A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas.
Download
1 / 17

A import ncia da fam lia no tratamento do uso abusivo de drogas. - PowerPoint PPT Presentation


  • 114 Views
  • Uploaded on

A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas. EDINEUSA GOMES GUEDES DE PAIVA COORDENADORA REGIONAL DO AMOR-EXIGENTE DIRETORA DO DEPAD/SEMTAS-NATAL/RN. POR QUE A FAMÍLIA É IMPORTANTE PARA O TRATAMENTO?.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A import ncia da fam lia no tratamento do uso abusivo de drogas.' - aine


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Slide1 l.jpg

A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas.

EDINEUSA GOMES GUEDES DE PAIVA

COORDENADORA REGIONAL DO AMOR-EXIGENTE

DIRETORA DO DEPAD/SEMTAS-NATAL/RN


Slide2 l.jpg

POR QUE A FAMÍLIA É IMPORTANTE PARA O TRATAMENTO? drogas.

A família é fundamental para o sucesso do tratamento da dependência química. Pensar que tudo se resolverá a partir de uma internação ou após algumas consultas médicas é uma armadilha que não polpa a mais sincera tentativa de tratamento. A dependência é um problema que se estruturou aos poucos na vida da pessoa. Muitas vezes, levou anos para aparecer.

Todos podem ajudar: o patrão, os amigos, os vizinhos, mas o suporte maior deve vir da família. As chances de sucesso do tratamento pioram muito quando a família não está por perto.


Slide3 l.jpg

  • Veja porque a família é tão importante: drogas.

  • O dependente muitas vezes não tem a noção completa da gravidade do seu estado;

  • O dependente sente a necessidade de 'se testar', expondo-se a situações de risco para ver se seu esforço está valendo a pena;

  • O dependente sente dificuldades em organizar novas rotinas para sua vida sem as drogas;

  • A família no tratamento mostra que o diálogo ainda existe.


Slide4 l.jpg

O que pode atrapalhar a participação da família no tratamento?

  • O dependente sabe mais sobre drogas do que a família;

  • A família fica sem saber qual a sua função;

  • 3) A família já tinha problemas muito antes da droga aparecer.

4) A família culpa o dependente ou se culpa;

5) Falta uma figura neutra.

A família no tratamento significa buscar um novo elo entre os seus membros. Um novo casamento, uma nova criação dos filhos, uma nova imagem do pai e da mãe. O caminho novo a seguir é incerto e por isso sujeito a erros

Tratar o dependente não se resume à busca pela abstinência. É também a construção de um novo estilo de vida. Para o dependente e para a família.


Slide5 l.jpg

COMO TRABALHAR A FAMÍLIA? tratamento?

A inclusão da família no tratamento de dependentes químicos tem sido consideravelmente estudada, no entanto, não existe um consenso sobre o tipo de abordagem a ser utilizado, dentre as várias propostas.

Quatro modelos teóricos têm dominado a conceitualização das intervenções familiares em dependência química: o modelo da doença familiar; o sistêmico e o comportamental.

O modelo de doença familiar,considera o alcoolismo ou o uso nocivo de drogas como uma doença que afeta não apenas o dependente, mas também a família. Esta idéia teve origem nos Alcoólicos Anônimos, em meados de 1940,


Slide6 l.jpg

Mais recentemente, estudos têm focado que a doença do alcoolismo manifesta sintomas específicos nas esposas e companheiros de dependentes químicos, dando origem ao conceito de co-dependência

Este modelo envolve o tratamento dos familiares sem a presença do dependente (Grupos de Al-Anon; NARANON), que consiste em grupos de auto-ajuda com o objetivo de entender os efeitos do consumo de álcool e drogas por parte dos dependentes nos familiares e como reparar o que a convivência com um dependente faz na família, seguindo os princípios do AA.

A produção científica é limitada neste tipo de abordagem. No entanto, as intervenções familiares baseadas neste modelo são muito comuns em programas de tratamento em dependência química e produzem forte impacto na opinião pública.


Slide7 l.jpg

O modelo sistêmico alcoolismo manifesta sintomas específicos nas esposas e companheiros de dependentes químicos, dando origem ao conceito de co-dependência considera a família como um sistema, em que se mantém um equilíbrio dinâmico entre o uso de substâncias e o funcionamento familiar. Em meados de 1970 a 1980, este modelo passou a exercer grande influência entre profissionais de saúde no tratamento da dependência química.

Na perspectiva sistêmica, um dependente químico exerce uma importante função na família, que se organiza de modo a atingir uma homeostase dentro do sistema, mesmo que para isso a dependência química faça parte do seu funcionamento e muitas vezes, a sobriedade pode afetar tal homeostase.

Pesquisas sobre esta abordagem têm mostrado efeitos benéficos na interação familiar e conseqüentemente no comportamento aditivo.


Slide8 l.jpg

O modelo comportamental alcoolismo manifesta sintomas específicos nas esposas e companheiros de dependentes químicos, dando origem ao conceito de co-dependência baseia-se na teoria da aprendizagem e assume que as interações familiares podem reforçar o comportamento de consumo de álcool e drogas.

O princípio é que os comportamentos são apreendidos e mantidos dentro de um esquema de reforçamento positivo e negativo nas interações familiares.

Este modelo tem propiciado a observação de alguns padrões típicos observados nas famílias, tais como: reforçamento do beber como uma maneira de obter atenção e cuidados; amparo e proteção do dependente de álcool quando relata conseqüências e experiências negativas decorrentes do hábito de beber.

Vários estudos referentes a este modelo descreveram desfechos melhores e redução na utilização da substância de abuso


Slide9 l.jpg

A abordagem cognitiva-comportamental, alcoolismo manifesta sintomas específicos nas esposas e companheiros de dependentes químicos, dando origem ao conceito de co-dependência mescla técnicas da escola comportamental e da linha cognitiva. Esta abordagem reza que o afeto e o comportamento são determinados pela cognição que a família tem a cerca da dependência química, sendo esta cognição disfuncional ou não.

O foco é reestruturar as cognições disfuncionais através da resolução de problemas, objetivando dotar a família de estratégias para perceber e responder as situações de forma funcional.


Slide10 l.jpg

Características Presentes em Famílias de Dependentes Químicos

O impacto que a família sofre com o uso de drogas por um de seus membros é correspondente as reações que vão ocorrendo com o sujeito que a utiliza.

Este impacto pode ser descrito através de quatro estágios pelos quais a família progressivamente passa sob a influência das drogas e álcool:


Slide11 l.jpg

  • Na primeira etapa, é preponderantemente o mecanismo de Químicosnegação. Ocorre tensão e desentendimento e as pessoas deixam de falar sobre o que realmente pensam e sentem.

  • 2. Em um segundo momento, a família demonstra muita preocupação com essa questão, tentando controlar o uso da droga, bem como as suas conseqüências físicas, emocionais, no campo do trabalho e no convívio social. Mentiras e cumplicidades relativas ao uso abusivo de álcool e drogas instauram um clima de segredo familiar.


Slide12 l.jpg

3. Na terceira fase, a Químicosdesorganização da família é enorme. Seus membros assumem papéis rígidos e previsíveis, servindo de facilitadores. As famílias assumem responsabilidades de atos que não são seus, e assim o dependente químico perde a oportunidade de perceber as conseqüências do abuso de álcool e drogas

4. O quarto estágio é caracterizado pela exaustão emocional, podendo surgir graves distúrbios de comportamento e de saúde em todos os membros. A situação fica insustentável, levando ao afastamento entre os membros gerando desestruturação familiar.


Slide13 l.jpg

O que fazer? Como ajudar? Químicos

Inicialmente a disponibilidade dos membros será um fator relevante para um bom encaminhamento, no entanto nem sempre isso é possível.

Por isso algumas intervenções que antecedem este processo são favoráveis, como atendimentos individuais às esposas ou pais e/ou intervenções de orientação e suporte. É através do atendimento familiar que os membros passam a receber atenção não só para suas angústias, como também começam a receber informações fundamentais para a melhor compreensão do quadro de dependência química, e conseqüentemente melhora no relacionamento familiar


Slide14 l.jpg

Orientação Familiar em Dependência Química Químicos

Experiência ambulatorial da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (UNIAD) da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina.

MÉTODO: O atendimento no Grupo de Orientação Familiar ocorrem semanalmente, com duração de 75min, com 6 a 7 sessões estruturadas, dependendo da necessidade do grupo.

SESSÃO 1: CONTRATO E QUEIXA;

SESSÃO 2: ABORDAGEM DA EMOÇÕES – Razões que levam ao uso e comportamentos indicativos;

SESSÃO 3: MODELO DE ESTÁGIOS DE MUDANÇA – Proposto por Prochaska e Diclemente (Pré-contemplação; Contemplação; Preparação; Ação; Manutenção e Término.


Slide15 l.jpg

SESSÃO 4: QuímicosO QUE FAZER PARA AJUDAR E COMPORTAMENTOS A SEREM EVITADOS;

SESSÃO 5: INFORMATIVA:

SESSÃO 6: PLANO DE AÇÃO PARA CADA CASO.

  • PODEMOS TRABALHAR COM:

  • Grupos de Pares;

  • Grupos de Multifamiliares;

  • Psicoterapia de Casal;

  • Psicoterapia Familiar;

  • Grupos de Mútua e Auto-Ajuda (ALANON; NARANON e AMOR-EXIGENTE).


Slide16 l.jpg

Por que acredito na proposta do Amor-Exigente Químicos

  • É uma proposta de educação destinada a pais e orientadores, como forma e prevenir e solucionar problemas com seus filhos;

  • No Brasil já está funcionado há 25 anos;

  • Mais de 1.000 grupos espalhados pelo País, atendendo em média a 60.000 pessoas por semana;

  • O Amor-Exigente encoraja a pessoa a agir, em vez de só falar; constrói a cooperação familiar e comunitária; desencoraja a agressividade, a violência.


Slide17 l.jpg

  • EM NATAL: Químicos

  • Funcionando há 10 anos;

  • Com uma equipe de profissionais atuando VOLUNTARIAMENTE;

  • Vários resultados positivos na família e com os dependentes químicos.

  • NOSSO ENDEREÇO

  • Rua: Mor Gouveia, 2530 – Lagoa Nova

  • FONES: 3615 4341 – 3615 4342

  • E-mail: eggpaiva@yahoo.com.br

  • SITE: www.amorexigente.org.br

  • PROGRAMA DE TV: Todas as segundas-feiras às 8 horas da manhã – REDE VIDA


ad