AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO AUTO CUIDADO EM INDIVÍDUOS COM RISCO PARA TRAUMA
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 11

*Instituto Lauro de Souza Lima – Bauru/SP ** Faculdades Integradas de Jaú /SP PowerPoint PPT Presentation


  • 101 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO AUTO CUIDADO EM INDIVÍDUOS COM RISCO PARA TRAUMA. *Instituto Lauro de Souza Lima – Bauru/SP ** Faculdades Integradas de Jaú /SP *** Universidade do Sagrado Coração – Bauru/SP. Galan, Noêmi Garcia de Almeida* Bonini, Ariane Gasparotto** Arakaki, Fábio Ribeiro **.

Download Presentation

*Instituto Lauro de Souza Lima – Bauru/SP ** Faculdades Integradas de Jaú /SP

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Instituto lauro de souza lima bauru sp faculdades integradas de ja sp

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO AUTO CUIDADO EM INDIVÍDUOS COM RISCO PARA TRAUMA

*Instituto Lauro de Souza Lima – Bauru/SP

** Faculdades Integradas de Jaú /SP

*** Universidade do Sagrado Coração – Bauru/SP

Galan, Noêmi Garcia de Almeida*

Bonini, Ariane Gasparotto**

Arakaki, Fábio Ribeiro **

Guimarães, Gisele da Silva**

Beluci, Marli Luiz***

Bianco, Maria Helena Borgato Cappo***


Introdu o

INTRODUÇÃO

  • Em hanseníase é comum o acometimento de nervos periféricos, ocasionando perda da sensibilidade, distúrbios motores e autonômicos.


Introdu o1

INTRODUÇÃO

  • Ressecamento da pele, insensibilidade, perda da força muscular...trauma


Introdu o2

INTRODUÇÃO

  • Recomendado educar o paciente para a prática de “Autocuidados” para amenizar principalmente lesões de causas neurogênicas secundárias (MS, 2008).


Introdu o3

INTRODUÇÃO

  • Observamos a falta dessa prática = incapacidades físicas


Objetivo

OBJETIVO

Verificar se os indivíduos acometidos pela hanseníase realizam a prática do auto cuidado.


Material e m todos

MATERIAL E MÉTODOS

  • Estudo quali-quanti – inquérito domiciliar – formulário estruturado;

  • 11 pacientes – 2007;

  • Determinado o grau de incapacidade e dos cuidados (Prontuários);

  • Entrevista: paciente identificou os problemas decorrentes da doença e quais, como e quando realizam o auto cuidado;

  • E avaliado se o auto cuidado estava sendo realizado adequadamente, parcialmente ou não realizado, baseado nos procedimentos do Manual de Prevenção de Incapacidades MS/2001.


Resultados

Resultados


Conclus es

Conclusões

Verificamos que portadores de hanseníase não realizam as práticas de autocuidado ou as realizam inadequadamente. Considerando a cronicidade da doença, recomendamos ampliar os estudos para a compreensão dos fatores interferentes nesta prática, almejando uma assistência da enfermagem mais efetiva e uma proteção maior ao indivíduo.


Bibliografia

Bibliografia

  • DUERKSEN, F. Reabilitação-Aspectos Gerais. In: Opromolla, DVA, (Ed.). Prevenção de incapacidades e reabilitação em hanseníase; por Diltor Vladimir Araújo Opromolla, Rosemari Bacarelli e colaboradores. Bauru: Instituto Lauro de Souza Lima, 2003.

  • GEORGE, J.B. E COLABORADORES. Teorias de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. Por Júlia B. Georgi; trad. Ana Maria Vasconcellos Thoreli. 4a Ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, p. 375, 2000.

  • LOCKWOOD, D. N. J; SUNEETHA, S. Leprosy: too complex a disease for a simple elimination paradigm. Bull World Health Organ., v. 83, n. 3, p. 230-235, mar. 2005.

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Prevenção de Incapacidades. Brasília, p. 104, 2001.

  • NARDI, S. M. T. et. al. Sistemas de informação e deficiências físicas na hanseníase. BEPA – Boletim Epidemiológico Paulista, v. 3, n. 37, mar. 2006.


Obrigado

OBRIGADO


  • Login