A vis o do mpt sobre os adicionais perspectiva jur dica e social
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 20

A visão do MPT sobre os adicionais -perspectiva JURÍDICA E social PowerPoint PPT Presentation


  • 65 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

A visão do MPT sobre os adicionais -perspectiva JURÍDICA E social. do ADICIONAL dos eletricitários. Adicionais – espírito da lei Previsão Constitucional Base de cálculo. SEP e SEC Exposição Permanente/intermitente/eventual Adin 5013 STF. Parecer do PGR. Perspectivas

Download Presentation

A visão do MPT sobre os adicionais -perspectiva JURÍDICA E social

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


A visão do MPT sobre os adicionais -perspectiva JURÍDICA E social


do ADICIONAL dos eletricitários

  • Adicionais – espírito da lei

  • Previsão Constitucional

  • Base de cálculo. SEP e SEC

  • Exposição Permanente/intermitente/eventual

  • Adin 5013 STF. Parecer do PGR. Perspectivas

  • Vácuo legislativo. Alteração contratual

  • Acumulação de Adicionais Insalubridade e Periculosidade

  • Os adicionais devem ser suprimidos?


BASE DE CÁLCULO

Art. 7º da CF: São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

  • XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança;

  • XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;


.

  • Lei 7369/85: Art. 1º O empregado que exerce atividade no setor de energia elétrica, em condições de periculosidade, tem direito a uma remuneração adicional de trinta por cento sobre o salário que perceber.

  • Súmula 191 do TST: O adicional de periculosidade incide apenas sobre o salário básico e não sobre este acrescido de outros adicionais. Em relação aos eletricitários, o cálculo do adicional de periculosidade deverá ser efetuado sobre a totalidade das parcelas de natureza salarial.

  • OJ 279 da SDI 1 do TST: O adicional de periculosidade dos eletricitários deverá ser calculado sobre o conjunto de parcelas de natureza salarial.


NOVA REDAÇÃO CLT – REVOGAÇÃO DA LEI 7.369

  • Art. 193. São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a:       (Lei nº 12.740, de 2012)

  • I - inflamáveis, explosivos ou energia elétrica;       (Lei nº 12.740, de 2012)

  • II – (...)

  • 1º - O trabalho em condições de periculosidade assegura ao empregado um adicional de 30% (trinta por cento) sobre o salário sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros da empresa.(Lei nº 6.514, de 22.12.1977)


Lei 12.740/2012 - RETROCESSO SOCIAL?

A Confederação Nacional dos Trabalhadores da Indústria (CNTI) ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5013) no Supremo Tribunal Federal (STF), a fim de garantir o pagamento de adicional de periculosidade aos eletricitários nos termos da Lei 7.369/1985 – que garante à categoria adicional de 30% sobre o salário recebido. A ação contesta o Artigo 3º da Lei 12.740/2012, que revogou dispositivo que assegurava aos eletricitários o adicional sobre a remuneração e não apenas sobre o salário-base.


PARECER DO PGR na ADIN

“A alteração da base de cálculo do adicional de periculosidade dos profissionais do setor de energia elétrica é compatível com o art. 7º, caput, XXII e XXIII, da Constituição da República e com o princípio da proibição do retrocesso social. Além disso, a nova regulamentação do adicional de periculosidade está em consonância com o princípio da isonomia, uma vez que a base de cálculo do adicional de periculosidade passa a ser a mesma para todos os trabalhadores que exercem atividades consideradas de risco.

Assim, a Lei 12.740/2012 uniformizou o tratamento do tema, eliminando discriminação injustificada em favor dos profissionais do setor de energia elétrica.” 06.05.2014


perspectivas do resultado da adin

Parecer do PGR

Andamento atual: Conclusos em 06/05 com o Min. Relator

Resultado: Procedência / Improcedência ?


Decreto 93.412 de 14/10/1986 – tempo de exposição

  • I - permaneça habitualmente em área de risco, executando ou aguardando ordens, e em situação de exposição contínua, caso em que o pagamento do adicional incidirá sobre o salário da jornada de trabalho integral;

  • II - ingresse, de modo intermitente e habitual, em área de risco, caso em que o adicional incidirá sobre o salário do tempo despendido pelo empregado na execução de atividade em condições de periculosidade ou do tempo à disposição do empregador, na forma do inciso I deste artigo.

  • § 1º O ingresso ou a permanência eventual em área de risco não geram direito ao adicional de periculosidade.


  • Súmula 361 do TST: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. ELETRICITÁRIOS. EXPOSIÇÃO INTERMITENTE. O trabalho exercido em condições perigosas, embora de forma intermitente, dá direito ao empregado a receber o adicional de periculosidade de forma integral, porque a Lei nº 7.369, de 20.09.1985, não estabeleceu nenhuma proporcionalidade em relação ao seu pagamento.

  • Súmula 364 do TST: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. EXPOSIÇÃO EVENTUAL, PERMANENTE E INTERMITENTE.Temdireito ao adicional de periculosidade o empregado exposto permanentemente ou que, de forma intermitente, sujeita-se a condições de risco. Indevido, apenas, quando o contato dá-se de forma eventual, assim considerado o fortuito, ou o que, sendo habitual, dá-se por tempo extremamente reduzido.


clt: Exposição permanente

Redação Anterior:

Art.193. São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem o contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado.

Redação atual:

Art. 193. São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, aquelas que, por sua natureza ou métodos de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador:


Tempo de exposição

Anexo 4 da NR16: O trabalho intermitente é equiparado à exposição permanente para fins de pagamento integral do adicional de periculosidade nos meses em que houver exposição, excluída a exposição eventual, assim considerado o caso fortuito ou que não faça parte da rotina.


hipótese de cabimento: SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA (SEP)

  • Oj 324 SDI 1 DO TST. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA. DECRETO Nº 93.412/86, ART. 2º, § 1º (DJ 09.12.2003)É assegurado o adicional de periculosidade apenas aos empregados que trabalham em sistema elétrico de potência em condições de risco, ou que o façam com equipamentos e instalações elétricas similares, que ofereçam risco equivalente, ainda que em unidade consumidora de energia elétrica.

  • OJ 347 SDI 1 DO TST. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA. LEI Nº 7.369, DE 20.09.1985, REGULAMENTADA PELO DECRETO Nº 93.412, DE 14.10.1986. EXTENSÃO DO DIREITO AOS CABISTAS, INSTALADORES E REPARADORES DE LINHAS E APARELHOS EM EMPRESA DE TELEFONIA (DJ25.04.2007)É devido o adicional de periculosidade aos empregados cabistas, instaladores e reparadores de linhas e aparelhos de empresas de telefonia, desde que, no exercício de suas funções, fiquem expostos a condições de risco equivalente ao do trabalho exercido em contato com sistema elétrico de potência.


Anexo 4 da nr16 – novas hipóteses

  • 1. Têm direito ao adicional de periculosidade os trabalhadores:

  • a)que executam atividades ou operações em instalações ou equipamentos elétricos energizados em alta tensão;

  • b)que realizam atividades ou operações com trabalho em proximidade, conforme estabelece a NR-10;

  • c) que realizam atividades ou operações em instalações ou equipamentos elétricos energizados em baixa tensão no sistema elétrico de consumo - SEC, no caso de descumprimento do item 10.2.8 e seus subitens da NR10- Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;

  • d) das empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do sistema elétrico de potência - SEP, bem como suas contratadas, em conformidade com as atividades e respectivas áreas de risco descritas no quadro I deste anexo.


NR 10 - glossário

  • Alta Tensão (AT): tensão superior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.

  • Baixa Tensão (BT): tensão superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua e igual ou inferior a 1000 volts em corrente alternada ou 1500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.

  • Extra-BaixaTensão (EBT): tensão não superior a 50 volts em corrente alternada ou 120 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.

  • Trabalho em Proximidade: trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na zona controlada, ainda que seja com uma parte do seu corpo ou com extensões condutoras, representadas por materiais, ferramentas ou equipamentos que manipule.


NR 10 - 10.2.8 - MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA

  • 10.2.8.1 Em todos os serviços executados em instalações elétricas devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteção coletiva aplicáveis, mediante procedimentos, às atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores.

  • 10.2.8.2 As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a desenergização elétrica conforme estabelece esta NR e, na sua impossibilidade, o emprego de tensão de segurança.

  • 10.2.8.2.1 Na impossibilidade de implementação do estabelecido no subitem 10.2.8.2., devem ser utilizadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: isolação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento automático de alimentação, bloqueio do religamento automático.

  • 10.2.8.3 O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme regulamentação estabelecida pelos órgãos competentes e, na ausência desta, deve atender às Normas Internacionais vigentes


contratados pelo regime anterior?

  • Vácuo Legislativo de 08/12/2012 a 16/7/2014, é devido?

  • É cabível a redução do adicional de periculosidade pós 08/12/2012

  • Alteração prejudicial do contrato? (Art.468 da CLT)

  • Irredutibilidade salarial? Direito Adquirido?


Acumulação de adicionais

  • Art.193 CLT:

    § 2º - O empregado poderá optar pelo adicional de insalubridade que porventura lhe seja devido.

  • Posição do TST

  • Posição dos TRT

  • Posição da doutrina


monetização do risco. Supressão? Implicações contratuais e no m.a.t.


www.prt15.mpt.gov.br

RONALDO.LIRA@MPT.GOV.BR


  • Login