Evolu o da pobreza e bem estar em mo ambique
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 44

Evolu ção da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique PowerPoint PPT Presentation


  • 50 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Evolu ção da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique. Ministério do Plano e Finanças Instituto Internacional de Pesquisas Alimentares Purdue University Apresentação feita para a AMECON Setembro de 2004. Objectivos da Apresenta ção.

Download Presentation

Evolu ção da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Evolução da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique

Ministério do Plano e Finanças

Instituto Internacional de Pesquisas Alimentares

Purdue University

Apresentação feita para a AMECON

Setembro de 2004


Objectivos da Apresentação

Disseminar informação sobre os resultados da avaliação dos dados do IAF 2002-2003

Motivar os participantes nesta sala a realizar trabalhos de investigação sobre assuntos de população, desenvolvimento e pobreza


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • Custo de Vida em Lourenço Marques

    • Período do Inquérito: 1956/1957


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • Custo de Vida em Lourenço Marques

    • Período do Inquérito: 1956/1957

    • Publicação do relatório: 1963


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • Custo de Vida em Lourenço Marques

    • Período do Inquérito: 1956/1957

    • Publicação do relatório: 1963

    • Tamanho da amostra: 79 agreg. familiares


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • Custo de Vida em Lourenço Marques

    • Período do Inquérito: 1956/1957

    • Publicação do relatório: 1963

    • Tamanho da amostra: 79 agreg. familiares

    • Por razões de conveniência, os agregados familiares pobres foram excluídos da amostra.


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • Inquéritos no período pós-independência

    • 1981, 1982, 1983, 1984: Inquérito aos Orçamentos Familiares (IOF’s), abrangendo as Cidades Capitais.

    • 1991: Apenas na Cidade de Maputo

    • 1991-1992: Nas cidades capitais (Maputo e Matola), com 4957 agregados familiares.

    • 1994: Inquéritos nas Capitais Provinciais.


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • 1996-97: Inquérito aos Agregados Familiares (IAF 1996-97), teve uma cobertura Nacional, urbano e rural.

    • Trabalho de Campo: 1996-97

    • Publicação do Relatório: Finais de 1998 (1,5 depois)

    • Tamanho da amostra: 8289 agregados familiares

  • Resultados

    • Cerca de 69% da população vivia abaixo da linha da pobreza.

    • A pobreza era mais incisiva nas zonas rurais (71,3%)

    • Incidência da pobreza bastante baixa na região sul, em particular na Cidade de Maputo (47,8%)


Breve Historial sobre os Inquéritos aos Agregados Familiares em Moçambique

  • 2002-2003: Inquérito aos Agregados Familiares (IAF 2002-03), teve uma cobertura Nacional, urbano e rural.

    • Trabalho de Campo: Julho de 2002- Junho de 2003

    • Resultados Preliminares: 2003 ( 6 meses depois).

    • Tamanho da amostra: 8700 agregados familiares


O conceito de pobreza absoluta

  • As pessoas definem a pobreza de várias formas: não ter família, posse de certa quantidade de animais, etc. Um aspecto comum: todos relacionados com o alcance de um nível padrão mínimo de subsistência na sociedade.

  • No IAF: quantum de condições mínimas consideradas necessárias para garantir a subsistência do indivíduo. Medida em termos monetários por meio de linha de pobreza.


Medição da pobreza

  • Linha de pobreza: custo de satisfazer as necessidades básicas mínimas por dia para poder sobreviver. É resultado da soma de uma linha alimentar e linha não alimentar.

  • Linha de pobreza alimentar: custo de satisfazer as necessidades alimentares em termos de calorias tendo como referência o cabaz alimentar de um pobre.

  • Linha de pobreza não-alimentar:custo mínimo de satisfação das necessidades não alimentares básicas.


Medição da pobreza

  • Indice de Incidencia da Pobreza (Head Count Index) - A mais simples e comum medida de pobreza que representa a proporcao de pessoas cujo consumo esta abaixo da linha da pobreza.

  • Indice de Pobreza Diferencial (Poverty Gap Index) – Mede a profundidade da pobreza, definido pela distancia media abaixo da linha da pobreza.


Medição da pobreza

  • Linhas de pobreza baseadas em 13 domínios espaciais.

    1 Niassa & Cabo Delgado _ Rural

    2 Niassa & Cabo Delgado _ Urbano

    3 Nampula _ Rural

    4 Nampula _ Urbano

    5 Sofala & Zambézia _ Rural

    6 Sofala & Zambézia _ Urbano

    7 Manica & Tete _ Rural

    8 Manica & Tete _ Urbano

  • Gaza & Inhambane _ Rural

    10 Gaza & Inhambane _ Urbano

  • Maputo Província _ Rural

    12 Maputo Província Urbano

    13 Maputo Cidade


Medição da pobreza

  • Motivações:

    • Necessidade de separação das zonas.

    • Poucas UPA por província e zonas (urbana e rural).

  • Existem diferenças e semelhanças entre as províncias e zonas dentro das províncias no que diz respeito aos preços dos bens, padrões de consumo, etc. Há famílias gastam mais e outras gastam menos para o mesmo consumo calorico.


Comparando os níveis de bem estar entre 1996 e 2002

  • O objectivo principal: estabelecer comparações.

  • Nível de vida das famílias usando duas abordagens:

    • Cabaz fixo de bens.

    • Cabaz flexível de bens.


Abordagem de cabaz fixo de bens:Vantagens e desvantagens

Vantagens:

  • Fácil e clara.

  • Capta o efeito qualidade nos domínios espaciais onde não ocorreu o efeito substituição.

  • Facilita a comparação.

  • Importa verificar quais as regiões onde esta abordagem poderá ser valida.

    • Fraco efeito substituição

      • Gostos

      • Estabilidade de preços


  • Abordagem de cabaz fixo de bens:Vantagens e desvantagens

    Desvantagens :

    • Não acomodação do efeito substituição.

      Por exemplo, há regiões em que (dado o horizonte temporal) os preços de alguns bens aumentaram mais do que o dobro ao mesmo tempo que os preços de outros bens baixaram, principalmente na zona Norte, provocando uma mudança dos preços relativos.

    • Expansão das linhas da pobreza.

    • Risco de sobrestimação da pobreza.


    Poverty Head count usando o cabaz fixo.


    Poverty Gap usando o cabaz fixo.


    Abordagem de cabaz flexível de bens:Vantagens e desvantagens.

    Desvantagens :

    • Dificuldade em garantir que o cabaz determinado é o cabaz ideal (tem a qualidade necessária).

      Vantagens

    • Acomoda o efeito substituição.

    • La=pi02*qi02, mas NC=qi02*calpgri =qi96*calpgri .


    Condições Necessárias em Gostos Revelados (GR)

    • ∑i p02ir * q96ir  ∑i p02ir * q02ir

    • ∑i p96ir * q02ir  ∑i p96ir * q96ir

    • ∑i p02ir * q02irq ∑ip02ir * q02ir

      Onde:

      r região ou domínio espacial

      i produtos

      rq região comparativa


    Obtendo um cabaz flexivel

    • Processo Iteractivo

      • Definir uma linha da pobreza arbitraria

      • Calcular o cabaz alimentar e consequentemente as linhas da pobreza para essa população.

      • Comparar as linhas da pobreza originais com as novas linhas calculadas.

      • Recalcular o cabaz ate que as linhas da pobreza para a iteração t e t+1 sejam essencialmente as mesmas.


    “Poverty Headcount” usando o cabaz ajustado

    Correl(Hfbundle,MCE) = 0.87


    “Poverty Gap” usando o cabaz ajustado

    Correl(Hfbundle,MCE) = 0.91


    Perfil da Pobreza: Por género.


    Escolaridade do chefe do agregado familiar Escolaridade de adultos


    Pobreza por sector do emprego


    DETERMINANTES DA POBREZA


    Desigualdade entre zonas: rural e urbana

    • Nenhuma mudança na desigualdade nas zonas rurais

    • Pequena variação da desigualdade conduzida pelas mudanças nas zonas urbanas.


    2002-03

    1996-97


    Pobreza Subjectiva

    Como compara a situação económica do agregado familiar em relação a um ano atras?

    Fonte: Relatório Final do IAF


    Pobreza Subjectiva

    Fonte: Relatório Final do IAF


    Características da Habitação


    Facilidades de Saneamento


    Posse de bens duráveis: Bicicleta

    Correlation in differences: -.67


    Posse de bens duráveis: Rádio

    Correlation in differences = -.59


    Número de Refeições por dia

    Correlation with Headcount=-.67


    Constatações entre os dois IAFs

    • Mudanças mais rápidas nas zonas rurais do nas urbanas

    • Famílias rurais continuam as mais desfavorecidas

    • As mudanças nos indicadores correlacionam-se com as mudanças nos índices de pobreza encontrados


    Tendências GlobaisOutras Fontes de Dados

    • Contas Nacionais

      • Crescimento economico rapido

    • Trabalho do Inquérito Agricola (TIA)

      • Crescimento de valor mediano per capita da produção vegetal de 12% entre 1996 e 2002.

      • Crescimento mais rapido da media e de rendimento total de agregado familiares rurais (o rendimento total foi medido so em quatro provincias em 1996).

    • Departamento de Aviso Previa (MADER)

      • Crescimento de produção per capita de cereais de 14% entre 1996 e 2002.

      • Estabilidade de produção per capita de mandioca.

      • Mesmo com uma estimativa da população que parece elevada para 2002.

    • QUIBB 2000-01

      • Indicadores favoraveis a nivel nacional

      • Previsoes de niveis de probeza em 2000-01 de 60,7 com reducoes a nivel urbano e rural.


    Conclusões

    • As taxas de pobreza decresceram entre 1996-97 e 2002-03.

    • Forte redução da pobreza nas zonas rurais (redução do gap).

    • Com base nos dados e conclusões dos IAF's, desenho de melhores políticas.

    • Estimativas do perfil da pobreza indicam que existe uma associação entre pobreza e género do agregado familiar.

    • Investimento (horizontal e vertical) em educação ;


    Conclusões

    • Redução das desigualdes de género.

    • Maiores oportunidades na agricultura e indústria;

    • A desigualdade está aumentar mas não em termos significativos a nível nacional.

    • Resultados consistentes com outras fontes de dados;


    Áreas para Investigação

    • Estatísticas:

      • Como melhorar técnicas de amostragem

      • “Painel de Dados” e Dinâmica da Pobreza

    • Medição da Pobreza:

      • Linhas da Pobreza e Metodologias apropriadas para países como Moçambique

    • População/Desenvolvimento/Pobreza:

      • Vulnerabilidade das famílias

      • Comparações regionais e sub-regionais

      • Desigualdade e acesso a Factores: População/Terra/Educação

      • Analise de Politicas no geral

      • Estrutura da produção e pobreza


    FIM

    Obrigado pela atenção.


  • Login