ISC - V
Advertisement
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 46

ISC V - Micoses PowerPoint PPT Presentation

Trabalho apresentado, ISC V.

Download Presentation

ISC V - Micoses

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Isc v micoses

ISC - V

  • GRUPO:

    • Daniel Lago Chaves

    • Edvaldo Tavares

    • Rômesson Gama Pereira


Isc v micoses

1. CONCEITO

 Infecção fúngica crônica, na maioria assintomática, caracterizada por aparecimento de lesões maculosas e descamativas hipocrômicas e hipercrômicas de coloração variável que se distribuem em várias partes do corpo.

PV1

PITYRIASE VERSICOLOR


Isc v micoses

 Distribuição Geográfica: Cosmopolita

Regiões tropicais e subtropicais

 Sexo

 Idade

PV1

2. AGENTE ETIOLÓGICO

Malassezia furfur

3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA


Isc v micoses

PV2

5. FATORES PREDISPONENTES

 Deficiências vitamínicas;

 Estado nutricional precário;

 Predisposição genética;

 Sudorese excessiva;

 Utilização de lubrificantes na pele;

 Temperatura elevada;

6. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

 Lesões hipocrômicas e hipercrômicas;

 Descamação fina - Coloração variável;

 Assintomáticas;

 Sinal de Zileri;

 Sinal de Besnier ou da unhada;


Isc v micoses

PV3

7. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

 EXAME DIRETO

 Clarificado - KOH a 20%

 Corado - Azul de metileno

 PAS

 CULTURA

 Sabouraud + Óleo de oliva

 Sabouraud + Bile + óleo de oliva

 Incubação - 37ºC


Isc v micoses

PITIRIASE VERSICOLOR

 LÂMPADA DE WOOD


Tratamento

Tratamento

  • O tratamento é tópico com sulfeto de selênio a 5%, derivados imidazólicos ou hipossulfito de sódio por 10 a 20 dias. Pode-se utilizar o tratamento sistêmico em casos de recidivas freqüentes, com cetoconazol 200mg/dia 10 a 15 dias ou itraconazol 100mg 2x/dia por 5 dias..

Profilaxia

Higiene corporal e evitar sudorese.


Isc v micoses

Exame direto

Cultura


Isc v micoses

Piedra


Isc v micoses

  • Nódulos firmes, irregulares ou amolecidos

  • Nódulos brancos ou de tonalidade creme

  • Haste do cabelo

  • Diagnóstico diferencial: pediculose.


Isc v micoses

1. CONCEITO

 Infecção fúngica que acomete os pêlos, se caracterizando por apresentar pequenos nódulos esbranquiçados, aderidos no exterior dos pêlos.

 Distribuição Geográfica: Cosmopolita

Regiões tropicais e temperadas

América do Sul e Oriente

América do Norte e Europa

 Sexo e Idade

 Contagioso Poder de propagação

PIEDRA BRANCA

2. AGENTE ETIOLÓGICO

  •  Trichosporon inkin (pêlo pubiano) T. ovoides (cabelo)

  • T. asteroides T. asahii

  • T. cutaneum T. mucoides

3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA


Isc v micoses

 Nódulos claros Pêlos couro cabeludo, axilares

genitais, barba, bigode e perianal.

 Extrafolicular

 Consistência mucilaginosa

PIEDRA BRANCA

4. MANIFESTAÇÃO CLÍNICA


Isc v micoses

PIEDRA BRANCA

Exame direto de pêlo


Isc v micoses

PIEDRA BRANCA

Aspecto macroscópico da colônia de Trichosporon sp

Aspecto microscópico da colônia de Trichosporon sp


Isc v micoses

 Distribuição Geográfica:

Regiões tropicais e subtropicais

América do Sul e Central

África e Ásia

 Sexo e Idade

 Contagioso Poder de propagação

PIEDRA NIGRA

1. CONCEITO

 Infecção fúngica que ataca os pêlos, se caracterizando por apresentar pequenos nódulos de coloração preta, aderidos no exterior dos pêlos.

2. AGENTE ETIOLÓGICO

Piedraia hortae (Brumpt, 1913)

3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA


Isc v micoses

PIEDRA NIGRA

4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

 Nódulos escuros Pêlos couro cabeludo, barba e bigode

 Extrafolicular

 Consistência pétrea


Isc v micoses

PIEDRA BRANCA

Exame direto de pêlo


Isc v micoses

PIEDRA BRANCA

Aspecto macroscópico da colônia de Piedraia hortae


Isc v micoses

  • Tratamento

  • Cortar os cabelos

  • Pentear com pente fino

  • Cetoconazol a 2% (xampu)

  • Uso diário até resolução


Isc v micoses

TINEAS


Isc v micoses

Hortaea werneckii

 Distribuição Geográfica:

 Regiões tropicais e subtropicais

Américas, África e Ásia

 Sexo: mulheres

 Idade: até 20 anos

 Fontes de infecção

 Salinidade (areia do mar/pescados secos e salgados)

 Fatores Predisponentes:  Condições climáticas

 Endógenas do hospedeiro

TN!

TINHA NIGRA

1. CONCEITO

 Infecção fúngica da camada córnea da pele, se caracterizando por apresentar máculas escuras, de coloração marrom a negra.

2. AGENTE ETIOLÓGICO

3. EPIDEMIOLOGIA E ECOLOGIA


Isc v micoses

TN!

TINHA NIGRA

4. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

 Máculas marrom a negra/ não descamativas

 Região palmar - Plantar - cotovelo, face, tórax

 Lesão única e/ou coalescente

 Resposta inflamatória: ausente


Isc v micoses

TN2

5. DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

 COLETA

 Escarificação

 Técnica de Pôrto (1953)

 EXAME DIRETO

 Clarificado - KOH a 20%

 CULTURA

 Sabouraud + Cloranfenicol

 Incubação: 25ºC


Tinea nigra

TINEA NIGRA


Tinea nigra1

TINEA NIGRA

Exame direto

Cultura


Isc v micoses

  • Infecção da Pele Glabra (Tinea corporis)

  • Adquirida de animais ou de pessoas

  • Lesão arredondada

  • Margens bem definidas, com pápulas foliculares ou pústulas

  • Crescem lenta e progressivamente.


Tinea corporis adultos crian as

TINEA CORPORISADULTOSCRIANÇAS


Tinea capitis

Tinea capitis

  • Descamação

  • Eczema seborreico “like”

  • Mais comum em crianças

  • Igual distribuição entre os sexos


Kerion celsi favo de mel

Kerion celsi (favo de mel)

  • Placas vermelhas elevadas e pustulosas

  • Foliculite de pelos adjacentes

  • Placa inflamatória

  • Pus

  • Dor


Isc v micoses

Tinea capitis


Isc v micoses

  • Tinea cruris

  • rara na criança

  • placas eritemato-papulosas circinadas nas regiões inguinais

  •  lesões satélites


Tinea pedis adultos cal ados fechados meias

TINEA PEDISADULTOSCALÇADOS FECHADOS / MEIAS


Isc v micoses

  • Intertrigo nos pés

  • diagnóstico diferencial com tinea pedis

  • exame micológico 


Tinea unguis homens mulheres

TINEA UNGUISHOMENSMULHERES


Isc v micoses

  • Onicólise ou separação da lâmina ungueal do leito

  • Cor amarelo-cinzenta

  • Contorno irregular

  • Inicia-se no bordo distal ou lateral da unha


Isc v micoses

  • Progride até a região proximal

  • Onixe: lâmina ungueal amarelada na borda livre

  • Lâmina áspera, fissurada e irregular.


Exame micol gico escamas de pele fragmentos de unha

EXAME MICOLÓGICOescamas de pelefragmentos de unha

hifas

colônia

colônia

exame direto: KOH 15%

colônia: agar Sabouraud


Isc v micoses

CABELO

Parasitismo ectótrix

Colônia


Isc v micoses

PORTADOR ASSINTOMÁTICO

  •  tinea capitis

  • Cabelos infectados

  • Crianças e adolescentes

    - 0,2% a 37,2%

  • Adultos

    - 11,4% a 30,4%

  • Sexo feminino

  • Trichophyton tonsurans

  • Xampu de cetoconazol 2% por 3 semanas

Trichophyton tonsurans


Isc v micoses

  • Profilaxia

  • Exame de animais domésticos

  • Busca ativa de casos nas escolas freqüentadas pelos doentes de tinea capitis

  • Cortar as unhas bem rentes e lixar todos os dias

  • ventilação dos pés

  • troca diária de meias

  • evitar calçados fechados.


Isc v micoses

Terapêutica oral – Adultos


Isc v micoses

Terapêutica oral – Adultos


Isc v micoses

Terapêutica oral – Adultos


Isc v micoses

Terapêutica oral - Crianças


  • Login