HIV

HIV PowerPoint PPT Presentation


  • 388 Views
  • Updated On :
  • Presentation posted in: General

Total38.6 million [33.4

Download Presentation

HIV

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


1. HIV/AIDS Pelotas/2008

14. Ocorreram no mundo cerca de 14 000 novas infecções/dia pelo HIV em 2004.

15. O Brasil tem, aproximadamente, 597 mil portadores do HIV Na Região Sul a estimativa é de 89 840 a108 029 portadores. Projeto-Sentinela 2001

16. 1980 até dezembro 2005 = 403 mil casos de AIDS Taxa de Incidência Crescente até meados da década de 90. 1998 = 17 casos novos por 100.000 hab.

17. 80% dos casos no Sul e Sudeste 2004 = estimativa de 593 mil pessoa entre 15 e 49 anos vivendo com HIV/AIDS (0,61%). 208 mil mulheres 385 mil homens

18. 172 mil óbitos até dezembro de 2004 até 1995 a curva de mortalidade acompanhava a de incidência = 9,7 óbitos/100 mil hab. Com a política de acesso universal a mortalidade caiu. 2000 = estabilização em 6,3 óbitos/100 mil hab.

20.

21. Manejo clínico HIV/AIDS

22. Manejo clínico HIV/AIDS

23. 1-Diagnóstico de infecção pelo HIV Elisa (anti- HIV) Imunofluorescência Western- Blot antígeno p24 Viremia (PCR-HIV RNA) Cultura viral

24. Fluxograma para detecção de anticorpos anti-HIV em indivíduos com idade > 2 anos

25. Manejo Clínico HIV/AIDS

26. Formas de transmissão:

27. Chance de transmissão do HIV após exposição

28. Prevenção e Controle Uso de preservativos Prevenção em UDIs Prevenção da transmissão vertical Prevenção na exposição ocupacional

29. Manejo Clínico HIV/AIDS

30. 3-Estadiamento da infecção

33. Infecção aguda pelo HIV Freqüência variável: 50 a 90 % 2 a 4 semanas após a exposição Sintomas mais comuns: febre,adenopatias,faringite,mialgias,artralgias,rash, diarréia,cefaléia e fotofobia PERÍODO DE ALTA VIREMIA

34. Infecção assintomática Duração- 3 a 10 anos (média de 5 anos) Exame físico: normal ou linfoadenopatia generalizada persistente

35. Doença sintomática pelo HIV Sinais e sintomas que caracterizam alteração do sistema imune Indica progressão para AIDS

36. Doença Sintomática Candidíase orofaríngea candidíase vulvovaginal persistente displasia cervical grave/carcinoma in situ sintomas constitucionais (febre ou diarréia> 1 mês) leucoplasia pilosa oral herpes zoster (2 episódios distintos ou mais de um dermatoma) púrpura trombocitopenia idiopática DIP (particularmente abscesso tubo-ovariano) neuropatia periférica angiomatose bacilar

37. AIDS Pode ser definida como sendo a manifestação final e mais grave da infecção provocada por um retrovírus, o Vírus da Imunodeficiência Adquirida(HIV), caracterizando-se não apenas por sinais laboratoriais indicativos da presença do vírus mas, também, pela presença de doenças associadas à imunidade celular.

38. IMUNODEFICÊNCIA GRAVE

39. CRITÉRIOS DE CARACAS (total de 10 pontos para diagnóstico clínico)

41. Acompanhamento Ambulatorial do paciente com HIV/AIDS

42. EXAMES COMPLEMENTARES

43. 3-Estadiamento da infecção Exames para avaliar a infecção pelo HIV 1. Dosagem total e percentual de linfócitos CD4/CD8. 2. Carga viral ( quantificação de HIV-RNA no plasma por PCR ).

44. Contagem de Células CD4 Indicações: estadiamento da doença diagnóstico diferencial das queixas do paciente decisões para tratamento anti-retroviral e profilaxia de I.O. Valores normais- 800 a 1 050 /mm3. Pode-se usar valores em porcentagens ( >500 = >29%) Fatores que influenciam CD4 - variações sazonais e diurnas, doenças intercorrentes (TBC, Hepatite B infecções bacterianas, histoplasmose, e grandes cirurgias ) uso de corticosteróides. A contagem de CD4 média para o o aparecimento de doenças indicativas de AIDS é de 60 / mm3.

45. Dosagem plasmática de HIV-RNA Técnicas - HIV RNA PCR , DNA ramificado ou b DNA NASBA (Nucleic acid sequence-based amplification) Limite de detecção-variável conforme o método (inferior a 400 ou a 20- 50 cópias) Utilização-para predizer a progressão da doença e monitorizar a terapêutica anti-retroviral Interpretação - variação acima de 0,3 -0,5 log ( 2 a 3 vezes ) são consideradas significativas Fatores que aumentam a carga viral:1. Progressão da doença 2. Falha da terapêutica anti-retroviral 3. Infecções ativas (TBC, Pneumonia bacteriana) 4. Imunizações

46. Manejo clínico HIV/AIDS

47. 4-Diagnóstico de infecções oportunistas

48. Candidíase

49. Leucoplasia pilosa oral

50. Micoses são freqüentes

51. Herpes zoster

52. Molusco Contagioso

53. Sarcoma de Kaposi

54. Sarcoma de Kaposi

55. Tuberculose

56. Pneumocistose

57. Toxoplasmose Cerebral

58. Manejo clínico HIV/AIDS

63. “O tratamento inicial da infecção pelo HIV é semelhante a um jogo de xadrez ,o médico deve antecipar seus próximos passos. Dependendo do esquema inicial serão possíveis ou não trocas por outros esquemas em caso de resistência .”

67. Esquemas para tratamento inicial: 2 ITRNs + IP -a combinação mais estudada, proporciona supressão viral duradoura. São os esquemas mais complexos com o maior número de comprimidos e de efeitos colaterais, incluindo efeitos metabólicos importantes. Extensa resistência cruzada entre os IPs. 2 ITRNs + 1 ITRNN - exercem um efeito antiretroviral prolongado e importante sem impedir o uso posterior de IPs. Associações de 2 ou 3 ITRNs - São menos potentes.Podem ser utilizados em pacientes com elevações leves ou moderadas na carga viral com pouca capacidade de aderir a medicação.Possibilitam outros esquemas. 1 ITRN + ITRNN + IP- muito potente, falha a este esquema dificulta o uso posterior de outro esquema devido a resistência cruzada.

72. Progressão de AIDS/morte

73. Progressão de AIDS/morte

74. Progressão de AIDS/morte

75. Progressão de AIDS/morte

80. Necessidade de níveis elevados de adesão (>95%) para supressão da viremia (Paterson et al, 2000).

85. 6-Quimioprofilaxia de infecções oportunistas 1- Pneumocistose Indicação- CD4<200 Droga de escolha -SMZ+TMP Alternativas - Pentamidina em nebulização (menos eficaz) Dapsona 2- Tuberculose Indicações- PPD reator - acima de 5 mm contato com TBC Droga de escolha -isoniazida 3-Toxoplasmose Profilaxia primária- SMZ+TMP Profilaxia secundária- pirimetamina + sulfadiazina + acido folínico.

86. Vacinas Vacina antigripal - anual Vacina antipneumocócica - 5 anos Vacina Hepatite B - 4 doses duplas

  • Login