidade da pintura – 2,0

  • Arte final (contorno com canetinha preta) – 1,0

  • Espaço – 1,0

  • Capricho – 1,0

  • Aplicação da lei da frontalidade – 3,0


Avalia es

Arte Africana e suas influências

Na cor: para os fauvistas

Interação entre obra e espectador: impressionistas

Paul Klee, representante da corrente expressionismo – simbolismo, cujo quadro Poster para Comediantes (1938) tem analogias concretas com a pintura mangbetu da República Democrática do Congo.


Avalia es

- KLEE, Paul.

Comediante (segunda versão). 1904.

Gravura em água forte. 15,5 x 17 cm.

“O comediante: Máscara grotesca, à frente de um rosto moralmente sério. ...A máscara como obra de arte; atrás dela: o homem”. KLEE, Paul. Diários, p. 172.

42 Op. cit., p. 198.

Mangbetu chefe

fig. 11 - KLEE, Paul.

Cabeça ameaçadora. 1905.

Gravura em água forte. 19,5 x 14,3 cm.


Avalia es

  • Max Ernest, outro famoso expressionista, reproduz na sua Cabeça de Pássaro (1934) uma máscara tusyan, da Costa do Marfim.


Avalia es

Há cem anos, as exposições etnográficas e etnológicas africanas, levadas a cabo em diferentes cidades européias, deram a conhecer as culturas do Continente Negro e influíram de forma decisiva no estilo artístico de pintores e escultores europeus. Fascinados pelas possibilidades técnicas, pelo caráter conceptual e simbólico e pela simplicidade geométrica da arte negra, autores como Cézanne ou Picasso captaram a essência e a mensagem que África oferecia para as novas linguagens artísticas através da carga emocional das suas máscaras e esculturas.

«Toda a gente costuma falar das influências que os negros exerceram em mim… Quando fui ao velho Trocadero queria ir-me embora dali… Mas não ia… Compreendi que algo me estava a acontecer… As máscaras não eram como as outras esculturas… Eram algo mágico, estavam contra tudo, contra os espíritos desconhecidos e ameaçadores. Continuei a observar os fetiches e entendi. Eu também estou contra tudo… Eu também acredito que tudo é desconhecido, tudo é inimigo…»


Avalia es

Les demoiselles d'Avignon : 1907, Óleo sobre tela, Dimensões243.9 cm × 233.7, MoMA

É considerado um quadro pré-cubista, ou o marco do início do cubismo, porém evidenciando também o impacto da arte africana sobre Picasso e a importancia desta para a própria caracterização do cubismo.

Os rostos das personagens refletem o início do "Período Negro" na obra de Picasso,quando este sofre uma forte influência do primitivismo assemelhando-se a máscaras e esculturas africanas


Avalia es

Os africanos

A diversidade cultural da África refletiu-se na diversidade dos escravos, pertencentes a diversas etnias o que trouxeram tradições distintas. Os africanos trazidos ao Brasil incluíram bantos, nagôs e jejes. Os africanos contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade de aspectos. A influência da cultura africana é também evidente na culinária regional, especialmente na Bahia.

Na música a cultura africana contribuiu com os ritmos que são a base de boa parte da música popular brasileira. Gêneros musicais coloniais de influência africana, como o lundo, terminaram dando origem à base rítmica do maxixe, samba, choro, bossa nova e outros gêneros musicais atuais. Também há alguns instrumentos musicais brasileiros, como o berimbau, o afoxé e o agogô, que são de origem africana.


Avalia es

  • Um artista tão singular quanto sua obra: Mestre Didi, baiano de 90 anos, sumo-sacerdote dos cultos ancestrais da religião tradicional afro-brasileira. Ele é o criador de esculturas delicadas, simbólicas, com detalhes coloridas, feitas com material orgânico. Cuja leveza e harmonia têm qualquer coisa de reverência à vida, à arte e à natureza.


Avalia es

Djanira da Motta e Silva (1914-79)

Embora não tivesse sangue negro, dedicou grande atenção à cultura e às tradições africanas. Descendente de índios guaranis e de austríacos, nasceu no interior de São Paulo e foi morar na capital, onde passou uma vida de privações. Aos 23 anos muda-se para o Rio, onde trabalhou como modista e cozinheira, contudo logrou conseguir aulas de pintura com Emeric Marcier e freqüentou o Liceu de Artes e Ofícios. Começou a expor a partir de 1942, com ampla aceitação da crítica e do público. Fez o retrato apaixonado de sua terra e sua gente,sem jamais recorrer ao anedótico, sem concessões ao fácil e ao pitoresco. Nunca se considerou uma pintora ingênua.

Orixás 1966


Avalia es

Rubem Valentim (1922-91) Altar sacral, cerca 1968, madeira pintada, alt. 2,06, col. part.

Rubem Valentim (1922-91)

Sua carreira se projeta a partir de 1942 e dois anos depois expôs na Bahia aquele que é considerado como o primeiro quadro abstrato executado no estado. Foi expositor constante, como pintor e escultor, na Bienais de São Paulo entre 1955 e 1977. Participou da delegação brasileira em dois festivais mundiais de Arte Negra: em Dacar (1966) e em Lagos (1977), com uma arte geométrica ostentando símbolos dos cultos afro-brasileiros.

Minha linguagem plástico-visual signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o peso da Bahia sobre mim - a cultura vivenciada; com o sangue negro nas veias - o atavismo; com os olhos abertos para o que se faz no mundo - a contemporaneidade; criando os meus signos-símbolos procuro transformar em linguagem visual o mundo encantado, mágico, provavelmente místico que flui continuamente dentro de mim.


  • Login