Febre maculosa
Download
1 / 20

Febre Maculosa - PowerPoint PPT Presentation


  • 229 Views
  • Uploaded on

Febre Maculosa. Dr. Marcelo Abreu Ducroquet Reunião Infectologia 23/0/2005. Riquetsias. Agente etiológico.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Febre Maculosa' - andren


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Febre maculosa

Febre Maculosa

Dr. Marcelo Abreu Ducroquet

Reunião Infectologia

23/0/2005



Agente etiol gico
Agente etiológico

  • A doença é causada por uma bactéria intracelular obrigatória Rickettisia rickettsii, que sobrevive brevemente fora do hospedeiro. Os humanos são hospedeiros acidentais, não colaborando com a propagação do organismo.


Vetores e reservat rios
Vetores e reservatórios

  • Os vetores são carrapatos da espécie Amblyomma cajennense. Também são chamados de "carrapato estrela", "carrapato de cavalo" ou "rodoleiro", as larvas por "carrapatinhos" ou "micuins" e as ninfas por "vermelhinhos". São hematófagos obrigatórios, necessitando de repastos em três hospedeiros para completar seu ciclo de vida. O homem é intensamente atacado nas fases de larvas e ninfas.



Hospedeiros
Hospedeiros:

  • Podem ser encontrados em todas as fases em aves domésticas (galinhas, perus), aves silvestres (seriemas), mamíferos (cavalo, boi, carneiro, cabra, cão, porco, veado, capivara, cachorro do mato, coelho, cotia, coati, tatu, tamanduá) e animais de sangue frio (ofídeos).


Reservat rios
Reservatórios

  • A infecção se mantém pela passagem transovárica e transestadial nos carrapatos. Diversos roedores e outros animais ajudam a manter o ciclo da doença.


Transmiss o
Transmissão

  • Ocorre pela picada de carrapato infectado. Para que a bactéria R. rickettsii se reative e possa ocorrer a infecção no homem, é preciso que o carrapato fique aderido por algum tempo - de 4 a 6 horas. Pode também ocorrer contaminação através de lesões na pele, pelo esmagamento do carrapato.




Per odo de incuba o
Período de incubação

  • O homem, após receber a picada infectante, leva de 2 a 14 dias (em média, 7 dias), para apresentar os primeiros sintomas.


Aspectos cl nicos
Aspectos Clínicos

  • Começo súbito com febre de moderada a alta que dura geralmente de 2 a 3 semanas e é acompanhada de cefaléia, calafrios, congestão das conjuntivas. Exantema no 4º ou 5º dia de evolução.

  • Casos mais graves apresentam vasculite (petéquias, plaquetopenia, disfunções orgânicas).


Pele

  • Exantema maculopapular, róseo, nas extremidades, em torno do punho e tornozelo, de onde se irradia para o tronco, face, pescoço, palmas e solas.



Diagn stico diferencial
Diagnóstico diferencial

  • Sarampo, rubéola, dengue clássico, mononucleose infecciosa, sífilis secundária, enteroviroses, borreliose de Lyme e reações de hiperssensibilidade.

  • Dx diferencial das formas graves inclui: leptospirose, doença meningocócica, febre hemorrágica e síndrome do choque da dengue, febre amarela, febre tifóide, sepse, malária grave.


Diagn stico laboratorial
Diagnóstico laboratorial

  • IFI, preferencialmente após o sétimo dia de início dos sintomas.

  • Cultura

  • Imunohistoquímica: material de biópsia.

    Centros de referência: Instituto Adolfo Lutz, PUC Campinas, Hospital Mário Gatti.


Tratamento
Tratamento

  • Doxiciclina 100mg VO de 12/12h por 7 dias.

  • Cloranfenicol 500mg VO de 6/6h por 7 dias.

  • Tetraciclina 500mg VO de 6/6h por 7 dias.

    O tratamento precoce muda radicalmente o curso da doença. A letalidade dos casos não tratados pode chegar a 40%.


ad