O pacto federativo e a crise dos munic pios
Download
1 / 50

o pacto federativo e a crise dos municípios - maio 2011 - PowerPoint PPT Presentation


  • 516 Views
  • Uploaded on

O PACTO FEDERATIVO E A CRISE DOS MUNICÍPIOS

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'o pacto federativo e a crise dos municípios - maio 2011' - SerafimCorrea


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

A abertura dos portos l.jpg

1808

A abertura dos portos

  • Em 1808, o Brasil era uma colônia portuguesa e a Coroa aqui se refugiou  pela pressão militar de Napoleão Bonaparte.

  • D. João decretou a abertura dos portos às nações amigas permitindo a importação e criou o imposto correspondente com duas alíquotas: 48% para os molhados e 24% para os secos.

O monumento na Praça de São Sebastião, em frente ao Teatro Amazonas,  homenageia a abertura dos portos no seu centenário.


Em prol do desenvolvimento l.jpg

1808

EM PROL DO DESENVOLVIMENTO

  • Na seqüência, outras cartas régias foram expedidas por D. João, importantes à época para o desenvolvimento brasileiro como:

  • A suspensão da proibição de fábricas e manufaturas de ouro, prata, seda, algodão, linho e lã;

  • A criação da Imprensa Nacional;

  • A criação de uma fábrica de pólvora;

  • A criação do Banco do Brasil.

D. João


A cria o do reino unido l.jpg

1815

A CRIAÇÃO DO REINO UNIDO

  • Em 1815, surgiu o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, nova situação do Estado português e as antigas capitanias foram elevadas à condição de províncias. Com a morte de D. Maria I, Dom João foi coroado Rei como D. João VI.

Brasão do vice-Reino


Constituinte em lisboa sem o brasil l.jpg

1821

CONSTITUINTE EM LISBOA, SEM O BRASIL

  • Em 1821, foi instalada em Lisboa uma Constituinte com o nome de “Cortes Gerais, Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa”, sem representantes do Brasil.

  • Daqui, D. João VI reagiu determinando que deputados do Brasil, Açores, Madeira e Cabo Verde fossem escolhidos e participassem da Constituinte.

  • D. João VI retornou a Portugal e seu filho primogênito Pedro de Alcântara ficou como Príncipe Regente do Brasil. A Constituinte adotou medidas recolonizadoras e os deputados brasileiros recusaram-se a aceitá-las.


O dia do fico l.jpg

1822

O DIA DO FICO

  • Em 9 de janeiro de 1822, o príncipe D. Pedro de Alcântara decidiu não retornar a Portugal. É o Dia do Fico. Disse ele:

“Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico. Agora só tenho a recomendar-vos união e tranqüilidade”.

Pintura histórica do então príncipe regente


A independ ncia l.jpg

1822

A INDEPENDÊNCIA

  • Em 7 de setembro de 1822, ao receber ordem para que retornasse à Lisboa, D. Pedro reagiu com o Grito do Ipiranga e a proclamação da:

Pintura histórica do grito do Ipiranga

“INDEPENDÊNCIA OU MORTE”


A 1 constitui o do imp rio o estado unit rio l.jpg

1824

A 1ª CONSTITUIÇÃO DO IMPÉRIO. O ESTADO UNITÁRIO

O Brasão do Império


Slide9 l.jpg

1824

Com a independência surgiu o Império e a nossa primeira Constituição foi outorgada por D. Pedro I em 1824, criando o Império do Brazil, um Estado Unitário, dividido em províncias (hoje os Estados) e que poderiam ser subdivididas (é a primeira referência aos Municípios).


Slide10 l.jpg

Do Imperio do Brazil, seu Territorio, Governo, Dynastia, e Religião.

Art. 1. O IMPERIO do Brazil é a associação Politica de todos os Cidadãos Brazileiros. Elles formam uma Nação livre, e independente, que não admitte com qualquer outra laço algum de união, ou federação, que se opponha á sua Independencia.

Art. 2. O seu territorio é dividido em Provincias na fórma em que actualmente se acha, as quaes poderão ser subdivididas, como pedir o bem do Estado.

Art. 3. O seu Governo é Monarchico Hereditario, Constitucional, e Representativo.

Art. 4. A Dynastia Imperante é a do Senhor Dom Pedro I actual Imperador, e Defensor Perpetuo do Brazil. 

(mantida a ortografia original)


Nascem a rep blica e a federa o l.jpg

1889 Religião.

NASCEM A REPÚBLICA E A FEDERAÇÃO


Slide12 l.jpg

1891 Religião.

  • Com o fim da Monarquia e o surgimento da República como conseqüência do movimento militar comandado pelo Marechal Deodoro da Fonseca, nasceu a Constituição de 1891 e o Brasil deixou de ser Monarquia e Estado Unitário e passou a ser República e Federação.


Slide13 l.jpg

1891 Religião.

Art 1º - A Nação brasileira adota como forma de Governo, sob o regime representativo, a República Federativa, proclamada a 15 de novembro de 1889, e constitui-se, por união perpétua e indissolúvel das suas antigas Províncias, em Estados Unidos do Brasil.

Art 2º - Cada uma das antigas Províncias formará um Estado e o antigo Município Neutro constituirá o Distrito Federal, continuando a ser a Capital da União, enquanto não se der execução ao disposto no artigo seguinte.



Rep blica de deodoro a dilma15 l.jpg
REPÚBLICA - DE DEODORO A DILMA Religião.

A República, que vai de 1889 aos nossos dias, pode ser dividida em cinco períodos:


Rep blica l.jpg
REPÚBLICA Religião.


Regime militar quase um estado unit rio l.jpg

64/85 Religião.

REGIME MILITAR – QUASE UM ESTADO UNITÁRIO

  • Durante o regime militar (64/85) o Brasil, praticamente, voltou a ser um Estado Unitário, pois cabia ao Presidente da República, eleito pela via indireta, escolher os governadores dos Estados e estes, os prefeitos das capitais e dos principais Municípios.

  • Além disso, havia grande concentração dos recursos públicos nas mãos da União, ficando governadores e prefeitos na condição de quase “pedintes”, sem legitimidade política e sem recursos.


Oposi o ao regime militar l.jpg

64/85 Religião.

OPOSIÇÃO AO REGIME MILITAR

As principais lideranças de oposição – MDB - ao regime militar – Ulisses Guimarães, Franco Montoro e Tancredo Neves – eram simpatizantes das propostas municipalistas. Franco Montoro dizia que “as pessoas moram no município” e defendia a descentralização dos recursos.


Nova rep blica e a constituinte l.jpg

1985 Religião.

NOVA REPÚBLICA E A CONSTITUINTE

  • Com a Nova República foi convocada a Assembléia Nacional Constituinte, que teve como Presidente o deputado Ulisses Guimarães e como Relator o deputado Bernardo Cabral. O partido com a maior bancada era o PMDB, sob a liderança do Senador Mário Covas.

  • Prevaleceram as teses de Franco Montoro defendidas por Mário Covas e os Municípios passaram da condição de subdivisões administrativas para entes federados.


Nova rep blica e a constituinte20 l.jpg

1988 Religião.

NOVA REPÚBLICA E A CONSTITUINTE

A nova Constituição:

  • Assegurou a eleição direta como a única via para a escolha de todos os prefeitos;

  • Diminuiu as possibilidades de intervenção dos Estados membros nos Municípios;

  • Mandou descentralizar responsabilidades e recursos;

  • Aumentou a participação dos Municípios na divisão do bolo tributário brasileiro;


Munic pio passa a ente federado l.jpg

1988 Religião.

MUNICÍPIO PASSA A ENTE FEDERADO

  • Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

  • I - a soberania;

  • II - a cidadania;

  • III - a dignidade da pessoa humana;

  • IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;

  • V - o pluralismo político.

  • Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.




Recursos municipais 45 carimbados l.jpg

1988 Religião.

RECURSOS MUNICIPAIS 45% “CARIMBADOS”

25% COM EDUCAÇÃO,

15% COM SAÚDE

5% COM A CÂMARA

Do total arrecadado e repassado, por força da Constituição Federal, os Municípios terão que gastar:


A rea o da uni o contra os munic pios l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DA UNIÃO CONTRA OS MUNICÍPIOS

  • Tão logo foi promulgada a Constituição o Governo Federal deu início a uma reação contra os Municípios que prossegue até hoje.

  • No que diz respeito à transferência de responsabilidades, a União e os Estados seguiram a linha estabelecida pela Constituinte, mas o mesmo não aconteceu quanto aos recursos.


A rea o da uni o contra os munic pios26 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DA UNIÃO CONTRA OS MUNICÍPIOS

  • Em relação aos recursos, desde então a União passou a fazer todas as bondades com o Imposto de Renda e o IPI, exatamente porque esses dois impostos são repartidos com Estados e Municípios ficando a União com 52%.

  • Reduziu a alíquota do Imposto de Renda Pessoa Jurídica de 35% para 25%, mas criou a CSLL com alíquota de 9%. Aparentemente reduziu a carga tributária, mas na prática diminuiu o que teria de repartir e passou a arrecadar o que fica exclusivamente para si.

  • Reduziu alíquotas de IPI, mas criou a COFINS e reformulou o PIS/PASEP. O primeiro é repartido com Estados e Municípios. Já as contribuições ficam exclusivamente com a União.


A lei de responsabilidade fiscal e os munic pios l.jpg

2000... Religião.

A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL E OS MUNICÍPIOS

  • As regras estabelecidas pela União através da LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal - para os Municípios impuseram o mais absoluto controle sobre eles.

  • Para cumprir com as exigências da LRF os Municípios necessitam de um corpo técnico mínimo com elevado grau de conhecimento, o que não acontece na maioria dos Municípios brasileiros.

  • O interessante é que a União e o Estado extinguiram os seus órgãos de assistência técnica aos Municípios, no caso, SAREM e ICOTI, deixando-os expostos à escritórios especializados que, como regra, estão em nível abaixo do necessário.


A burocracia e a tecnologia siconv lrf e cauc esmagando os munic pios l.jpg

2000... Religião.

A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA – SICONV, LRF E CAUC – ESMAGANDO OS MUNICÍPIOS.

  • Para receber recursos adicionais do Governo Federal os Municípios precisam que sejam incluídas emendas parlamentares em seu favor no orçamento da União.

  • Apresentada a emenda, ela tem que passar por uma subcomissão que pode aprová-la, derrubá-la ou reduzir o seu valor.

  • Se passar por essa etapa, vai ao plenário da Câmara e do Senado onde, de novo, pode ser aprovada, derrubada ou reduzida.

  • Vencida essa etapa, vai à sanção presidencial que pode aprová-la ou vetá-la.

  • Se sancionada, ela está incluída no OGU – Orçamento Geral da União -, que é indispensável, mas não garante nada.


A burocracia e a tecnologia siconv lrf e cauc esmagando os munic pios29 l.jpg

2000... Religião.

A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA – SICONV, LRF E CAUC – ESMAGANDO OS MUNICÍPIOS.

  • Embora a maioria das pessoas ache que a partir da inclusão da emenda no OGU os recursos estão garantidos e liberados, na prática não é assim.

  • O Governo Federal criou o Portal de Convênios – o SICONV – a única porta de entrada para que sejam formalizados os convênios com os Municípios.

  • A formalização do convênio vai depender de uma chamada do Município, por parte do Ministério ao qual esteja vinculado o assunto, para que apresente o projeto, o que só pode ser feito no programa do SICONV, via Internet.

  • Três dificuldades para os Municípios: a 1ª) - os avisos são dados no Portal de Convênios, o SICONV, via Internet que não está presente na maioria dos Municípios; 2ª) – a falta de quadros técnicos capazes de elaborar os projetos dentro das normas; 3ª)- o prazo é reduzido, em geral, sete dias.


A burocracia e a tecnologia siconv lrf e cauc esmagando os munic pios30 l.jpg

2000... Religião.

A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA – SICONV, LRF E CAUC – ESMAGANDO OS MUNICÍPIOS.

  • Se o projeto não for apresentado no prazo, cai a emenda.

  • Se apresentado, é submetido a uma avaliação técnica. Se aprovado e o Município estiver em dias com suas obrigações perante o Governo Federal e a Lei de Responsabilidade Fiscal (CAUC) é dado o sinal verde para a assinatura do convenio.

  • No entanto, se o projeto tiver alguma “impropriedade” é dado um prazo de quarenta e oito horas, via Portal de Convênios, para saná-la. Caso não seja sanada, cai a emenda.

  • A assinatura do convenio não significa a liberação do dinheiro que será feito pela Caixa Econômica Federal dentro das suas regras e cobrando 3% do valor a ser liberado para remunerar o seu trabalho.


A lrf o cauc o siconv e os munic pios l.jpg
A LRF, O CAUC, O SICONV Religião.E OS MUNICÍPIOS

  • O controle é feito pela Secretaria do Tesouro Nacional e disponibilizado ao público através da Internet nos endereços:

  • Geral : www.tesouro.fazenda.gov.br

  • Relatórios da LRF: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/lrf/index.asp

  • Relatórios do CAUC: https://consulta.tesouro.fazenda.gov.br/regularidadeSiafi/index_regularidade.asp

  • Já o SICONV é administrado pelo Ministério do Planejamento, no endereço https://www.convenios.gov.br/portal





A rea o dos estados contra os munic pios l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS ESTADOS CONTRA OS MUNICÍPIOS

  • Os Estados seguiram a mesma linha da União em relação aos Municípios. Como a participação dos Municípios no ICMS foi elevada de 20% para 25% os Estados adotaram mecanismos para manipular os valores a serem repassados.

  • Principais:

  • Incentivo de restituição do ICMS, incluindo a parte que pertence aos Municípios;

  • Isenções: caso das contas de energia elétrica dos próprios Estados;

  • Criação de Fundos para que as empresas recolham Contribuições e não ICMS para não pagar os 25%. É o caso no Amazonas do FTI, FMPE e UEA;

  • Créditos fiscais para compensar com precatórios.


Slide36 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS ESTADOS CONTRA OS MUNICÍPIOS

QUANTO ARRECADARAM FTI, UEA E FMPES EM 2005/2009


Slide37 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS ESTADOS CONTRA OS MUNICÍPIOS

AS PERDAS DOS MUNICÍPIOS AMAZONENSES

  • Com a manipulação, de 2005/2009, os Municípios perderam quase 700 milhões de reais, pois 25% do ICMS lhes pertencem de acordo com a Constituição Federal, art. 158, IV.

  • E 25% de R$ 2.691.954.812,00 é igual a:

R$ 672.988.703,00


Slide38 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS ESTADOS CONTRA OS MUNICÍPIOS

AS PERDAS DE MANAUS

  • Desses R$ 672.988.703,00, pertencem à Manaus 62%, que é a participação da capital na divisão do bolo do ICMS que pertence aos Municípios.

  • Portanto, em cinco anos, a perda de Manaus foi 62% de R$ 672.988.703,00 =

R$ 417.252.995,00


Slide39 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS ESTADOS CONTRA OS MUNICÍPIOS

AS PERDAS DE MANAUS

  • 100 escolas de vinte salas;

  • ou 100 creches iguais a do Riacho Doce;

  • ou 15 viadutos;

  • ou 70 avenidas iguais à nova Maceió;

  • Ou 40 parques como o Parque dos Bilhares

O que é possível fazer com R$ 417.252.995,00?


A rea o dos munic pios contra os estados l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS MUNICÍPIOS CONTRA OS ESTADOS

  • Alguns Municípios recorreram ao Poder Judiciário contra Estados por conta das manipulações de ICMS.

  • O STF vem dando razão aos Municípios. Em 2010, foi aprovada a Súmula Vinculante nº 30 do seguinte teor:

"É inconstitucional lei estadual que, a título de incentivo fiscal, retém parcela do ICMS pertencente aos municípios”.

  • Em seguida, o Ministro Dias Tofolli pediu vista para ampliar a redação do texto e até hoje não retornou à pauta.


A rea o dos munic pios contra os estados41 l.jpg

1989... Religião.

A REAÇÃO DOS MUNICÍPIOS CONTRA OS ESTADOS

  • Os ministros do STF também aprovaram - por maioria de votos, vencido o ministro Marco Aurélio -, a Proposta de Súmula Vinculante (PSV 41) a respeito da inconstitucionalidade da retenção, pelos estados, de parcela do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS) destinada aos municípios.

  • Autor da Proposta de Súmula Vinculante (PSV 41), o ministro Ricardo Lewandowski explicou que, muitas vezes, o estado institui lei de incentivo fiscal, dando benefício no ICMS a certa empresa para que ela se instale em determinada região de seu território e, com base nesta lei e a pretexto disso, retém parcela do ICMS devida ao município que recebe a indústria sob o argumento de que ele já está sendo beneficiado com o aumento de arrecadação por esse fato.


Constata es l.jpg
CONSTATAÇÕES Religião.

  • Por disporem de recursos abaixo do necessário para atender suas responsabilidades, os Municípios têm que recorrer aos Estados e à União.

  • Sem quadros técnicos para o atendimento das exigências da LRF, do CAUC e do SICONV e sem cobertura técnica por parte dos Estados e da União para tal, os Municípios não conseguem viabilizar os recursos necessários às suas responsabilidades.

  • Fica evidente o desequilíbrio da nossa Federação onde a União tem mais recursos do que deveria em detrimento dos Municípios, fazendo-se necessária revisão do pacto federativo no sentido de que os recursos de cada ente correspondam às suas responsabilidades.

  • A União tem “Restos a Pagar” de 2007 a 2010 relativamente aos Municípios no valor de 27,8 bilhões de reais e ameaça cancelá-los. Ou seja, após toda a via crucis a União não pagou as emendas.

  • Por essas constatações o Brasil mais parece um Estado Unitário do que uma Federação, sendo que em relação aos recursos os Municípios são “entes federados” apenas na teoria.


Sugest es l.jpg
SUGESTÕES Religião.

GOVERNO FEDERAL

  • REFORMA TRIBUTÁRIA – a base de cálculo do FPE e do FPM passe a ser a arrecadação tributária total e não apenas IR e IPI. Ajuste nos percentuais. Objetivo: evitar manipulações e garantir recursos aos Estados e Municípios diretamente, sem intermediários.

  • APOIO AOS MUNICÍPIOS – oferecer treinamento para gestores municipais a fim de habilitá-los a entender e enfrentar a burocracia federal para liberação de recursos em parceria com as entidades representantes dos Municípios.


Sugest es44 l.jpg
SUGESTÕES Religião.

GOVERNO ESTADUAL

  • Mudança na lei estadual – Ou o Governo acaba com os fundos e a arrecadação será feita como ICMS ou partilha a arrecadação dos fundos com Municípios, Judiciário, Legislativo, MP e TCE. Objetivo: acabar com a manipulação ora existente.

  • ADIN – caso o Governo do Estado não queira mudar, o caminho é ADIN perante o STF.

  • Gestor Municipal – criar na UEA, em nível de especialização, o curso de Gestor Municipal objetivando qualificar bacharéis em direito, economia, administração, contabilidade e engenharia para habilitá-los a lidar com a burocracia federal ficando em condições de prestar esse serviço aos Municípios.

  • Apoio aos Municípios – usar cargos comissionados do Conselho do Programa Zona Franca Verde para contratar técnicos que sejam capazes de efetivamente auxiliar os Municípios no atendimento das exigências do Governo Federal.


O munic pio ainda um ente fr gil na rela o federativa l.jpg
O MUNICÍPIO AINDA É UM ENTE FRÁGIL NA RELAÇÃO FEDERATIVA

  • Por ter apenas vinte e um anos na condição de ente federado, o Município é frágil na relação com os demais entes.

  • Por exemplo: a partir da Proclamação da República – 15.11.1889 - quando passou a existir a figura do Prefeito, Manaus teve 94 (noventa e quatro) prefeitos, sendo 85 (oitenta e cinco) nomeados e 9 (nove) eleitos.

  • Os eleitos foram Jorge de Morais, Dorval Porto, Josué Cláudio de Souza, Vinicius Conrado, Manoel Ribeiro, Artur Neto, Amazonino Mendes, Alfredo Nascimento e Serafim Corrêa.

  • E somente três cumpriram integralmente seus mandatos: os prefeitos Artur Neto, Alfredo Nascimento (o primeiro mandato) e Serafim Corrêa.


Slide46 l.jpg

A POSTURA IMPERIAL DA UNIÃO FEDERATIVA

Na renegociação das dívidas de Estados e Municípios, em 2000, a União impôs condições  que geraram a seguinte situação:

Exemplo: Município de São Paulo

2000 - Devia 10,5 BILHÕES

2010 - Pagou 13,6 BILHÕES

2010 - ...  e DEVE 44,1 BILHÕES




Slide49 l.jpg

  • Serafim Corrêa é formado em Contabilidade (curso técnico, nível médio, Colégio Comercial Brasileiro, 1963), Economia (Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Amazonas, 1970) e Direito (Faculdade Martha Falcão, 2010).

  • Foi Auditor Fiscal da Receita Federal durante vinte e oito anos (1977-2005) tendo se aposentado após exercer durante sete anos mandato de Conselheiro do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda, em Brasília.

  • Presidiu a UNAFISCO-AM, o Sindicato dos Economistas do Amazonas e o CORECON-13ª Região, do qual foi fundador.

  • Escreveu quatro livros: “Por que Bosco morreu”, “Manaus e a Constituição-mãe”, “Os Números de Manaus” e “ZONA FRANCA DE MANAUS – História, Mitos e Realidade”.

  • Foi Secretário de Economia e Finanças de Manaus (1989), membro do Conselho de Administração da Zona Franca de Manaus (2005-2008) e do CAF – Comitê de Articulação e Pactuação Federativa da Presidência da República (2007-2008).

  • Exerceu dois mandatos de vereador (1989-1996), foi Prefeito de Manaus (2005-2008) e Vice presidente da FNP – Frente Nacional de Prefeitos (2005-2008).

  • É presidente de honra do PSB-AM e membro da direção nacional do PSB.


Contatos l.jpg
Contatos nível médio, Colégio Comercial Brasileiro, 1963), Economia (Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Amazonas, 1970) e Direito (Faculdade Martha Falcão, 2010).

Blog

www.blogdosarafa.com.br

Email

[email protected]

Twitter

twitter.com/blogdosarafa

Facebookhttp://www.facebook.com/serafimcorrea40


ad