Sistematiza o da assist ncia de enfermagem l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 86

Sistematização da Assistência de Enfermagem PowerPoint PPT Presentation


  • 3073 Views
  • Updated On :
  • Presentation posted in: General

Sistematização da Assistência de Enfermagem. Profª.Enfª:Darlene Carvalho Curso Intensivo –Aprimore BH. Sistematização da Assistência de Enfermagem. Competências do candidato: Referenciais teóricos da Enfermagem Evolução histórica da SAE Etapas da SAE: definições. RESOLUÇÃO COFEN-358/2009

Related searches for Sistematização da Assistência de Enfermagem

Download Presentation

Sistematização da Assistência de Enfermagem

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Sistematiza o da assist ncia de enfermagem l.jpg

Sistematização da Assistência de Enfermagem

Profª.Enfª:Darlene Carvalho

Curso Intensivo –Aprimore BH


Sistematiza o da assist ncia de enfermagem2 l.jpg

Sistematização da Assistência de Enfermagem

Competências do candidato:

  • Referenciais teóricos da Enfermagem

  • Evolução histórica da SAE

  • Etapas da SAE: definições


Slide3 l.jpg

RESOLUÇÃO COFEN-358/2009

Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências.


O que sistematiza o l.jpg

O que é sistematização ?

  • Segundo Ferreira,1975, sistematizar é tornar coerente com determinada linha de pensamento.

  • A teoria de enfermagem é o alicerce para a implantação da SAE e o processo de Enfermagem a ferramenta para sua construção.

  • As teorias garantem um caráter cientifico à prática da enfermagem desvinculando-a do empirismo.


Te ricos da enfermagem l.jpg

Teóricos da enfermagem

  • Florence Nightingale -Teoria Ambientalista do Cuidado

  • Virgínia Henderson -Teoria dos Componentes do Cuidado

  • Dorothea E. Orem -Teoria do Autocuidado

  • Dorothy E. Johnson -Teoria do Sistema Comportamental no Cuidado de Enfermagem


Te ricos da enfermagem6 l.jpg

Teóricos da enfermagem

  • Imogene M. King -Teoria dos Sistemas e Metas de Cuidado

  • Martha E. Rogers -Teoria da Ciência Humanista do Cuidado

  • Callista Roy -Teoria dos Processos Adaptativos no Cuidado

  • Betty Neuman -Teoria de Sistemas de Cuidado


Te ricos da enfermagem7 l.jpg

Teóricos da enfermagem

  • Jean Watson -Teoria da Ciência Filosófica do Cuidado

  • Rosemarie Rizzo Parse -Teoria do Significado, da Ritmicidade e da Co-Transcendência do Cuidado

  • Carlos Roberto Fernandes -Teoria da Ciência do Cuidado

  • Nébia Maria de Figueiredo -Teoria do Corpo da Enfermeira como Instrumento do Cuidado de Enfermagem


Florence nigthinhgale teoria ambientalista do cuidado l.jpg

Florence Nigthinhgale : Teoria ambientalista do cuidado

Nascimento e morte:

12 de maio de 1820 a 13 de agosto de 1910

  • Em 1883, a Rainha Vitória concedeu-lhe a

    Cruz Vermelha Reale em 1907 ela se tornou a

    primeira mulher a receber a Ordem do Mérito.


Princ pios b sicos da escola de florence l.jpg

Princípios básicos da escola de Florence

  • As enfermeiras deveriam ser treinadas em hospitais associados com escolas médicas e organizadas para este propósito

  • As enfermeiras deveriam ser cuidadosamente selecionadas e deveriam residir em casas de enfermeiras que deveriam moldar e formar a disciplina e o caráter

  • A matrona da escola deveria ter a autoridade final sobre o currículo, o dia-a-dia, e outros aspectos da escola


Princ pios b sicos da escola de florence10 l.jpg

Princípios básicos da escola de Florence

  • O currículo deveria incluir material teórico e experiências práticas

  • Os professores seriam pagos pela sua instrução

  • Seriam mantidos registros sobre os estudantes que seriam obrigados a assistir as aulas, submeter-se a provas orais, escrever artigos e manter diários.


Florence baseava sua filosofia em quatro ideias chave l.jpg

Florence baseava sua filosofia em quatro ideias-chave:

  • O dinheiro público deveria manter o treinamento de enfermeiras e este, deveria ser considerado tão importante quanto qualquer outra forma de ensino

  • Deveria existir uma estreita associação entre hospitais e escolas de treinamento, sem estas dependerem financeira e administrativamente


Florence baseava sua filosofia em quatro ideias chave12 l.jpg

Florence baseava sua filosofia em quatro ideias-chave:

  • O ensino de enfermagem deveria ser feito por enfermeiras profissionais, e não por qualquer pessoa não envolvida com a enfermagem

  • Deveria ser oferecida às estudantes, durante todo o período de treinamento, residência com ambiente confortável e agradável, próximo ao local


Teoria ambientalista de florence nigthingale l.jpg

Teoria ambientalista de Florence Nigthingale

  • Conceito básico mais característico nos trabalhos de Florence é o ambiente

  • Enfatizou o ambiente físico preponderantemente em relação ao meio psicológico e social

  • Em 1850: Florence testemunhou a sujeira, a peste e a morte, no ambiente das enormes barracas que serviam de hospital e no próprio hospital militar da época


Teoria ambientalista de florence nigthingale14 l.jpg

Teoria ambientalista de Florence Nigthingale

AMBIENTE FÍSICO

  • A higiene constitui uma noção inclusa, relacionada com todos os aspectos do ambiente físico em que se encontra o paciente.


Teoria ambientalista de florence nigthingale15 l.jpg

Teoria ambientalista de Florence Nigthingale

AMBIENTE PSICOLÓGICO:

  • Um ambiente negativo poderia causar estresse físico, daí afetando o emocional do paciente

  • Recomenda-se que ofereça ao paciente uma variedade de atividades para manter sua mente estimulada, enfatizando a necessidade de comunicação.


Teoria ambientalista de florence nigthingale16 l.jpg

Teoria ambientalista de Florence Nigthingale

AMBIENTE SOCIAL:

  • É visto como essencial na prevenção de doenças e refere-se especialmente à coleta de dados, na qual a enfermeira deve empregar todo seu poder de OBSERVAÇÃO

  • Significa que a doença assume características diferentes para cada paciente e a enfermeira deve estar atenta às mesmas.


Dorothea orem l.jpg

Dorothea Orem

A Teoria de Enfermagem de Orem é formada por três constructos teóricos que são relacionados entre si: a Teoria do Autocuidado , a Teoria do Déficit de Autocuidado e a Teoria dos Sistemas de Enfermagem

A Teoria do Déficit de Autocuidado segundo FOSTER & JANSSENS, é o substancial da Teoria de OREM, pois é nela que se mostra quando a enfermagem é necessária.


Slide18 l.jpg

Dorothea Orem

  • O déficit de autocuidado ocorre quando as habilidades de autocuidado do indivíduo são insuficientes para satisfazer as suas demandas terapêuticas de auto cuidado.

  • Nesse caso, o enfermeiro atua como provedor/ mediador de autocuidado.


Teoria do autocuidado de dorothea orem l.jpg

Teoria do autocuidado de Dorothea Orem

  • O autocuidado, é a prática de atividades iniciadas e executadas pelos indivíduos em seu próprio benefício para a manutenção da vida e do bem-estar.

  • A atividade de autocuidado, constitui uma habilidade para engajar-se em autocuidado.

  • A exigência terapêutica de autocuidado, constitui a totalidade de ações de autocuidado, através do uso de métodos válidos e conjuntos relacionados de operações e ações (FOSTER& JANSSENS, 1993).


Slide20 l.jpg

  • São três os requisitos de autocuidado ou exigências, apresentados por Orem: universais, de desenvolvimento e de desvio de saúde.

  • Os universais estão associados a processos de vida e à manutenção da integridade da estrutura e funcionamento humanos. Eles são comuns a todos os seres humanos durante todos os estágios do ciclo vital, como por exemplo, as atividades do cotidiano.

  • Os requisitos de desenvolvimento são as expressões especializadas de requisitos universais que foram particularizados por processos de desenvolvimento, associados a algum evento; por exemplo, a adaptação a um novo trabalho ou adaptação a mudanças físicas.


Slide21 l.jpg

  • O de desvio de saúde é exigido em condições de doença, ferimento ou moléstia, ou pode ser consequência de medidas médicas exigidas para diagnosticar e corrigir uma condição.

  • A capacidade que o indivíduo tem para cuidar de si mesmo, é chamada de intervenção de autocuidado,

  • A capacidade de cuidar dos outros é chamada de intervenção de cuidados dependentes.

  • No modelo de Orem, a meta é ajudar as pessoas a satisfazerem suas próprias exigências terapêuticas de autocuidado, portanto, a teoria do autocuidado de Orem

    POLIT & HUNGLER (1995)


Sister callista roy l.jpg

SisterCallista Roy

  • Teoria de Adaptação

  • Busca reconhecer a resposta do individuo frente às adversidades.

  • O enfermeiro atua como mediador entre a objetividade técnica e a subjetividade humana, a fim de elaborar estratégias para as ações do cuidar.


Imogene king l.jpg

Imogene King

Teoria publicada em 1981

( teoria do alcance de objetivo/meta)

Considera três sistemas

interatuantes:

  • O sistema pessoal

  • O sistema interpessoal

  • O sistema social


Wanda horta l.jpg

Wanda Horta

  • Nasceu em 11 de agosto de 1926, natural

  • de Belém do Pará.

  • Graduada pela Escola de Enfermagem da

  • Universidade de São Paulo, em 1948.

  • Licenciada em história natural pela Faculdade de

  • Filosofia, Ciências e letras da Universidade do Paraná,

  • Curitiba em1953.

  • Pós-graduada em pedagogia e didática aplicada à Enfermagem na Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, em 1962.

(1926 a 1981)


Wanda horta25 l.jpg

Wanda Horta

  • Doutora em Enfermagem, na Escola de Enfermagem Ana Néri da Universidade Federal do Rio de Janeiro com a tese intitulada "A observação sistematizada na identificação dos problemas de enfermagem em seus aspectos físicos", apresentada à cadeira de Fundamentos de Enfermagem, Rio de Janeiro, em 31 de outubro de 1968.


Wanda horta26 l.jpg

Wanda Horta

  • 1960 - Wanda Horta introduz a expressão diagnósticos de enfermagem no Brasil

  • Wanda de Aguiar Horta embasada na teoria da Motivação Humana de Abraham Maslow desenvolve a Teoria das Necessidades Humanas Básicas.

  • Horta introduz uma nova visão da enfermagem brasileira através de um conceito de sistematização.


Pir mide de maslow l.jpg

Pirâmide de Maslow


Martha rogers l.jpg

Martha Rogers

  • Teoria dos Seres Humanos Unitários

  • É baseada na sua concepção de homem.

    O seu modelo teórico foi baseado em um conjunto de pressupostos que descrevem os processos vitais do homem, que se caracteriza por:Seja unitárioSer abertoSer unidirecionalSeus padrões e organizaçãoSentimentosPensar


Martha rogers29 l.jpg

Martha Rogers

  • O objetivo do modelo: procurar e promover uma interação harmoniosa entre o homem e o seu ambiente.

  • Os enfermeiros deveriam seguir este modelo de reforçar a sensibilização e da integridade dos seres humanos, e direcionar ou redirecionar o padrão de interação entre homem e seu ambiente para o máximo de saúde potencial.

  • Considera o homem como um todo unificado que tem a sua própria integridade e que manifesta características que são mais do que a soma das suas partes e várias delas para ser integrado em um meio ambiente.


Processo de enfermagem l.jpg

Processo de Enfermagem

  • É um método sistematizado para avaliar o estado de saúde do cliente, diagnosticar suas necessidades de cuidados,formular um plano de cuidados,implementá-lo e avaliá-lo quanto à sua efetividade.” (NANDA, 2001)

  • Fornece estrutura para a tomada de decisão durante a assistência de enfermagem, tornando-a mais científica e menos intuitiva.” (Jesus, 2002)


O processo de enfermagem organiza a forma de presta o dos cuidados e seguem uma ordem definida l.jpg

O processo de enfermagem organiza a forma de prestação dos cuidados e seguem uma ordem definida:

O Processo de Enfermagem organiza-se em cinco etapas inter-relacionadas, interdependentes e recorrentes:

I .Coleta de dados de Enfermagem (Histórico de enfermagem)

II. Diagnóstico de Enfermagem

III. Planejamento de Enfermagem

IV. Implementação

V. Avaliação de Enfermagem


Etapas do processo de enfermagem l.jpg

Etapas do processo de enfermagem

Histórico de Enfermagem

Diagnostico de Enfermagem

Planejamento de Enfermagem

Implementação

Avaliação de Enfermagem

COFEN


Onde deve ser realizado l.jpg

Onde deve ser realizado?

  • Art. 1º O Processo de Enfermagem deve ser realizado, de modo deliberado e sistemático, em todos os ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem.

  • § 1º - os ambientes de que trata o caput deste artigo referem-se a instituições prestadoras de serviços de internação hospitalar, instituições prestadoras de serviços ambulatoriais de saúde, domicílios, escolas, associações comunitárias, fábricas, entre outros.

  • § 2º - quando realizado em instituições prestadoras de serviços ambulatoriais de saúde, domicílios, escolas, associações comunitárias, entre outros, o Processo de Saúde de Enfermagem corresponde ao usualmente denominado nesses ambientes como Consulta de Enfermagem.


Hist rico de enfermagem l.jpg

Histórico de Enfermagem

  • Na investigação você realiza a coleta de dados e examina informações sobre a situação de saúde; Buscando evidências de funcionamento anormal ou fatores de risco que possam estar contribuindo para os problemas de saúde.

    RosalindaAlfaro-Lefevre


Coleta de dados cofen l.jpg

Coleta de dados – Cofen

  • I - Coleta de dados de Enfermagem ou Histórico de Enfermagem: Processo deliberado, sistemático e contínuo, realizado com o auxílio de métodos e técnicas variadas, que tem por finalidade a obtenção de informações sobre a pessoa, família ou coletividade humana e sobre suas respostas em um dado momento do processo saúde e doença.


Coleta de dados l.jpg

Coleta de dados:

Podem ser obtidos de maneira direta ou indireta.

  • Dados diretos: coletados a partir de informações do próprio cliente/paciente

  • Dados indiretos:obtidos a partir de outras fontes como por exemplo familiares e / ou acompanhantes.

  • Os dados ainda podem ser de natureza subjetiva e subjetiva.


Valida o dos dados l.jpg

Validação dos dados

  • Nesta sub-etapa do processo de enfermagem a enfermeira realiza um paralelo entre os dados coletados e os parâmetros de normalidade. Evita-se assim, erros na identificação dos problemas, esquecimento de dados ou presunções inadequadas.


Agrupamento dos dados l.jpg

Agrupamento dos dados

  • A enfermeira utiliza-se de seu pensamento crítico e realiza julgamento baseado em evidências.

  • O agrupamento de dados deve se orientado sob uma visão holística, considerando:

    • Os aspectos sociais

    • Os aspectos culturais

    • Os aspectos psicológicos


Identifica o dos padr es l.jpg

Identificação dos padrões

  • Nesta etapa a enfermeira (o)decidem sobre o que é relevante para identificação dos padrões.

  • Exemplo: paciente queixando dor torácica. A enfermeira (o) deverá inferir, a partir da coleta de dados quais fatores estão relacionados com a dor torácica queixada.


2 etapa do processo diagn sticos de enfermagem l.jpg

2ª Etapa do processo: Diagnósticos de enfermagem

  • “Os diagnósticos de enfermagem são julgamentos clínicos sobre as respostas do individuo, da família ou da comunidade a problemas de saúde reais ou potenciais e proporcionam as bases para as seleções de intervenções de enfermagem para alcançar resultados pelos quais a enfermeira é responsável”


Diagn sticos de enfermagem cofen 358 2009 l.jpg

Diagnósticos de Enfermagem –COFEN 358-2009

II - Diagnóstico de Enfermagem - processo de interpretação e agrupamento dos dados coletados na primeira etapa, que culmina com a tomada de decisão sobre os conceitos diagnósticos de enfermagem que representam, com mais exatidão, as respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde e doença; e que constituem a base para a seleção das ações ou intervenções com as quais se objetiva alcançar os resultados esperados.


Diagn sticos de enfermagem l.jpg

Diagnósticos de Enfermagem

“ O uso dos diagnósticos de enfermagem proporciona ao enfermeiro uma linguagem comum para a identificação dos problemas do cliente e os auxilia na escolha das prescrições de enfermagem, bem como a avaliação de tal prescrição”

Doenges Moorhouse


Componentes estruturais dos diagn sticos de enfermagem l.jpg

Componentes estruturais dos Diagnósticos de Enfermagem

  • Titulo : Nome do diagnóstico

    Ex: integridade tissular prejudicada

  • Fatores relacionados : é a origem do problemas, de ordem fisiológica, psicológica, sociocultural, ambiental, espiritual.

    Ex: Integridade tissular prejudicada relacionada a imobilização física e circulação alterada.


Componentes estruturais dos diagn sticos de enfermagem44 l.jpg

Componentes estruturais dos Diagnósticos de Enfermagem

  • Características definidoras: são as provas de que existe um problemas . São sinais e sintomas e, ainda as manifestações indicativas de um distúrbio.

    Ex: Integridade tissular prejudicada relacionada a imobilização física e circulação alterada evidenciada por ferida com área de solapamento, 8 cm, na região trocantérica.


Componentes estruturais dos diagn sticos de enfermagem45 l.jpg

Componentes estruturais dos Diagnósticos de Enfermagem

Fatores de risco: Fatores de natureza fisiológica, psicológica, genética, química que tornam uma família, comunidade ou individuo suscetíveis a um evento insalubre.

Ex: Risco de infecção relacionado a inserção de uma sonda vesical de demora.

Definição: é a descrição do problema de forma a não deixam dúvidas quanto ao real diagnóstico. Visa a não ocorrência de ambigüidades


Slide46 l.jpg

Exemplo de Diagnóstico de Enfermagem (NANDA)Titulo: eliminação urinária prejudicada definição: distúrbios na eliminação da urina


Eixos considerados para elabora o dos diagn sticos de enfermagem nanda l.jpg

Eixos considerados para elaboração dos diagnósticos de enfermagem(NANDA)

  • O conceito diagnóstico

  • Tempo( agudo, crônico, curta ou longa duração)

  • Unidade de cuidado ( indivíduo, família, comunidade, grupo).

  • Idade do indivíduo

  • Potencialidade ( real, risco para)

  • Descritor ( limite, especificação do significado do conceito diagnóstico)

  • Topologia ( regiões do corpo)


Dom nios diagn sticos nanda l.jpg

Domínios diagnósticos( NANDA)

  • Atividade/repouso

  • Autopercepção

  • Conforto

  • Crescimento/Desenvolvimento

  • Eliminação

  • Enfrentamento/ Tolerância ao estresse

  • Nutrição

  • Percepção/cognição

  • Princípios de vida

  • Promoção de saúde

  • Relacionamento de papéis

  • Segurança/proteção

  • Sexualidade


3 etapa planejamento l.jpg

3ª Etapa: Planejamento

COFEN 358-2009

  • III - Planejamento de Enfermagem - determinação dos resultados que se espera alcançar; e das ações ou intervenções de enfermagem que serão realizadas face às respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde e doença, identificadas na etapa de Diagnóstico de Enfermagem.


Slide50 l.jpg

É nesta etapa que a enfermeira (o) definem metas e traçam objetivos a serem alcançados.Para realizar o planejamento observe os itens abaixo:

  • Ser claro e conciso

  • Ser centrado no paciente

  • Estar relacionado ao titulo do diagnóstico

  • Ser alcançável

  • Conter limite de tempo

  • Ser mensurável


Planejamento l.jpg

Planejamento

Vantagens:

  • Promove a comunicação entre os cuidadores

  • Direciona o cuidado e a documentação

  • Cria um registro que pode ser usado mais tarde em avaliações , em pesquisas e situações legais.

  • Fornece a documentação das necessidades de atendimento de saúde com a finalidade de reembolso do seguro.


4 etapa implementa o l.jpg

4 ªEtapa: Implementação

Resolução COFEN 358-2009

  • IV - Implementação - realização das ações ou intervenções determinadas na etapa de Planejamento de Enfermagem.


A prescri o de enfermagem l.jpg

A prescrição de enfermagem:

  • Devem a de apresentar data de redação

  • Devem conter a ação a ser realizada com verbo no infinitivo

  • Deve determinar quem vai realizar a ação

  • Deve conter frases descritivas

  • Deve conter assinatura da enfermeira (o) responsável pela prescrição .

    Alfaro-Le Fevre, 2005


Itens necess rios para uma prescri o de enfermagem l.jpg

Itens necessários para uma prescrição de enfermagem

  • O que fazer?

  • Como fazer?

  • Quando fazer?

  • Onde fazer?

  • Com que freqüência fazer?

  • Por quanto tempo fazer?

  • Quanto fazer?


Slide55 l.jpg

Resolução 358 COFEN - Art.4º .

  • É de incumbência privativa do enfermeiro a liderança na execução e avaliação do Processo de Enfermagem, bem como o diagnóstico de enfermagem,a prescrição das ações e as intervenções de enfermagem.

  • “A delegação da prescrição de cuidados a outros profissionais compromete a definição do papel do enfermeiro.”(TANNURE, 2010)


Tipos de prescri o l.jpg

Tipos de prescrição:

  • Prescrição Dependente : é aquela concluída segundo solicitação médica, mas que requer julgamento ou tomada de decisão da enfermagem

  • Prescrição independente: é aquela que pode resolver os problemas do cliente sem consulta ou colaboração médica.

  • Prescrição interdependente: é aquela realizada com a colaboração dos demais membros da equipe


Exemplos l.jpg

Exemplos:

  • Errado: aspirar vias aéreas 3/3 h

  • Certo: aspirar secreção do TOT, naso e orofaringe ( nesta ordem) quando perceber roncos durante ausculta pulmonar. Hiperoxigenar o cliente aumentando FiO2 para 100 % antes da aspiração.Anotar aspecto e quantidade estimada em cada aspiração.Atentar para queda de saturação ( se baixar de 92,5% , interromper a aspiração e retornar o cliente para ventilação mecânica)


Slide58 l.jpg

  • Errado: Monitorar saturação de O2

  • Certo: Monitorar a saturação de O2 com oxímetro de pulso, anotar valores reais, de 1/1 h e comunicar valores abaixo de 92% ao enfermeiro de plantão.


Slide59 l.jpg

  • Errado: anotar diurese de 1/1h

  • Certo: anotar diurese e aspecto da urina de 1/1 h e comunicar valores reais abaixo de 50 ml/l ou 200 ml/h ao enfermeiro de plantão

  • Obs: nesse caso o enfermeiro deverá realizar o cálculo de diurese mínima para cada cliente e lançar na prescrição o valor apropriado = ½ ml/kg/h)


Slide60 l.jpg

  • Errado: trocar curativo de acesso central

  • Certo: tocar curativo do acesso central na subclávia direita a cada 24 horas ou , sempre que estiver sujo, úmido, ou solto. Limpar área com clorexidina degermante e remover a solução com SF a o,9 % ( 10 ml). Realizar curativo com gaze e micropore. Anotar no curativo realizado a data de punção e a data do curativo. Assina. Caso detecte sinais flogísticos ( dor, calor, rubor, edema e disfunção) solicite avaliação do enfermeiro.


Observa es importantes l.jpg

Observações importantes

Metas e meios

  • Prescrever cuidados compatíveis com a realidade do paciente e instituição

  • Não prescrever cuidados para situações não diagnosticadas previamente


Slide62 l.jpg

Nic

  • Nursing Intervention Classification

  • Padronização da Classificação das Intervenções de Enfermagem

  • Definição de intervenção de enfermagem :

    “Qualquer tratamento que tenha por base o julgamento clínico e conhecimento que a enfermeira execute para melhorar os resultados do paciente.”


Foco de informa o da nic l.jpg

Foco de informação da NIC


Benef cios da padroniza o dos cuidados de enfermagem l.jpg

Benefícios da padronização dos cuidados de enfermagem:

  • Expansão do conhecimento de enfermagem sobre a ligação entre diagnóstico , tratamentos e resultados

  • O desenvolvimento de sistemas de informação de enfermagem e de assistência à saúde.

  • O ensino da tomada de decisões a estudantes de enfermagem


Slide65 l.jpg

  • A determinação dos custos dos serviços oferecidos pelos enfermeiros

  • Planejamento dos recursos necessários nos locais da prática de enfermagem

  • A linguagem para comunicar a função peculiar da enfermagem

  • A articulação com os sistemas de classificação de outros provedores de cuidados de saúde


Titler 1991 l.jpg

TITLER, 1991

  • Delinear o corpo de conhecimento único para enfermagem

  • Determinar o conjunto de serviços de enfermagem

  • Desenvolver um sistema de informação

  • Refinar o sistema de classificação do paciente

  • Ser um elo entre os diagnósticos de enfermagem e os resultados esperados

  • Alocar recursos para os planos de enfermagem

  • Articular outros profissionais na função especifica da enfermagem


Dom nios da nic l.jpg

Domínios da NIC

  • Domínio 1: fisiológico básico

    Cuidados que dão suporte ao funcionamento físico do organismo

  • Domínio 2: fisiológico complexo

    Cuidados que dão suporte à regulação homeostásica

  • Domínio 3:comportamental

    Cuidados que dão suporte ao funcionamento psicossocial e facilitam mudanças no estilo de vida


Slide68 l.jpg

  • Domínio 4: Segurança

    Cuidados que dão suporte a proteção quanto a danos

  • Domínio 5 : Família

    Cuidados que dão suporte à unidade familiar

  • Domínio 6: Sistema de Saúde

    Cuidados que dão suporte ao uso eficaz do sistema de atendimento à saúde

  • Domínio 7: Comunidade

    Cuidados que dão suporte à saúde da comunidade


Interven o precau es contra aspira o nic 2004 l.jpg

Intervenção: precauções contra aspiração (NIC, 2004).

  • Definição: prevenção ou minimização de fatores de risco no cliente com risco de broncoaspiração

  • Atividade ( listadas NOC, 2004)

  • Monitorar nível de consciência, reflexo de tosse, reflexo de náusea e a capacidade de deglutir.

  • Monitorar função pulmonar

  • Manter dispositivo para via aérea


Slide70 l.jpg

  • Posicionar decúbito a 90º, ou mais elevado possível

  • Manter inflado o cuff ( balonete) traqueal

  • Manter aspirador disponível

  • Alimentar com pequenas porções

  • Verificar posicionamento da sonda gástrica e da gastrostomia antes de alimentar

  • Verificar se há resíduo na sonda gástrica e na gastrostomia antes de alimentar


5 etapa avalia o de enfermagem l.jpg

5ª Etapa : Avaliação de Enfermagem

Resolução COFEN 358 – 2009

  • V - Avaliação de Enfermagem - processo deliberado, sistemático e contínuo de verificação de mudanças nas respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde doença, para determinar se as ações ou intervenções de enfermagem alcançaram o resultado esperado; e de verificação da necessidade de mudanças ou adaptações nas etapas do Processo de Enfermagem.


Avalia o estrutura processo e resultado l.jpg

Avaliação: estrutura, processo e resultado

  • A avaliação de estrutura está relacionada com a adequação dos recursos físicos e materiais, bem como os modelos organizacionais

  • A avaliação do processo centraliza o foco nas atividades do enfermeiro que são observadas e julgadas

  • A evolução baseada em mudanças comportamentais é denominada de avaliação de resultados


Ferramentas l.jpg

Ferramentas

  • Anotações nos prontuários

  • Anotações em formulários próprios

  • Observação direta da resposta do cliente a terapia proposta

  • Relato do cliente

  • Revisão do plano de cuidados


Art 5 da resolu o 358 2009 cofen l.jpg

Art. 5ºDa Resolução 358-2009 Cofen

Regulamenta a participação do Técnico e o Auxiliar de enfermagem no processo de Enfermagem:

  • Art. 5º O Técnico de Enfermagem e o Auxiliar de Enfermagem, em conformidade com o disposto na Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, e do Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987, que a regulamenta, participam da execução do Processo de Enfermagem, naquilo que lhes couber, sob a supervisão e orientação do Enfermeiro


Art 6 regulamenta os registros do processo de enfermagem l.jpg

Art.6º Regulamenta os registros do Processo de Enfermagem

Art. 6º A execução do Processo de Enfermagem deve ser registrada formalmente, envolvendo:

  • a) um resumo dos dados coletados sobre a pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde e doença;

  • b) os diagnósticos de enfermagem acerca das respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde e doença;

  • c) as ações ou intervenções de enfermagem realizadas face aos diagnósticos de enfermagem identificados;

  • d) os resultados alcançados como conseqüência das ações ou intervenções de enfermagem realizadas.


Representa o esquem tica do processo de enfermagem l.jpg

Representação esquemática do processo de enfermagem


Avalia o a avalia o n o se concluiu pois deve levar reavalia o que resulta em reiniciar o processo l.jpg

Avaliação : A avaliação não se concluiu, pois deve levar à reavaliação , que resulta em reiniciar o processo.


Slide78 l.jpg

CIPE

  • 1980- OMS recomenda que haja uma classificação que represente a enfermagem em todo o mundo

  • Surge então uma preocupação em desenvolver uma classificação que represente a enfermagem em todo o mundo


Slide79 l.jpg

CIPE

  • A descrição das prática de enfermagem facilitam a comparação das opráticas realizadas, seja em cenários clínicos, em populações, em áreas geográficas ou em períodos diferentes

    CIE,2005


Slide80 l.jpg

CIPE

  • 1989- Seul .Foi votada e aprovada uma proposta de desenvolvimento de um Sistema de Classificação Internacional da Prática de Enfermagem – CIPE e em 1990 foi formada a equipe de desenvolvimento da CIPE.

    Garcia e Nóbrega, 2004

    CIE,2005


Slide81 l.jpg

CIPE

  • A CIPE pode ser vista como um mapa que está sendo construído e que deve representar o território da enfermagem como área de conhecimento e também da prática profissional.

    CRUZ, 2000


Slide82 l.jpg

CIPE

  • O foco central da CIPE é a prática da enfermagem, descrita como um processo dinâmico, sujeito a mudanças cujos principais componentes são os fenômenos , as ações e os resultados de enfermagem

  • Garcia e Nóbrega,2004


Objetivos da cipe l.jpg

Objetivos da CIPE

  • Estabelecer uma linguagem comum para descrever a prática da Enfermagem, facilitando a comunicação entre enfermeiros e dos enfermeiros com outros profissionais de saúde .

  • Representar conceitos usados na prática , em diferentes línguas e áreas da especialidade.

  • Descrever mundialmente a prestação do cuidado de enfermagem (em indivíduos , família, comunidade)


Objetivos da cipe84 l.jpg

Objetivos da CIPE

  • Possibilitar comparação de dados de enfermagem entre diferentes populações de clientes, locais de atendimento, áreas geográficas e tempo

  • Estimular pesquisa de enfermagem através de ligações entre os dados disponíveis e os sistemas de informação em saúde

  • Fornecer dados sobre a prática de enfermagem para incluir no ensino de enfermagem e suas política de saúde


Objetivos da cipe85 l.jpg

Objetivos da CIPE

  • Projetar tendências sobre as necessidades dos clientes, fornecimento de tratamento de enfermagem, recursos utilizados e resultados obtidos nos cuidados de enfermagem


Referencias bibliogr ficas l.jpg

Referencias Bibliográficas

  • TANNURE, M. C. ; PINHEIRO, A.M. . Sistematização da Assistência de Enfermagem Guia Prático segunda edição. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. v. 1. 298 p.

  • MASLOW. Abraham H. Motii- 2-d. New York. Harper & Row Publishers, 1970.

  • Horta WA. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979.

  • Resolução 359.Cofen

  • http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://www.nurses.info/nigrafix/theorists/grand/callistaroy.jpg&imgrefurl=http://www.nurses.info/nursing_theory_person_roy_callista.htm


  • Login